Características do desenvolvimento de métodos de diagnóstico e tratamento para cardiomiopatia isquêmica

A cardiomiopatia isquêmica é uma doença do miocárdio na qual ocorre um aumento nas cavidades do coração e o ritmo cardíaco é perturbado. A causa desta patologia é insuficiência circulatória crônica. O perigo da doença está na ausência de sinais específicos.

A cardiomiopatia isquêmica é uma alteração patológica no miocárdio, a forma mais comum desse desvio. Com o desenvolvimento da doença, ocorre um aumento nas cavidades do músculo cardíaco e um espessamento de suas paredes.

Na maioria das vezes, é observada uma lesão do lado esquerdo do órgão. Em alguns casos, com cardiomiopatia isquêmica, o septo interventricular espessa.

Nos homens, esse desvio é diagnosticado com muito mais frequência do que nas mulheres. A patologia ocorre com 45 a 55 anos de idade.

Existem formas de cardiomiopatia isquêmica:

  • simétrico: ambas as câmaras do músculo cardíaco aumentam uniformemente;
  • assimétrica: à medida que a patologia se desenvolve, a câmara esquerda do coração aumenta principalmente.
Talvez você queira saber sobre o novo medicamento - Cardiol, que normaliza perfeitamente a pressão sanguínea. Cardiol cápsulas são uma excelente ferramenta para a prevenção de muitas doenças cardíacas, porque contêm componentes únicos. Este medicamento é superior em suas propriedades terapêuticas a esses medicamentos: Cardiline, Recardio, Detonic. Se você quiser saber informações detalhadas sobre Cardiol, Vá para o site do fabricante. Aqui você encontrará respostas para perguntas relacionadas ao uso deste medicamento, avaliações de clientes e médicos. Você também pode descobrir o Cardiol cápsulas no seu país e as condições de entrega. Algumas pessoas conseguem obter um desconto de 50% na compra deste medicamento (como fazer isso e comprar pílulas para o tratamento da hipertensão por 39 euros, está disponível no site oficial do fabricante).Cardiol cápsulas para o coração

destaque

A cardiomiopatia do tipo isquêmico se desenvolve com danos às artérias coronárias, o que geralmente ocorre no contexto de alterações ateroscleróticas. Estes últimos causam vasoconstrição, devido à qual se desenvolve hipóxia tecidual persistente. Nesse contexto, há um espessamento da parede do músculo cardíaco.

Os fatores de risco incluem o seguinte:

  • uma história de infarto do miocárdio;
  • pressão alta;
  • maus hábitos;
  • hereditariedade onerada;
  • colesterol alto no sangue;
  • obesidade;
  • diabetes;
  • aneurisma do ventrículo esquerdo;
  • estilo de vida sedentário;
  • aumento da atividade física;
  • uso de drogas;
  • estresse psicoemocional;
  • patologia do córtex adrenal;
  • doença da tireóide.

Fenômenos patológicos como hipertrofia miocárdica, hipóxia cardíaca, danos às miofibrilas do miocárdio também contribuem para o desenvolvimento da doença.

A patologia pode ser expressa por esses sinais.

  • falta de ar, que é especialmente pronunciada durante o esforço físico e experiências emocionais;
  • distúrbio do ritmo cardíaco;
  • dor de cabeça;
  • fadiga;
  • ataques de asfixia à noite;
  • ganho de peso sem causa;
  • micção rara;
  • inchaço das extremidades inferiores;
  • tontura;
  • aumento da frequência cardíaca;
  • tosse produtiva; podem ser observadas manchas de sangue no escarro;
  • distúrbios de sono;
  • desmaio;
  • uma sensação de dor e constrição no peito;
  • perturbação do apetite;
  • dor surda no hipocôndrio direito;
  • diferentes formas de arritmia.

Nos estágios iniciais do desenvolvimento da patologia, podem estar ausentes sinais de atividade cardíaca comprometida.

Métodos de diagnóstico

Para o diagnóstico, vários estudos são realizados, incluindo:

  • coleção de história da família;
  • exame físico;
  • ouvindo o coração;
  • exames de sangue gerais e bioquímicos;
  • análise geral de urina;
  • ECG;
  • angiografia coronariana;
  • Raio-x do tórax;
  • monitoramento diário do ECG;
  • Eco;
  • Ressonância magnética do músculo cardíaco;
  • se necessário, também é prescrito um exame cintilográfico e uma biópsia.

A base da terapia é a administração de medicamentos. A intervenção cirúrgica é realizada apenas em casos excepcionais, pois representa uma ameaça à vida do paciente.

Os pacientes receberão medicamentos prescritos como:

  • drogas antiarrítmicas (digoxina);
  • betabloqueadores (metaprolol, carvedilol);
  • Inibidores da ECA (Kapoten);
  • diuréticos (Lasix);
  • anticoagulantes (ácido acetilsalicílico).

Paralelamente ao uso de medicamentos especiais, o paciente deve cumprir as seguintes regras:

  • limitar a quantidade de gordura e sal consumida ao mínimo;
  • abandonar o aumento do esforço físico;
  • evitar estresse e tensão emocional;
  • deixe tempo suficiente para um bom descanso;
  • recusar maus hábitos.

