É possível trabalhar como motorista de ônibus após um ataque cardíaco

Se você teve um infarto do miocárdio, o risco de um segundo ataque aumenta. É impossível prever a hora exata de sua ocorrência. Quando os primeiros sinais de um ataque cardíaco aparecem, você precisa agir rapidamente:

  • mantenha a calma, não faça movimentos bruscos;
  • devagar devagar, saia do trânsito, estacione o carro;
  • se houver um passageiro por perto, peça que ele faça um seguro;
  • ligue o alarme;
  • depois de parar, mastigar, engolir um comprimido de aspirina, coloque um comprimido de nitroglicerina embaixo da língua. Os sintomas desaparecem? Ligue para um médico ou peça a um passageiro que o leve ao hospital mais próximo;
  • espalhe o assento, tente não se mexer.

Após o aparecimento dos primeiros sintomas, é estritamente proibido continuar em movimento. O infarto do miocárdio pode ser acompanhado por uma súbita perda de consciência, autocontrole. Você pode morrer sozinho ou fazer com que outras pessoas morram.

Você pode dirigir após um ataque cardíaco ou não - depende de muitos fatores. Somente o médico assistente de uma pessoa que sofreu um ataque cardíaco pode responder a essa pergunta, com base no monitoramento de seu estado de saúde.

O cérebro a princípio processa lentamente as informações. Uma pessoa diminui a velocidade da percepção e reação, o que a impede de responder oportunamente a uma situação de trânsito. Um ataque cardíaco extenso leva à formação de múltiplas cicatrizes que violam a função contrátil do músculo. Isso muitas vezes provoca perda de consciência ou ataques repetidos.

A lista de critérios de avaliação que não permitem a condução independente de um carro:

  • estado psicoemocional instável;
  • fraqueza física e baixa taxa de recuperação;
  • o miocárdio foi gravemente danificado como resultado de distúrbios circulatórios;
  • há arritmia ou taquicardia.

A presença de um desses indicadores (e eles aparecem pela primeira vez em absolutamente todo mundo) impede uma pessoa de dirigir pessoalmente. Até que a condição se estabilize, é recomendável que ele se mova de outra maneira para sua própria segurança. Se os critérios de avaliação estiverem alinhados com os padrões de recuperação, um motorista poderá ter permissão para dirigir veículos terrestres.

Quando o coração e o sistema nervoso são tão fortes que uma pessoa se sente calma ao volante, os médicos permitem que ela dirija. Isso está incluído no plano de recuperação, porque, quando se desloca pelo veículo, o sistema cardíaco não é carregado como se estivesse andando.

Mas é possível trabalhar como motorista após um ataque cardíaco? Na Federação Russa, existem leis que proíbem esse tipo de atividade. O diretor, com base na opinião da VTEK e na declaração da pessoa, fornece a ele uma posição não relacionada à direção.

Você precisa monitorar constantemente seu bem-estar e saúde em geral. Imediatamente antes de controlar a máquina, você precisa medir a freqüência cardíaca, a freqüência cardíaca, a pressão, garantir que não haja falhas na coordenação dos movimentos, tonturas e visão turva.

Se você se sentir pior:

  • antes da viagem - eles se recusam a dirigir;
  • durante o movimento - pare o carro e pressione o botão de emergência.

Nos dois casos, é necessária medicação imediata. “Nitroglicerina” e outros medicamentos prescritos devem ser transportados com eles, independentemente do método ou distância do movimento.

Requisitos médicos para dirigir após um infarto do miocárdio:

  1. É proibido dirigir veículos imediatamente após a admissão. Nos primeiros 1.5 a 2 meses, eles levam o passageiro em caso de uma súbita deterioração do bem-estar.
  2. É proibido viajar para longe. No início, é permitido dirigir em uma estrada sem carga por 5 a 10 minutos. A duração é aumentada gradualmente, mas longas distâncias não podem ser movidas. Isso evitará o excesso de trabalho e reduzirá o risco de um segundo ataque.
  3. Para excluir uma recaída devido a preocupações de chegar atrasado ao trabalho, você pode transferir para uma agenda flutuante apresentando ao diretor uma declaração do VKK.
  4. Não é recomendado para o motorista dirigir na hora do rush. Andar em uma estrada movimentada aumenta a tensão nervosa, o que aumenta o risco de recaída.

