Problemas de leitura na infância ligados a piores níveis de memória na idade adulta

Problemas de leitura na infância ligados a piores níveis de memória na idade adulta

(HealthDay) —Problemas de leitura na infância estão associados a piores escores de memória aos 43 anos, mas não com a taxa de declínio de memória, de acordo com um estudo publicado online em 6 de julho no Journal of Epidemiology & Community Health.

Amber John, Ph.D., da University College London, e colegas examinaram associações longitudinais entre problemas de leitura na infância e função cognitiva desde a meia-idade (43 anos) até a velhice (69 anos). Problemas de leitura foram medidos aos 11 anos de idade, e a memória verbal e a velocidade de processamento foram avaliadas nas idades de 43, 53, 60 a 64 e 69 anos. Além disso, aos 69 anos, o Exame de Cognição de Addenbrooke (ACE) foi administrado.

Os pesquisadores descobriram que os problemas de leitura estavam associados a uma memória verbal mais pobre na interceptação (43 anos), mas não estavam associados à taxa de declínio de 43 a 69 anos entre 1,726 participantes; não houve associações observadas para problemas de leitura com interceptação ou declínio da velocidade de processamento entre 1,730 participantes. Pessoas com versus aquelas sem problemas de leitura apresentaram taxas mais altas de pontuação abaixo dos limiares clínicos ACE-III. Houve uma associação entre problemas de leitura e escores totais do ACE-III mais pobres e todos os escores dos domínios aos 69 anos em 1,699 participantes. A educação mediou parcialmente essas associações.

“Essas descobertas são importantes porque o aumento da compreensão atual dos fatores de risco iniciais para o envelhecimento cognitivo pode ser um benefício potencial para a construção de melhores modelos preditivos”, escrevem os autores.

Detonic