A cirurgia para cardiomiopatia isquêmica é indicada apenas se métodos conservadores de terapia não produzirem resultados.

Tais métodos do tratamento cirúrgico da patologia distinguem-se:

  • Implantação de marca-passo. Um dispositivo implantável é necessário na detecção de insuficiência cardíaca. Graças ao marca-passo, a freqüência cardíaca normaliza. O dispositivo também reduz o risco de morte súbita causada por cardiomiopatia isquêmica.
  • Implantação de um cardioversor-desfibrilador. Tal medida é necessária para a arritmia ventricular - uma condição que ameaça a vida do paciente. O dispositivo controla o ritmo do músculo cardíaco.
  • Cirurgia de revascularização do miocárdio. Durante a operação, outro vaso, previamente removido, é realizado próximo à artéria entupida. É através dele que o fluxo sanguíneo é direcionado. Tal evento estimula o fluxo de sangue para o músculo cardíaco.
  • A angioplastia é uma operação para expandir as artérias para melhorar sua perviedade.
  • Instalação de stents para expansão do lúmen vascular.
  • Aterectomia é uma manipulação destinada a limpar as paredes arteriais das placas e placas que impedem o avanço do sangue.
  • Nos casos mais graves, o paciente requer uma operação de transplante cardíaco.

Características dos alimentos

Recomenda-se às pessoas que sofrem de cardiomiopatia isquêmica que incluam esses alimentos e bebidas em sua dieta:

  • assados ​​sem sal;
  • laticínios com baixo teor de gordura;
  • legumes processados ​​de várias maneiras;
  • frutos do mar;
  • peixe magro;
  • cereais;
  • massas de trigo duro;
  • sopas de vegetais;
  • frutas e frutos frescos e secos;
  • querida;
  • óleos vegetais;
  • chá de folhas verdes;
  • sucos frescos.

Os seguintes alimentos e bebidas que afetam negativamente a condição do músculo cardíaco não devem ser consumidos:

  • carne e peixe gordurosos;
  • confeitaria;
  • pratos salgados e picantes;
  • caldos gordurosos;
  • comida enlatada;
  • produtos defumados;
  • cebola alho;
  • produtos semi-acabados;
  • café e chá fortes;
  • alcool

O significado do uso de receitas alternativas para cardiomiopatia isquêmica é aliviar a condição do paciente. Tais métodos de terapia não podem curar a doença e, em nenhum caso, devem ser a base da terapia.

As seguintes receitas são úteis:

  • Tintura de bagas de viburno. Para cozinhar, você precisa levar 40 g de matérias-primas (as frutas devem estar maduras), despeje um copo de água quente. Deixe o líquido infundir por 2 horas e coe. O volume resultante é a dose diária do medicamento. Deve ser bebido 2 vezes durante o dia.
  • Decocção baseada na mãe. Você deve levar 15 g de matérias-primas e preenchê-lo com 0,5 l de água quente. O produto deve ser infundido por 7 horas. Depois disso, o líquido deve ser filtrado. Tome a infusão finalizada durante o dia. Norma - um copo de caldo, cujo volume deve ser dividido em 4 doses.
  • Colheita de ervas. É necessário preparar 2 colheres de sopa de folhas de urtiga e uma colher de sopa de erva-mãe, misturar os componentes, despejar 250 il de água fervente. Insista no produto por uma hora e coe. Tome meio copo duas vezes por dia.
  • Infusão de linhaça. Para preparar o produto, você precisa derramar 4 colheres de chá de semente de linho semeada em um litro de água. Coloque a composição no fogão, deixe ferver. O produto deve ser infundido em banho-maria por uma hora. Depois disso, o caldo precisa ser filtrado. Leve o produto acabado em uma forma quente em meio copo, até 5 vezes por dia.

Durante o tratamento, o médico monitora regularmente os indicadores mais importantes: freqüência cardíaca, freqüência cardíaca, nível de pressão arterial do paciente.

Previsão

Se não for tratado, à medida que a cardiomiopatia coronária progride, o risco de complicações aumenta. Isso inclui o seguinte:

  • coágulos sanguíneos;
  • infarto do miocárdio;
  • insuficiência cardíaca aguda;
  • edema pulmonar;
  • arritmia.

Essas condições podem causar a morte do paciente, à medida que se desenvolvem rapidamente.

A sobrevida do paciente em cinco anos é superior a 30%.

Com o tratamento oportuno da patologia, aumenta a chance de prevenir complicações perigosas.

Medidas preventivas

Atualmente, um complexo especial de medidas preventivas destinadas a impedir o desenvolvimento de cardiomiopatia isquêmica não foi desenvolvido.

Há várias recomendações geralmente aceitas, cuja observância várias vezes reduz a probabilidade de desenvolvimento de patologia cardíaca. Para fazer isso, você deve:

  • pare de beber álcool;
  • parar de fumar;
  • cumprir os princípios de nutrição adequada, excluindo alimentos com alto teor de sal e colesterol, bem como gorduras animais da dieta;
  • controle de peso, pressão arterial, açúcar no sangue e colesterol;
  • visite um cardiologista a cada seis meses, o que é especialmente importante para aqueles cuja história familiar está sobrecarregada com casos de doença cardiovascular.

