Os pesquisadores desenvolvem um novo produto anticoncepcional controlado pela mulher

mulher

Apesar da disponibilidade de vários métodos eficazes de controle de natalidade, mais de 40% das gestações em todo o mundo não são intencionais. Além de contribuir significativamente para o crescimento populacional, a gravidez indesejada pode ter efeitos adversos pronunciados sobre o bem-estar físico, mental e econômico da mãe.

Pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Boston (BUSM) e da ZabBio (San Diego, CA) desenvolveram um anticorpo monoclonal anti-esperma, o Anticorpo de Contracepção Humana (HCA), que eles descobriram ser seguro e possuir potente aglutinação de esperma (aglutinação) e atividade de imobilização em exames laboratoriais.

“O HCA parece ser adequado para uso contraceptivo e pode ser administrado por via vaginal em um filme solúvel para um método de controle de natalidade controlado pela mulher e sob demanda”, explica a autora sênior Deborah Anderson, Ph.D., Professora de Medicina da BUSM.

Para avaliar sua adequação como anticoncepcional tópico, os pesquisadores testaram o HCA em uma ampla gama de concentrações e em diferentes condições fisiologicamente relevantes in vitro. Especificamente, o HCA foi misturado com esperma de voluntários saudáveis ​​e depois testado. Em 15 segundos, os espermatozoides ficaram imobilizados e firmemente grudados. Os pesquisadores também descobriram que o HCA não causou inflamação vaginal em testes de cultura de tecidos de laboratório.

Devido à sua eficácia e perfil de segurança, o HCA pode suprir as lacunas atuais no campo da contracepção. “O HCA pode ser usado por mulheres que não usam os métodos anticoncepcionais atualmente disponíveis e pode ter um impacto significativo na saúde global”, disse Anderson. Para esse fim, o HCA está atualmente sendo testado em um ensaio clínico de Fase I.

Os pesquisadores também acreditam que o HCA também pode ser combinado com outros anticorpos, como anticorpos anti-HIV e anti-HSV, para uma tecnologia de prevenção multifuncional, um produto que serviria como anticoncepcional e preveniria infecções sexualmente transmissíveis.