Como em qualquer regra, há uma exceção ao problema de dirigir após um ataque cardíaco. Há uma categoria de pessoas cujo retorno ao volante nunca será possível.

Após uma convulsão, uma certa porcentagem de pacientes tem uma síndrome na qual ocorre uma perda temporária de consciência. Isso pode acontecer a qualquer momento, inesperadamente para eles e para os outros. Essa categoria de pessoas representa um grande perigo no papel dos motoristas.

Suponha esta situação: uma pessoa que tem esse problema está dirigindo um carro. E parece que está tudo bem, ele se sente confortável, não aborrecido, fala calmamente sobre seus negócios. Por um lado, está tudo bem, ele não precisa se aglomerar nos transportes públicos, xingar outros passageiros, seu sistema cardíaco está protegido contra nervos e tensões.

Como regra, as pessoas que têm um problema de natureza semelhante compreendem perfeitamente os perigos da situação atual e preferem evitar dirigir. Mas há aqueles a quem é impossível proibir, porque, segundo a lei, ninguém os tira. Embora seja uma questão de tempo, na primeira comissão do motorista, será negado o direito de dirigir um carro.

Concluindo, gostaria de observar que o ataque cardíaco transferido requer grandes mudanças de uma pessoa. Podemos dizer que muitas pessoas começam a vida de novo e a dividem em dois períodos: antes e depois da doença. Você terá que desistir muito, mas isso não significa que a vida perderá sua cor. Para aqueles que preferem dirigir, o infarto do miocárdio não se tornará um obstáculo no seu negócio favorito.

Quanto tempo posso começar a andar?

Às vezes acontece que a comissão se recusa a atribuir o grupo após um ataque cardíaco. Para entender como essa decisão é objetiva, você pode tentar obter esclarecimentos do presidente da comissão e, com base neles, escrever uma segunda declaração para passar por outro exame.

Será revisado dentro de 72 horas. Se o resultado for novamente negativo, o paciente pode passar por uma comissão no departamento de exames independentes ou ir a tribunal. Se a autoridade judicial atender aos requisitos do paciente, a comissão não poderá reverter essa decisão.

O infarto do miocárdio em si não é uma contra-indicação para dirigir. Se uma pessoa tem uma coordenação prejudicada, há problemas de orientação, crises freqüentes de angina de peito, indicadores de pressão arterial constantemente elevados, você não pode dirigir. Perda de atenção, concentração por alguns segundos é suficiente para se tornar o culpado de um acidente.

As pessoas com deficiência podem dirigir um carro após o infarto do miocárdio? O infarto do miocárdio em si está ausente na lista de contra-indicações médicas (1). Representantes de perícia médica e social avaliam o estado geral da saúde humana. Se isso não causar preocupação, você pode dirigir.

Após um ataque cardíaco, você só pode dirigir um carro quando o estado de saúde estiver totalmente estabilizado. O período de reabilitação pode levar de várias semanas a um ano ou mais. O cumprimento das recomendações do médico assistente acelera o processo de recuperação.

No momento de retomar a direção, o paciente deve:

  • Sinta-se estável;
  • ser capaz de controlar suas emoções (uma reação aguda ao que está acontecendo é repleta de agravamento da doença isquêmica);
  • tenha boa capacidade de concentração, resistência, alta taxa de reação;
  • falta de episódios de tontura, perda de consciência, boas condições do coração.

Opinião dos médicos

Quando você pode dirigir após um infarto do miocárdio e implante de stent, depende da velocidade da recuperação. De acordo com as previsões gerais de tratamento, isso não ocorre até 60 dias após o ataque. Se uma pessoa não tem dedos trêmulos e o estado psicoemocional se estabilizou, ele pode controlar o carro. Na presença de irritabilidade, ansiedade, tremor e outros efeitos residuais de um ataque cardíaco, dirigir é temporariamente contra-indicado.

Segundo os médicos, o movimento independente da máquina elimina o estresse físico e psicoemocional em comparação com viagens de transporte público ou caminhadas por longas distâncias. Portanto, no período pós-infarto da reabilitação tardia, você pode dirigir um carro em conformidade com as recomendações médicas e os princípios de direção.