A cardiomiopatia isquêmica é uma patologia do sistema cardiovascular que ocorre por si só ou como uma doença secundária. A doença cria um alto risco de complicações e morte; portanto, é necessário diagnosticá-la e iniciar o tratamento o mais rápido possível.

A cardiomiopatia é um grupo de patologias que são acompanhadas por falhas no funcionamento do músculo cardíaco. Existem vários mecanismos de dano do miocárdio que combinam essas doenças.

As razões para o desenvolvimento de cardiomiopatia são muitas vezes obscuras, e o diagnóstico requer a ausência de malformações congênitas. Existem vários tipos dessa patologia, e a classificação das cardiomiopatias depende das características dos distúrbios circulatórios no coração.

Cardiomiopatia é uma definição coletiva para um grupo de patologias do miocárdio de origem desconhecida. A base de tais doenças são os processos distróficos e escleróticos nas células do coração - cardiomiócitos. Com uma violação como a cardiomiopatia, na maioria dos casos, o trabalho dos ventrículos do coração muda.

Até o momento, não foi possível estabelecer as verdadeiras causas da cardiomiopatia. Especialistas argumentam que tais patologias podem progredir devido a alterações mutacionais nos genes ou como resultado do desenvolvimento ativo de doenças existentes em seres humanos.

Tais doenças podem ser diagnosticadas em pessoas de qualquer idade, mas em crianças são detectadas com muito menos frequência do que em adultos.

Isso se deve ao fato de que esse grupo de doenças é hereditário e os problemas com o trabalho do coração já podem aparecer em crianças pequenas.

Causas e sintomas

Cardiomiopatias incluem qualquer patologia que é acompanhada por danos ao músculo cardíaco. De fato, existem muitas razões que podem provocar o desenvolvimento de tal doença.

Conceito

Acredita-se que a doença afete mais frequentemente homens de meia idade. De acordo com a Classificação Internacional de Doenças, esta doença é considerada uma variante da doença cardíaca coronária que ocorre cronicamente.

A cardiomiopatia isquêmica é uma condição patológica do músculo cardíaco causada pela falta de oxigênio e danos aos miócitos. Essas células podem "trabalhar" sem oxigênio, mas, neste caso, a energia que recebem não é suficiente para o pleno funcionamento do miocárdio. Como resultado, há uma expansão das câmaras cardíacas com um espessamento de suas paredes.

Um aumento no tamanho do coração (cardiomegalia) é de dois tipos:

  1. Simétrico, no qual as duas câmaras do coração são aumentadas.
  2. Assimétrica, na qual apenas uma câmera é ampliada. Na maioria das vezes, o processo afeta a câmara do coração esquerdo.

As estatísticas indicam que na maioria das vezes a doença é detectada em homens na faixa etária entre 45 e 55 anos. As mulheres são muito menos propensas a sofrer desta forma de doença cardíaca. É encontrado principalmente na menopausa, bem como em mulheres que tomam contraceptivos orais por um longo tempo ou abusam excessivamente do fumo.

Classificação das cardiomiopatias e características do tratamento da doença

Todas as cardiomiopatias são divididas em primária e secundária.

As doenças primárias são divididas em grupos:

  1. Congênitas, que aparecem durante o período de desenvolvimento fetal, principalmente devido ao fumo da mãe, consumo de álcool e drogas, estresse e ansiedade, nutrição inadequada ou insuficiente.
  2. Adquirida após exposição a toxinas, distúrbios metabólicos ou vírus.
  3. Misto, combinando os dois tipos de efeitos negativos.

Patologias secundárias são causadas pelas seguintes doenças ou condições:

  • o efeito de certos medicamentos, incluindo quimioterapia;
  • alcoolismo;
  • doenças endócrinas que provocam disfunção miocárdica;
  • obesidade;
  • doenças do trato gastrointestinal;
  • distúrbios alimentares;
  • diabetes;
  • o uso de dietas severas a longo prazo, levando a uma escassez aguda de vitaminas e nutrientes;
  • efeitos negativos no nível celular (radiação, toxinas, venenos e assim por diante).

A cardiomiopatia primária é dividida em tipos:

  • dilatado ou isquêmico;
  • hipertrófico
  • restritivo;
  • displasia arritmogênica.

As doenças secundárias são dos seguintes tipos:

  • alcoólico
  • diabético;
  • tireotóxico (associado a patologias da glândula tireóide);
  • estressante.

A forma isquêmica da doença é chamada estagnada devido à presença de um suprimento insuficiente de sangue.

  • ILC dilatada.
  • CMP hipertrófica.
  • ILC restritivo.
  • Tipos específicos de ILC.
  • Carro de ventrículo direito arrhythmogenic>

Essa cardiomiopatia se distingue pela expansão das cavidades do coração, um aumento no tamanho do coração e o desenvolvimento de insuficiência cardíaca progressiva.

