Precauções COVID podem resultar em mais mortes por câncer de mama

Câncer

Um novo jornal no Jornal do Instituto Nacional do Câncer indica que as interrupções nos cuidados de saúde devido à pandemia COVID 19 podem aumentar as mortes por câncer de mama.

Em março de 2020, as medidas de saúde pública proibiram a maioria dos procedimentos eletivos, incluindo mamografia, devido à capacidade do hospital e equipamentos de proteção individual limitados. Isso reduziu as mamografias em até 80%. Pacientes com câncer de mama também experimentaram atrasos no tratamento e reduções nos tratamentos de quimioterapia planejados ou esperados.

Os pesquisadores aqui usaram três modelos de simulação de câncer de mama desenvolvidos de forma independente da Rede de Modelagem de Vigilância e Intervenção do Câncer do Instituto Nacional do Câncer para prever o efeito das interrupções relacionadas ao COVID-19 na mortalidade por câncer de mama devido a interrupções na prestação de cuidados de saúde nos primeiros 6 meses do pandemia.

Os modelos previram que o número cumulativo de mortes em excesso por câncer de mama devido ao impacto da pandemia COVID-19 no rastreamento, diagnóstico e tratamento quimioterápico poderia chegar a 2,487 até 2030.

Em 2030, os modelos projetam 950 mortes adicionais por câncer de mama relacionadas ao rastreamento reduzido; 1,314 associados ao diagnóstico tardio de casos sintomáticos e 151 devido ao uso reduzido de quimioterapia em mulheres com câncer de mama em estágio inicial. Isso corresponde a um aumento de 0.52% nas mortes por câncer de mama entre 2020 e 2030.

“Houve muitos relatórios sobre o impacto de curto prazo do COVID-19 nas atividades de controle do câncer de mama”, disse Oguzhan Alagoz, o principal autor do estudo. “Descobrimos que as rápidas adaptações das unidades de saúde para elaborar estratégias para retomar os serviços de rastreamento, diagnóstico e tratamento do câncer de mama em um período de seis meses mitigaram muito o impacto potencial na mortalidade por câncer de mama. As instalações devem priorizar o rastreamento de mulheres que perderam seu exame de mamografia de rotina durante a pandemia para reduzir o impacto da pandemia na mortalidade. ”