O médico Andrei Raskin, um dos melhores cardiologistas, acredita: “É possível dirigir um carro após um ataque cardíaco, mas apenas sob a condição de total confiança. O motorista não deve sentir medo, ele não deve se preocupar ou se preocupar. Total conforto e senso de controle, esse é o principal critério. Se não for, é melhor não dirigir. "

Ninguém pode dizer exatamente a que horas você pode voltar a dirigir. O período de recuperação após um ataque cardíaco é puramente individual. Alguém leva apenas um mês, alguém tem que lutar por uma vida normal um pouco mais.

Depois de concluir um curso de tratamento e reabilitação (em média, leva alguns meses), você deve voltar a dirigir com cuidado, observando algumas regras:

  • Limite o tempo de viagem ao mínimo.
  • No começo, não viaje longas distâncias (outras cidades, cabanas e muito mais viajam).
  • Não dirija sozinho. Mais confiável se alguém de parentes ou amigos estiver próximo.
  • Tente evitar engarrafamentos e não sair na hora do rush.
  • Sempre tenha comprimidos que aliviam convulsões (nitroglicerina, validol, etc.).
  • Em nenhum caso, saia com uma sensação de desconforto, aperto no peito ou dor.

Os especialistas distinguem três fatores principais para uma pessoa que sofreu recentemente um ataque cardíaco, o que será crucial para a possibilidade de seu retorno à condução:

  1. A presença de patologias no coração decorrentes de um ataque cardíaco;
  2. A presença de complicações após um ataque cardíaco, como taquicardia, arritmias e afins;
  3. A duração do período de reabilitação e a eficácia do tratamento realizado durante esse período.

Após um ataque cardíaco, algumas pessoas não querem esperar por uma recuperação completa e tentar voltar ao seu estilo de vida habitual o mais rápido possível, uma parte significativa da qual, em muitos casos, é um carro.

Mas a restauração da saúde em tais situações é um fator fundamental para o funcionamento normal adicional do corpo humano como um todo; esse processo não pode ser interrompido. Como resultado, o período de reabilitação pode ser significativamente atrasado, a saúde humana, já prejudicada, piorará ainda mais, o risco de recorrência de um ataque cardíaco aumentará - para que o paciente não apenas não seja capaz de dirigir por um período indeterminado. período, mas também provavelmente perderá a esperança de um retorno bem-vindo ao estilo de vida habitual.

Dirigir um veículo requer maior atenção e concentração de uma pessoa. Portanto, ficar atrás do volante, em qualquer caso, atua como uma carga psicológica para o corpo.

Se uma pessoa que sofreu um ataque cardíaco procura voltar ao volante o mais rápido possível, deve coordenar seu desejo com o cardiologista assistente. Este último já pode tomar medidas para acelerar a recuperação do corpo do paciente, devido ao seu estado atual de saúde.

A reabilitação acelerada após um ataque cardíaco geralmente envolve tomar medicamentos que normalizam rapidamente o funcionamento do sistema cardiovascular. Com a ajuda deles, a circulação sanguínea no corpo melhora, o que permite que os tecidos miocárdicos danificados comam mais ativamente, sendo saturados com oxigênio e as substâncias necessárias para a regeneração.

Assim, depois de passar todos os procedimentos necessários e levar em conta os resultados positivos do tratamento, uma pessoa que teve um ataque cardíaco pode ter a oportunidade de dirigir um veículo.

Um caso da vida de alguém

"Um bom dia hoje", alegrou-se Ivan Andreevich, com pressa de jogar uma enorme pilha de terra em sua trama. - Amanhã vou me espalhar nas camas e começar a plantar. Colheita será o que você precisa. O coração de um morador de verão de setenta anos bateu em uníssono com seus pensamentos.

Sim, de repente doente. Não tanto, então ele continuou a trabalhar. Mas a dor no peito esquerdo aumentou e começou a ceder ao ombro esquerdo, ao braço e à mandíbula. Ivan Andreevich sentiu um batimento cardíaco forte, um suor frio apareceu, seus braços e pernas enfraqueceram, tudo nadou diante de seus olhos.