Os sintomas

  1. Fracasso de coração crônico da esquerda ou ao mesmo tempo dois ventrículos. Nesse caso, os fenômenos de estagnação são observados em um ou dois círculos da circulação sanguínea ao mesmo tempo. Clinicamente será manifestado por tais sinais:
  2. Dispnéia que ocorre durante o esforço / em repouso;
  3. Fadiga;
  4. Inchaço das pernas, principalmente à noite;
  5. Branqueamento da pele;
  6. Arrefecimento das partes periféricas dos membros, a sua cianose.
  7. Presença de vários tipos de distúrbios do ritmo (fibrilação atrial, bloqueio, arritmias ventriculares).
  8. Complicações tromboembólicas - são observadas em cerca de 20% dos casos e incluem tromboembolismo dos ramos da artéria pulmonar ou bloqueio de trombo das artérias em um grande círculo de circulação sanguínea com danos a vários órgãos.

Diagnóstico

A base para o diagnóstico do DCMP é uma ecografia do coração. Permite identificar essas alterações:

  • Fração de ejeção abaixo de 20-30%;
  • Expansão de todas as cavidades do coração;
  • Diminuição da força de contração (hipocinesia) no ventrículo esquerdo;
  • A presença de coágulos sanguíneos no coração;
  • Sinais de insuficiência valvar (mitral e tricúspide), que são relativos (ocorreram devido à expansão das cavidades);
  • Diminuição do fluxo sanguíneo na seção inicial da aorta.

A radiografia permite identificar sinais como um aumento no tamanho do coração, sua forma esférica e um aumento na sombra dos vasos pulmonares devido ao desenvolvimento de hipertensão neles.

Anti-germes

Um especialista neste campo, um cardiologista, está envolvido no tratamento.

Para isso, são utilizados os seguintes grupos de medicamentos:

  • Inibidores da ECA;
  • Bloqueadores beta
  • Diuréticos
  • Nitratos;
  • Glicósidos cardíacos;
  • Agentes antiplaquetários.

Outras causas de morte em pacientes com miocardiopatia incluem complicações tromboembólicas e arritmias.

É caracterizada por hipertrofia (espessamento) das paredes do ventrículo esquerdo. Ao mesmo tempo, a cavidade ventricular diminui, as paredes tornam-se menos maleáveis, o que leva a uma diminuição no preenchimento com sangue. O resultado é um volume reduzido de sangue que entra no grande círculo da circulação sanguínea a partir do ventrículo esquerdo.

Os sintomas

  • Angina de peito - caracterizada por dor no coração. Ocorre devido à compressão das artérias coronárias com aumento da massa muscular. Tomar nitroglicerina não alivia a dor, que é a diferença entre essa variante da cardiopatia e a verdadeira angina.
  • A taquicardia arrítmica - ventricular se desenvolve.
  • Sincopal - caracterizado por uma diminuição no fluxo sanguíneo nas artérias carótidas e desmaios.
  • Assintomático
  • Polissintomático

Diagnóstico

Radiografia - as alterações são visíveis apenas nos estágios posteriores na forma de hipertensão pulmonar (expansão das raízes dos vasos pulmonares).

O ultrassom do coração é o padrão "ouro" para detectar o HCMP. O ECHO-KG permite a um especialista medir a espessura da parede do VE, o tamanho de sua cavidade, bem como visualizar a complacência das paredes durante a contração do coração e durante o relaxamento.

Anti-germes

Além disso, a cardiomiopatia hipertrófica é tratável por cirurgia. Tais intervenções cirúrgicas são possíveis:

  • Miectomia septal;
  • Ablação por transcateter de álcool;
  • Instalação de um estimulador elétrico de duas câmaras.

O prognóstico é relativamente favorável, porque um ventrículo espessado pode inibir o desenvolvimento de insuficiência cardíaca por um longo período de tempo. Em 1 a 4% dos casos, a morte cardíaca súbita se desenvolve, mais freqüentemente com angina de peito ou variante polissintomática do curso da patologia.

É caracterizada pela rigidez das paredes do ventrículo, que não permite encher de sangue em volume suficiente durante o período de relaxamento do miocárdio. Este tipo de cardiopatia é acompanhado pelo desenvolvimento progressivo da insuficiência cardíaca diastólica.

A cardiopatia restritiva pode ser uma doença independente ou secundária e surgir no contexto de tais patologias:

  • Doença de Leffler;
  • Sarcoidose;
  • Amiloidose;
  • Esclerose sistica;
  • Hemocromatose;
  • Doença de Fabry.

Os sintomas

Durante muito tempo, a patologia prossegue sem manifestações visíveis. Os sinais da doença consistem em sintomas da patologia subjacente, bem como no desenvolvimento de insuficiência cardíaca: falta de ar, fadiga, inchaço das extremidades, etc.

Diagnóstico

O ECG não é um método de exame informativo neste caso, porque não revela sinais específicos.

Em uma radiografia, às vezes é possível visualizar um coração reduzido ou sinais de congestão no CCI (circulação pulmonar).

O ultrassom do coração é o principal método que permite que um especialista seja diagnosticado com cardiopatia restritiva. Os seguintes sinais ecocardiográficos são observados:

  1. Espessamento da parede interna do coração;
  2. Reduzir o tamanho das cavidades dos ventrículos;
  3. O movimento paradoxal do septo interventricular;
  4. Prolapso das cúspides das valvas mitral e tricúspide e sua relativa insuficiência.
  5. Violação do suprimento sanguíneo para os ventrículos na diástole;
  6. A presença de coágulos sanguíneos na região parietal do coração.

Anti-germes

O tratamento da cardiomiopatia neste caso é para um especialista algumas dificuldades devido à detecção tardia da patologia.

Além disso, quando a cardiopatia restritiva se desenvolve, o tratamento medicamentoso não leva ao resultado desejado. É possível prescrever GCS, imunossupressores, bem como diuréticos, vasodilatadores e antiagregantes plaquetários para reduzir os sinais de insuficiência cardíaca.

A base do tratamento é um método cirúrgico, que consiste em retirar um miocárdio espessado e normalizar a função diastólica do VE.

O prognóstico é desfavorável, uma vez que a sobrevida em cinco anos não é superior a 30%.

Fatores de Risco

Especialistas identificaram uma série de fatores de risco que aumentam a probabilidade de desenvolver uma doença. Se esses fatores estão presentes em sua vida, eles devem ser removidos o mais rápido possível. A lista deles é a seguinte:

  • a presença de doença cardíaca coronária na família;
  • alta pressão estável;
  • fumar e beber;
  • colesterol alto;
  • grande peso corporal;
  • estilo de vida sedentário;
  • diabetes;
  • acúmulo de proteínas anormais nos tecidos (amiloidose);
  • patologia avançada dos rins.

Homens são mais propensos a desenvolver cardiomiopatia isquêmica do que mulheres que não atingiram a menopausa. Após esse período, a probabilidade de manifestação de cardiomiopatia isquêmica se torna a mesma. Em mulheres com mais de 35 anos que usam contraceptivos orais e têm dependência de nicotina, aumentam as chances de desenvolver cardiomiopatia isquêmica.

sintomatologia

Os principais sintomas podem ocorrer quando a doença progride:

  • angina de peito;
  • batimentos cardíacos irregulares freqüentes;
  • dor no peito, sensação de constrição;
  • fadiga, fadiga;
  • dor de cabeça;
  • tonturas e perda de consciência;
  • forma produtiva de tosse (com expectoração);
  • distúrbios do sono;
  • inchaço das extremidades inferiores ou derramado por todo o corpo;
  • obesidade de vários graus.

Além disso, os pacientes sofrem uma tendência a formar coágulos sanguíneos, ataques de dispnéia (falta de ar) à noite e durante o esforço físico, perda de apetite e dor no hipocôndrio direito.

Os ataques podem ocorrer muito raramente, então os pacientes geralmente os esquecem e não procuram o médico. Se você fizer isso o mais rápido possível, poderá se salvar de complicações extremamente perigosas e até a morte de um ataque cardíaco. Aumento das convulsões é um sintoma ameaçador que requer uma decisão e tratamento imediatos.

Patogênese

O principal fator que provoca o desenvolvimento da forma isquêmica da cardiomiopatia é a condição patológica das artérias coronárias. Na grande maioria dos casos, esse problema surge devido à formação de placas ateroscleróticas densas nas paredes dos vasos sanguíneos. Eles bloqueiam o caminho do fluxo sanguíneo, reduzem a depuração dos vasos e podem até causar atrofia.

Nessa condição, o coração enfraquece, não funciona bem e se desgasta rapidamente. Com o tempo, a angina de peito aparece e os ataques cardíacos tornam-se mais frequentes. O processo de desenvolvimento de patologia pode ser determinado pelos seguintes fatores:

  • a predisposição do corpo para o desenvolvimento de cardiomiopatia, que é transmitida no nível genético;
  • alta pressão;
  • maus hábitos, desnutrição e rotina diária perturbada;
  • glândula tireóide com defeito;
  • alta porcentagem de lipídios;
  • processos patológicos no córtex adrenal.

Por sua vez, a formação de placas ateroscleróticas pode ser devida aos seguintes fatores:

  • hipóxia do coração;
  • alterações na função contrátil do miocárdio;
  • danos às miofibrilas do miocárdio, que podem se desintegrar;
  • estado hipertrófico do miocárdio;
  • remodelação ventricular.

Cardiomiopatia - causas, principais sintomas, métodos de diagnóstico e opções de tratamento

Os principais critérios de diagnóstico para cardiomiopatia isquêmica são os seguintes:

  1. Exame externo por um cardiologista. Com ele, o médico chama a atenção para a presença dos seguintes sinais da doença: freqüência cardíaca irregular e rápida, aumento da borda esquerda do coração em direção às axilas, sibilos de vários tipos nos pulmões ao ouvir, sopro sistólico no ápice do coração, o que é explicado pela relativa insuficiência da válvula mitral do ventrículo esquerdo, partes inferiores do edema das pernas.
  2. ECG Revela alterações eletrolíticas no miocárdio, fibrilação atrial, bloqueio das pernas do feixe de His, condução atrioventricular comprometida, em casos raros, extra-sístoles ventriculares.
  3. Roentgenografia. Permite detectar alterações ateroscleróticas na aorta: aumento do diâmetro, compactação das paredes, calcificação da boca e outros sintomas.
  4. A coronarografia pode revelar múltiplos traços de trombose nos vasos.

Além disso, o médico pode prescrever a passagem de um ultra-som do coração, ultra-som Doppler, ressonância magnética e a realização de vários testes.