Mal alcançou a cama, deitou-se. Alívio, no entanto, não sentiu. Liguei para minha esposa. Ela notou a palidez e o olhar assustado do marido, sentiu a testa - molhada e fria. "Qual é o seu problema, Vanya?" Ela ficou preocupada. "Dói, oh, dói muito", ele mal gemeu.

Sem saber o que fazer, a esposa correu para consultar um vizinho, cujo coração às vezes doía. Olhando para o paciente, ela imediatamente percebeu que o assunto era ruim e chamou uma ambulância. Mas enquanto eles pensavam e decidiam, esperavam o carro, pelo menos uma hora se passou. Ivan Andreevich ficou muito doente, houve interrupções no trabalho do coração. O médico lutou por sua vida por um longo tempo, convocou uma equipe de cardiologia e, no reanimobile amarelo, levaram o infeliz morador de verão para o hospital.

Ele passou oito dias na unidade de terapia intensiva, ou seja, em terapia intensiva, mais de 20 no departamento de cardiologia, após o que foi enviado a um sanatório para reabilitação.

As pessoas que tiveram infarto do miocárdio são aconselhadas a descartar quaisquer maus hábitos.

De grande importância para a prevenção de ataques repetidos é o estilo de vida que o paciente levará após voltar para casa. Existem várias regras que todos os pacientes devem seguir sem se conceder, uma vez que a taxa de mortalidade por recorrência de patologia é superior a 70%. Isso deve ser lembrado toda vez que o paciente se senta à mesa festiva e pensa que um pequeno copo de vinho não irá prejudicar sua saúde.

Quaisquer maus hábitos terão que ser completamente eliminados. Isso se aplica ao uso de bebidas que contêm álcool (em qualquer dose) e ao fumo. A nicotina e o alcatrão contidos nos cigarros têm um efeito extremamente negativo sobre o corpo enfraquecido. Mesmo um coração saudável não pode suportar esse efeito ao longo do tempo e, se uma pessoa doente gosta de fumar, pode-se esquecer um prognóstico favorável à vida.

Talvez você queira saber sobre o novo medicamento - Cardiol, que normaliza perfeitamente a pressão sanguínea. Cardiol cápsulas são uma excelente ferramenta para a prevenção de muitas doenças cardíacas, porque contêm componentes únicos. Este medicamento é superior em suas propriedades terapêuticas a esses medicamentos: Cardiline, Recardio, Detonic. Se você quiser saber informações detalhadas sobre Cardiol, Vá para o site do fabricante. Aqui você encontrará respostas para perguntas relacionadas ao uso deste medicamento, avaliações de clientes e médicos. Você também pode descobrir o Cardiol cápsulas no seu país e as condições de entrega. Algumas pessoas conseguem obter um desconto de 50% na compra deste medicamento (como fazer isso e comprar pílulas para o tratamento da hipertensão por 39 euros, está disponível no site oficial do fabricante).Cardiol cápsulas para o coração

Mais vitaminas

Nozes e frutos secos - produtos essenciais na dieta de pessoas após infarto do miocárdio

Os alimentos devem ser equilibrados em termos de vitaminas, aminoácidos, minerais e nutrientes. Pacientes que tiveram infarto do miocárdio devem definitivamente incluir variedades de peixes gordurosos em sua dieta: salmão, truta, atum e cavala. Esses tipos de peixes contêm ácidos graxos essenciais que nutrem e fortalecem o tecido cardíaco.

É melhor cozinhar alimentos com métodos suaves, com uma adição mínima de especiarias e sal. O sal provoca retenção de líquidos no corpo e o edema, por sua vez, leva a um aumento da pressão, o que é perigoso para pacientes com um estado pós-infarto.

Movimento - vida

Exercícios físicos são úteis para pessoas que tiveram infarto do miocárdio

Se o paciente tem uma tendência positiva, é importante garantir um nível suficiente de atividade física para aumentar a circulação sanguínea e enriquecer o tecido cardíaco com oxigênio. Não estamos falando de esportes, mas caminhar em ritmo lento, bem como exercícios de fisioterapia, serão muito úteis para pessoas de qualquer idade.

Se o paciente não puder andar por muito tempo, você pode simplesmente passear pela casa ou até sentar em um banco com um livro. É necessário ar fresco para pacientes com doença cardíaca. Com a falta de oxigênio, o trabalho do músculo cardíaco é difícil, o que pode causar novos ataques.