Segundo as estatísticas, a cada ano um número crescente de pessoas se torna portador de várias doenças cardíacas, o que pode deixar uma marca incorrigível e, às vezes, levar à morte. Em questões de saúde, conscientização, uma clara compreensão de várias doenças, a capacidade de diagnosticá-las em si mesmo e o conhecimento de como evitar essas doenças são sempre muito importantes.

Neste artigo, falaremos sobre uma das doenças cardíacas mais comuns - cardiomiopatia.

Cardiomiopatia é uma definição geral que combina um grupo de doenças que causam danos às áreas musculares do coração. As consequências da cardiomiopatia são bastante graves, podem ser arritmia, falha e muito mais.

Classificações

Dilatação ou congestão - o órgão aumenta, a atividade cardíaca e a frequência das contrações miocárdicas diminuem. Na maioria dos casos, é encontrado em jovens e é uma conseqüência de infecções, intoxicações e comprometimento do funcionamento de vários sistemas corporais.

Hipertrófico (assimétrico, simétrico, obstrutivo, não obstrutivo) - o miocárdio engrossa e as câmaras dos ventrículos do coração, pelo contrário, diminuem. É uma doença hereditária que se desenvolve em homens em diferentes faixas etárias. Envolve vários tipos de hipertrofia dos músculos do coração, o septo interventricular engrossa.

Restritivo (obliterativo, difuso) - é bastante raro, com início de fibrose endocárdica, ruptura do ventrículo e hemodinâmica. Apesar disso, a contratilidade persiste, a hipertrofia está ausente.

Arritmogênica - Uma doença rara durante a qual os cardiomiócitos são substituídos por tecido adiposo ou fibroso. Isso causa arritmia e fibrilação.

As causas para esta doença podem ser fatores herdados, apotose, vírus e produtos químicos. A doença se desenvolve na juventude e é caracterizada por falta de ar, taquicardia, tontura e desmaio.

Os sintomas da cardiomiopatia variam e dependem de seu tipo e grau. Na maioria dos casos, isso é falta de ar, sudorese, inchaço, dor no coração, fadiga e azul da pele. Às vezes, tonturas, perda de consciência, desmaios e vômitos são adicionados ao exposto acima.

As causas da cardiomiopatia são muito diferentes. Às vezes, o estilo de vida errado leva ao aparecimento da doença e, às vezes, a doença é hereditária e aparece devido à tendência dos genes para fazer isso:

  • Doenças virais
  • Hereditariedade
  • As consequências das doenças cardíacas
  • Intoxicação do corpo
  • O efeito dos alérgenos
  • Alterações no sistema endócrino e regulação endócrina
  • Problemas no sistema imunológico
  • Dependência de álcool

As complicações após a cardiomiopatia podem ser qualquer tipo de doença cardíaca, insuficiência cardíaca, trombose, condução do coração prejudicada, arritmia e até síndrome da morte súbita devido a parada cardíaca.

A cardiomiopatia é diagnosticada em um hospital ou clínica. Após o exame inicial ou o questionamento, o médico pode orientar os tipos de diagnóstico necessários.

Na maioria das vezes, eles usam eletrocardiograma, ressonância magnética, sondagem, raio-X dos pulmões e ecocardiograma, cujos dados costumam ser os mais informativos, mas são todos esses exames no compartimento que podem mostrar a imagem completa a doença e afetar a escolha do tratamento certo.

Não existe terapia especial; por isso, são utilizadas quaisquer medidas para evitar complicações perigosas e ajudar a manter a condição ideal do paciente.

Quando a doença é estável, o paciente é tratado em casa, mas sob a supervisão de um médico. A hospitalização e o exame de rotina são realizados regularmente para garantir que a condição do paciente não melhore.

Os pacientes com cardiomiopatia precisam limitar a atividade física e o movimento ativo e também aderir a uma dieta prescrita individualmente por cada médico. Geralmente, essa dieta consiste em reduzir a quantidade de gorduras e sais na dieta.

Quais medicamentos um cardiologista pode prescrever para cardiomiopatia?

  • Diuréticos
  • Glicosídeos
  • Medicamentos antiarrítmicos
  • Anticoagulantes
  • Antiplaquetário

Nos casos mais complexos e negligenciados, eles recorrem à intervenção cirúrgica. Se a cardiopatia é acompanhada por outras doenças cardíacas, o paciente precisa de um transplante de coração.

O coração é o órgão mais importante; qualquer interferência pode levar a consequências muito desagradáveis ​​ou morte; portanto, é muito importante verificar regularmente o estado do seu coração, visitar um cardiologista e fazer um eletrocardiograma.

Você pode evitar a cardiomiopatia, basta levar um estilo de vida saudável, não abusar do álcool, não sobrecarregar demais o corpo e mantê-lo em boa forma.

Cardiomiopatia - uma modificação dos ventrículos do coração do miocárdio. Esta é uma série de patologias do músculo cardíaco causadas por várias razões. Um curso progressivo na ausência de tratamento adequado para a cardiomiopatia leva à incapacidade, complicações: insuficiência cardíaca, falta de oxigênio no tecido, congestão no coração, alterações no estreitamento do miocárdio, arritmias ventriculares e atriais. A previsão é mista. Um grande papel é desempenhado pelos sintomas, forma, estágio da doença, diagnóstico oportuno e tratamento da cardiomiopatia.

A patologia é primária ou secundária. A primeira espécie é dividida em subespécies.

  1. Dilatação - expansão das câmaras do coração no contexto de contratilidade miocárdica comprometida. A previsão é desfavorável. A sobrevivência de até 5 anos é possível apenas com o tratamento oportuno da cardiomiopatia.
  2. Hipertrófico - espessamento das paredes do ventrículo esquerdo. Possui progressão lenta.
  3. Álcool - disfunção das cavidades cardíacas, hipertrofia do miocárdio causada pelo consumo excessivo de bebidas alcoólicas.
  4. Isquêmico - uma violação da circulação sanguínea no miocárdio. Possível vazamento de forma simétrica e assimétrica. A previsão é desfavorável. O desenvolvimento da patologia leva a um ataque cardíaco grave, aterosclerose da artéria coronária. Para normalizar o ritmo cardíaco, os médicos realizam um transplante cardíaco, revascularização do miocárdio.
  5. Distúrbios metabólicos - metabólicos, distrofia miocárdica, provocada por esforço físico, sobrecarga no músculo cardíaco, disfunção hepática (renal), deficiência de vitaminas.
  6. Tóxico - devido aos efeitos a longo prazo dos medicamentos nas estruturas cardíacas.

A cardiomiopatia secundária inclui a forma deshormonal diagnosticada em mulheres com menopausa. É acompanhado pelo aparecimento de um batimento cardíaco rápido, espasmo do músculo cardíaco, mal-estar. As causas da patologia são distúrbios hormonais, um mau funcionamento do miocárdio. A previsão é favorável. A incapacidade é restaurada quando são realizadas táticas adequadamente selecionadas de tratamento da cardiomiopatia.

Fatores de Risco

Provoca o desenvolvimento de uma doença primária:

  • fator hereditário;
  • envenenamento com álcool, venenos, toxinas, vírus;
  • estresse;
  • exercício físico;
  • nervosismo;
  • pobre, desnutrição.

O grupo de risco para o desenvolvimento de cardiomiopatia secundária inclui pacientes com doenças cardíacas infecciosas, patologias do sistema endócrino (autoimune).

A doença pode causar:

  • inflamação do músculo cardíaco;
  • alterações metabólicas no nível celular;
  • intoxicação do corpo;
  • desequilíbrio hormonal;
  • falta de oligoelementos, vitaminas;
  • intoxicação alcoólica, química, drogas;
  • falha de processos metabólicos.

As razões para o desenvolvimento da miopatia primária não foram estabelecidas. Com patologias congênitas, o músculo cardíaco inicia um desenvolvimento anormal, mesmo quando o tecido fetal é colocado. Uma doença provocada por um fator genético leva ao desenvolvimento de uma forma dilatada ou idiopática. Isso pode ser precedido pela infecção do corpo por bactérias, vírus, toxinas, cardiomiócitos. Outras razões:

  • falha de processos autoimunes;
  • insuficiência cardíaca;
  • infarto do miocárdio;
  • doença metabólica;
  • citomegalovírus;
  • hepatite C;
  • vírus coxsackie;
  • doenças do sistema neuromuscular;
  • desequilíbrio de eletrólitos;
  • isquemia cardíaca;
  • amiloidose.

Infecções bacterianas, fúngicas, virais e parasitárias podem causar danos, levar a modificações estruturais do miocárdio.

Com a isquemia, o músculo cardíaco começa a sofrer com a falta de oxigênio, com aterosclerose, as artérias e o lúmen do vaso estreitamente estreitos. A falta de oxigênio no tecido cardíaco leva à rápida destruição de cardiomiócitos. Fatores provocadores:

  • obesidade;
  • fumar;
  • abuso de álcool;
  • colesterol alto, lipídios no sangue.

A cardiomiopatia é uma doença com características "cumulativas", quando substâncias nocivas são depositadas na espessura do músculo cardíaco, levando a:

  • falha da função miocárdica;
  • Síndrome de Refsum;
  • Doença de Fabry;
  • hemocromatose.

A função miocárdica também é perturbada no contexto da acumulação de glicogênio no coração.

Os sintomas

Os sinais da doença são inespecíficos, inerentes a outras patologias cardíacas. Com cardiomiopatia, os pacientes se queixam de:

  • inchaço;
  • dor, queimando atrás do esterno;
  • aumento do baço, tamanho do fígado;
  • desmaio;
  • falta de ar;
  • tosse;
  • aumento da frequência cardíaca;
  • branqueamento, amarelecimento da pele;
  • fadiga;
  • tontura;
  • fraqueza devido à falta de oxigênio, diminuição do débito cardíaco.

Possíveis complicações e prognóstico

Sem tratamento oportuno e eficaz, prescrito pelos resultados do diagnóstico, podem surgir complicações perigosas. Tais problemas são mais difíceis de tratar e representam uma séria ameaça aos seres humanos. A cardiomiopatia isquêmica pode levar ao desenvolvimento dos seguintes problemas:

  • dano à condução do coração;
  • a formação de extra-sístoles (contrações extraordinárias);
  • Fibrilação atrial ou fibrilação atrial (a frequência de pulso pode atingir 700 por minuto);
  • infarto do miocárdio;
  • insuficiência cardíaca.