Apenas calma

Estresse e agitação emocional podem ser prejudiciais à saúde do paciente

Aconteça o que acontecer na família ou no trabalho, é importante sempre manter a calma. Estresse e agitação emocional podem ter um efeito prejudicial à saúde do paciente e provocar novas complicações.

O infarto do miocárdio é uma patologia insidiosa. Cerca de 20% dos pacientes morrem no primeiro dia após um ataque cardíaco. Os médicos consideram o período crítico nos primeiros 5 dias após a estabilização. Observando rigorosamente as prescrições médicas e seguindo as recomendações para reabilitação, a maioria dos pacientes pode retornar à vida normal e até manter a capacidade de trabalho. O registro de incapacidade é um elemento auxiliar necessário para apoiar esses pacientes, portanto, não hesite em projetá-lo.

Um carro não é apenas um meio de transporte, mas também uma fonte de perigo para o motorista, passageiros e pessoas ao seu redor. Portanto, os requisitos para o estado de saúde do motorista são aumentados.

O ataque cardíaco transferido impõe restrições à vida de uma pessoa. Considere como a vida do motorista muda após o infarto do miocárdio, quanto tempo leva para se recuperar, que precauções devem ser observadas.

Quando é proibido dirigir um carro?

Algumas pessoas são estritamente proibidas de dirigir um carro após um ataque cardíaco. Isso se aplica principalmente aos pacientes que têm sérios problemas com o sistema cardiovascular devido a um ataque cardíaco. Na maioria das vezes, qualquer tipo de arritmia é um problema, porque essa condição geralmente é a causa da perda de consciência. Nesse caso, dirigir veículos para pessoas com um ataque cardíaco se torna perigoso tanto pela vida como pela vida de outras pessoas.

Os médicos insistem que é impossível dirigir. O direito de dirigir um veículo não é oficialmente retirado, mas a próxima tentativa de substituí-lo devido à expiração ou perda de tais motoristas simplesmente não terá êxito, porque a comissão médica não os deixará passar.

Se, de acordo com uma decisão médica, uma pessoa puder dirigir, ele ainda deve monitorar constantemente sua saúde, tomar regularmente medicamentos prescritos e passar por exames. Antes de cada viagem, é aconselhável medir a frequência cardíaca, pressão arterial, pulso, verificar a coordenação dos movimentos, acuidade visual.

Se você se sentir pior, deve:

  • Antes da viagem - abandone-a.
  • Durante a viagem - pare o carro e ligue os alarmes.

Vale a pena tomar o medicamento prescrito pelo seu médico nos dois casos. Se o seu estado de saúde não melhorar, você deve procurar assistência médica.

Possíveis riscos

No início, após um ataque cardíaco, é difícil para uma pessoa se concentrar no cumprimento das regras de trânsito e escutar sua saúde. E o status das estradas domésticas e o comportamento de alguns motoristas ou pedestres mal educados afetam negativamente seu estado psicoemocional. Portanto, durante cada viagem, pode ocorrer uma recaída da doença.

Ataques cardíacos repetidos ou perda de consciência durante a condução se tornam a causa do acidente. Como resultado de um acidente, o próprio motorista e os motoristas dos carros afetados, ou transeuntes aleatórios, podem morrer ou ficar desativados. Portanto, viajar em um período pós-infarto é sempre perigoso.

É possível dirigir um carro após um ataque cardíaco? A perda de controle sobre o carro termina em um acidente e representa uma ameaça à vida de todos os usuários da estrada. Você não pode conduzir uma pessoa com arritmia e presença de uma síndrome, acompanhada por perda frequente de consciência. Essas pessoas não poderão renovar sua experiência de dirigir no processo do próximo exame médico ou, se necessário, restaurar direitos.

Um ataque cardíaco é um dos distúrbios mais perigosos do sistema cardiovascular e do corpo como um todo. Consequentemente, tendo ultrapassado uma pessoa mesmo em casa e na presença de assistência oportuna, um ataque cardíaco nem sempre desaparece sem complicações, e ninguém tem 100% de chance de sobreviver em tal situação. A probabilidade de recorrência de tal mau funcionamento é bastante alta e depende principalmente de seguir as recomendações do médico e da reabilitação adequada do paciente.