Leia esta lista novamente quando desejar adiar uma visita a um cardiologista, recusar tratamento ou terapia.

Não podemos agradá-lo com um prognóstico favorável, pois a forma isquêmica da cardiomiopatia é o tipo de doença mais perigosa. As razões para esta situação são vários fatores:

  • o desenvolvimento de tais formas de arritmias graves e que ameaçam a vida humana;
  • a probabilidade de complicações fatais;
  • a necessidade de operações demoradas e complexas;
  • use para o tratamento de drogas com um forte efeito sobre o corpo.

No caso de tratamento conservador em pacientes com viabilidade miocárdica, a taxa de mortalidade é de 16%. No caso do tratamento cirúrgico, esse número é de cerca de 3,2%.

Somente o diagnóstico precoce e a adesão ao tratamento prescrito podem salvar consequências irreparáveis. O cumprimento das medidas preventivas eliminará o risco de desenvolver uma doença perigosa e protegerá o coração de fatores negativos.

A cardiomiopatia isquêmica é a principal causa de morte em pacientes com vários problemas cardiovasculares. Pode causar o desenvolvimento das seguintes doenças potencialmente fatais:

  • arritmia;
  • insuficiência cardíaca aguda e crônica;
  • infarto do miocárdio;
  • edema pulmonar;
  • trombose.

Cada uma dessas complicações ameaça o paciente com sérias conseqüências à saúde e traz um risco significativo de morte. Com o tratamento precoce e a nomeação de tratamento apropriado, essas graves consequências podem ser evitadas.

No entanto, a doença não passa sem deixar vestígios, uma vez que a deformidade cicatricial do coração não é restaurada. É muito importante interromper o processo a tempo, antes que ele vá longe demais.

Causa da morte em cardiomiopatia isquêmica

A cardiomiopatia coronariana pode causar morte. Tais situações não podem ser chamadas de frequentes, mas ainda ocorrem. A doença pode prosseguir com calma, após um ciclo de manifestações sintomáticas é possível uma pausa e a pessoa ao mesmo tempo pensa que a doença retrocedeu. Embora não seja assim, é necessário continuar o tratamento.

prevenção de doença

Ninguém vai cuidar da sua saúde até que você a queira. Você pode impedir o desenvolvimento de muitas doenças cardiovasculares, observando medidas preventivas. A prevenção pode ser primária e secundária.

A prevenção primária visa prevenir a formação da doença. A essência de tais medidas é a seguinte:

  • rejeição completa de maus hábitos;
  • nutrição equilibrada diária;
  • prevenção de distúrbios metabólicos;
  • tratamento oportuno ao médico em caso de reclamações sobre o trabalho do coração e para o tratamento de doenças virais;
  • observação por um cardiologista e diagnóstico cardíaco regular no caso de uma tendência hereditária para formar cardiomiopatias.

A prevenção secundária é necessária para interromper o desenvolvimento da doença e a formação de patologias concomitantes. Essas medidas preventivas incluem as seguintes regras:

  • diminuição da intensidade do treinamento e recusa de trabalho duro;
  • observação por cardiologista e ecocardiografia regular;
  • adesão ao tratamento terapêutico e medicamentoso;
  • monitorar indicadores de peso corporal e mantê-los dentro dos limites normais;
  • eliminação de fatores de estresse;
  • manter uma rotina diária equilibrada;
  • verificação periódica de indicadores de glicose e colesterol.

Detonic - um medicamento único que ajuda a combater a hipertensão em todas as fases do seu desenvolvimento.

Detonic para normalização da pressão

O efeito complexo dos componentes vegetais da droga Detonic nas paredes dos vasos sanguíneos e no sistema nervoso autônomo contribuem para uma rápida diminuição da pressão arterial. Além disso, este medicamento evita o desenvolvimento da aterosclerose, graças aos componentes únicos envolvidos na síntese da lecitina, um aminoácido que regula o metabolismo do colesterol e impede a formação de placas ateroscleróticas.

Detonic síndrome não viciante e de abstinência, uma vez que todos os componentes do produto são naturais.

Informações detalhadas sobre Detonic está localizado na página do fabricante www.detonicnd.com.

Tatyana Jakowenko

Editor-chefe da Detonic revista on-line, cardiologista Yakovenko-Plahotnaya Tatyana. Autor de mais de 950 artigos científicos, inclusive em revistas médicas estrangeiras. Ele trabalha como cardiologista em um hospital clínico há mais de 12 anos. Ele possui métodos modernos de diagnóstico e tratamento de doenças cardiovasculares e os implementa em suas atividades profissionais. Por exemplo, utiliza métodos de ressuscitação do coração, decodificação do ECG, testes funcionais, ergometria cíclica e conhece muito bem o ecocardiograma.

Por 10 anos, ela tem participado ativamente de inúmeros simpósios médicos e oficinas para médicos - famílias, terapeutas e cardiologistas. Ele tem muitas publicações sobre um estilo de vida saudável, diagnóstico e tratamento de doenças cardíacas e vasculares.

Ele monitora regularmente novas publicações de revistas européias e americanas de cardiologia, escreve artigos científicos, prepara relatórios em conferências científicas e participa de congressos europeus de cardiologia.

Detonic