É difícil avaliar os possíveis riscos de um ataque cardíaco para uma pessoa enquanto estiver dirigindo um veículo. Com o melhor resultado, há muito poucas previsões positivas.

O que a lei diz?

De acordo com a legislação de nosso país, uma pessoa que sofreu um ataque cardíaco recebe uma licença médica por todo o tempo de sua reabilitação. A estabilização da saúde do paciente ocorre inicialmente em um hospital e depois em casa.

Todo o processo de tratamento e recuperação deve ser monitorado por um cardiologista. Se, após a recuperação de um ataque cardíaco, uma pessoa se considerar pronta para dirigir um carro e o médico assistente não tiver objeções, ele poderá dirigir um veículo pessoal.

Se o processo de dirigir um veículo é de responsabilidade direta de uma pessoa que sofreu um ataque cardíaco, ele a perde. Geralmente, um empregado é dotado de outras tarefas que não exigem a condução de um veículo. Durante o período de tratamento e recuperação, um grupo de pessoas com deficiência e um subsídio apropriado são emitidos para ele.

O infarto do miocárdio não deve ser tomado como sentença. Com tratamento e reabilitação adequados, as pessoas geralmente retornam ao seu modo de vida habitual e, no trabalho, mudam para uma posição que é mais fácil e mais permitida pela lei nesse caso. O principal é seguir todas as recomendações dos médicos e monitorar sua saúde.

Uma pessoa pode dirigir um carro após um infarto do miocárdio? É proibido fazer isso profissionalmente, o que é aprovado pelo despacho nº 302Н de 12.04.11 //. A máquina pode se tornar incontrolável e ocorrerá um acidente com a possível morte de participantes em um acidente de trânsito ou de terceiros.

No período pós-infarto, um motorista do III grupo de incapacidades é registrado. Ele recebe benefícios estatais e recebe um trabalho físico leve. Mas ele pode dirigir seu próprio transporte, pois os motoristas podem andar na ausência de complicações da doença.

A resposta a esta pergunta depende da natureza do trabalho, do estado de saúde do motorista em potencial. A aptidão é determinada por representantes da especialidade médica e social (UIT). Se após o final do tratamento a comissão não revelar contra-indicações para o trabalho, você poderá dirigir. A decisão da UIT é inconclusiva, pode ser contestada.

Como acelerar a reabilitação?

Os médicos podem sugerir stent coronário para evitar recaídas e facilitar a recuperação. A cirurgia minimamente invasiva é realizada sob anestesia local. O cirurgião insere um stent na artéria femoral através de um cateter. Então, ao longo de seu canal, o dispositivo leva ao local do estreitamento. Após a instalação do tubo, a parede do vaso se expande ao longo do perímetro do lúmen, o que garante a circulação sanguínea normal.

Ações do paciente após um ataque cardíaco e / ou stent durante o período de reabilitação
O que acelera a recuperaçãoO que deve ser feito
Inquestionável conformidade com todas as recomendações médicas.Aumente gradualmente a atividade motora.
Descanse em um sanatório especializado em doenças cardíacas.Não levante a carga mais de 3 kg.
Transfira para uma posição com condições de trabalho suaves.Caminhada diária por 5-60 minutos, acompanhada por um parente.
Hobbies, ouvindo sua música favorita.Siga uma dieta número 10, de acordo com Pevzner.
Consultas do psicólogo.Evite excesso de trabalho, tensão nervosa.
Normalização de peso e colesterolContinue a tomar medicação.
Parar de fumar, outros maus hábitos.Observado por um cardiologista.

Um homem ou mulher deve “eliminar” informações intimidadoras sobre o modo de vida após um ataque cardíaco. Em que estágio da reabilitação você pode começar a trabalhar, dirigir um carro, fazer sexo e outras informações necessárias apenas com o seu médico, que conhece todos os indicadores individuais e a dinâmica da reabilitação.

Medidas de segurança

A principal condição é dirigir apenas quando sua saúde estiver boa. Qualquer mal-estar repentino no caminho é uma ocasião para desacelerar, aguardar a melhoria do estado de saúde.

Recomenda-se gradualmente as habilidades de condução. Primeiro, escolha estradas menos movimentadas e familiares. Qualquer sobrecarga psicológica está repleta de riscos de recaída. As viagens devem ser curtas, a velocidade é baixa. Evite dirigir no escuro.

Recomenda-se que a primeira vez após um ataque cardíaco viaje com um passageiro que ajudará a estacionar o carro em caso de deterioração do bem-estar, além de fornecer primeiros socorros, levar para o destino ou hospital.

Certifique-se de ler as anotações de todos os medicamentos que você toma. Alguns medicamentos reduzem a taxa de reação, causam sonolência. Depois de tomar esses medicamentos, dirigir é contra-indicado.

Tome com você aspirina, nitroglicerina. Eles ajudarão a aliviar um ataque de angina de peito, reduzirão o risco de complicações no início do IM.

Posso dirigir após um ataque cardíaco?

Segundo muitos médicos, o retorno ao volante de um carro após um ataque cardíaco é uma das etapas da reabilitação. Mas eles permitem o acesso ao volante somente se a confiança da pessoa nesse desejo não estiver em dúvida, e o estado do seu coração após danos causados ​​por um ataque cardíaco permite que você experimente estresse associado ao processo de direção.

Importante a este respeito é a falta de ansiedade, irritação, medo do paciente, ele deve estar confortável dirigindo. A aprovação em todos os exames necessários para fornecer ao médico assistente as informações necessárias para analisar a condição do paciente também será obrigatória.

Também é necessário considerar as opções possíveis para o movimento do homem. Andar longas distâncias esgota bastante o corpo, o que exacerba significativamente o estado pré-infarto. Uma viagem no transporte público geralmente pode ser acompanhada de fatores negativos: aglomeração, fluxo intenso de pessoas em locais públicos, maior probabilidade de situações estressantes. É provável que tudo isso provoque uma deterioração da saúde humana em vez de andar de carro.

Ao voltar a dirigir após um ataque cardíaco, não vale a pena dirigir sozinho pela primeira vez - você precisa levar um passageiro com você em cada viagem, que pode fornecer os primeiros socorros necessários para uma recaída ou pelo menos saber sobre a saúde do motorista problemas e poderá solicitar assistência médica sem perdas. Em um kit veicular, deve haver medicamentos apropriados (nitroglicerina e os prescritos pelo seu médico) e, com qualquer indício de deterioração da sua saúde, você deve recusar a viagem planejada.

Detonic - um medicamento único que ajuda a combater a hipertensão em todas as fases do seu desenvolvimento.

Detonic para normalização da pressão

O efeito complexo dos componentes vegetais da droga Detonic nas paredes dos vasos sanguíneos e no sistema nervoso autônomo contribuem para uma rápida diminuição da pressão arterial. Além disso, este medicamento evita o desenvolvimento da aterosclerose, graças aos componentes únicos envolvidos na síntese da lecitina, um aminoácido que regula o metabolismo do colesterol e impede a formação de placas ateroscleróticas.

Detonic síndrome não viciante e de abstinência, uma vez que todos os componentes do produto são naturais.

Informações detalhadas sobre Detonic está localizado na página do fabricante www.detonicnd.com.

Tatyana Jakowenko

Editor-chefe da Detonic revista on-line, cardiologista Yakovenko-Plahotnaya Tatyana. Autor de mais de 950 artigos científicos, inclusive em revistas médicas estrangeiras. Ele trabalha como cardiologista em um hospital clínico há mais de 12 anos. Ele possui métodos modernos de diagnóstico e tratamento de doenças cardiovasculares e os implementa em suas atividades profissionais. Por exemplo, utiliza métodos de ressuscitação do coração, decodificação do ECG, testes funcionais, ergometria cíclica e conhece muito bem o ecocardiograma.

Por 10 anos, ela tem participado ativamente de inúmeros simpósios médicos e oficinas para médicos - famílias, terapeutas e cardiologistas. Ele tem muitas publicações sobre um estilo de vida saudável, diagnóstico e tratamento de doenças cardíacas e vasculares.

Ele monitora regularmente novas publicações de revistas européias e americanas de cardiologia, escreve artigos científicos, prepara relatórios em conferências científicas e participa de congressos europeus de cardiologia.

Detonic