A fração de ejeção do ventrículo esquerdo do coração da norma causa abaixamento e elevação de como aumentar

Hoje, na era da tecnologia, o desenvolvimento de doenças cardiovasculares causa preocupações bastante sérias não apenas entre funcionários de organizações médicas, mas também nos níveis superiores do governo. É por isso que, cada vez mais, novas estratégias estão sendo desenvolvidas para reduzir as doenças consideradas e estão sendo ativamente financiados desenvolvimentos científicos que ajudarão a alcançar esses objetivos no futuro.

Uma das orientações no tratamento de pacientes com doenças cardiovasculares é a prevenção e tratamento de patologias cardíacas. Se nesta área, algumas doenças podem ser tratadas com sucesso, outras ainda permanecem "difíceis de curar" devido à falta de métodos e outros componentes necessários para o tratamento adequado. Este artigo discute os conceitos de débito cardíaco, suas normas e métodos de tratamento, a fração do débito cardíaco (normal em crianças e adultos).

O conceito de "fração de ejeção" é de interesse não apenas dos especialistas. Qualquer pessoa que esteja sendo examinada ou tratada para doenças cardíacas e vasculares pode ser confrontada com um conceito como a fração de ejeção. Na maioria das vezes, o paciente ouve esse termo pela primeira vez, sendo submetido a um exame ultrassonográfico da ecografia dinâmica do coração ou do exame radiopaco.

Na Rússia, é necessário um exame de imagem diário para milhares de pessoas. Mais frequentemente, é realizado um exame ultrassonográfico do músculo cardíaco. É após esse exame que o paciente levanta a questão: fração de ejeção - qual é a norma? Você pode obter as informações mais precisas do seu médico. Neste artigo, também tentaremos responder a esta pergunta.

Um coração saudável, mesmo em repouso a cada batimento, lança mais da metade do sangue do ventrículo esquerdo nos vasos. Se esse indicador for muito menor, estamos falando de insuficiência cardíaca. Isquemia miocárdica, cardiomiopatia, cardiopatias e outras doenças podem levar a essa condição. Portanto, a norma da fração de ejeção do ventrículo esquerdo é de 55 a 70%.

Não apenas os adultos, mas também as crianças precisam passar por um procedimento como o exame de ultrassom do coração. Muitas vezes, além da conclusão, os pais estão interessados ​​em todos os indicadores normais no trabalho do coração do filho. Vamos falar sobre as normas do ultra-som do coração juntos.

Indicadores de desempenho do sistema cardiovascular em recém-nascidos Todos os parâmetros normais de ultrassom do coração dependem do peso corporal da criança. Existe uma fronteira quando crianças com peso de até 3,5 kg têm uma norma e, para crianças com peso corporal de até 4,5 kg, esses indicadores são diferentes. Aqui está uma tabela que contém alguns indicadores do sistema cardiovascular em recém-nascidos.

Existe uma fórmula de cálculo. Para isso, o volume do AVC é multiplicado pela freqüência cardíaca. Portanto, obtenha a quantidade certa. O resultado indicará quanto volume é empurrado em um minuto. Em geral, a taxa normal deve atingir aproximadamente 5,5 litros.

Na medicina, eles também usam programas especiais que calculam automaticamente a fração. Para isso, é utilizada a fórmula de Teicholz, o método Simpson. Além disso, os dados para esses dois cálculos podem diferir em média 10%. O PV deve estar na faixa de 50 a 60%, a norma de Simpson sugere que o limite inferior não deve ser inferior a 45% e, segundo Teicholz, 55%.

A fórmula de Teicholz utiliza indicadores de volume sistólico e diastólico e tamanho do ventrículo esquerdo. Uma pequena parte deste último está envolvida no estudo; o indicador de comprimento total não importa ao mesmo tempo. Geralmente, o estudo é realizado em equipamentos antigos e, na presença de áreas com contratilidade local comprometida (por exemplo, no caso de isquemia), a fórmula de Teicholz pode dar um resultado confuso e confuso.

Para obter o índice PV, o volume de encurtamento é multiplicado por um fator de 1,7. O SO é obtido a partir da fórmula ((KDD - KSD) / KDD) * 100%. Onde KDD é o diâmetro diastólico final, KSD é o diâmetro sistólico final. A fórmula de Simpson é mais moderna, todas as zonas miocárdicas significativas são mostradas aqui, levando em consideração a geometria do ventrículo e a presença de zonas com contratilidade local prejudicada pelas seções apicais de 4 e 2 câmaras.

O método de Simpson pressupõe a divisão da cavidade do ventrículo esquerdo em discos finos e a determinação de seus limites. A sístole e a diástole delineadas são visíveis ao longo do contorno da superfície cardinal do ventrículo; de acordo com esses dados, uma estimativa do volume de ejeção pode ser feita.

Os indicadores não dependem do sexo do paciente, portanto, em mulheres e homens, as normas são idênticas. No entanto, eles podem variar de acordo com a idade. Quanto mais velha a pessoa, menor é a sua norma. Menos de 45% da EF é considerado. Com indicadores na região de 40%, pode-se suspeitar de insuficiência cardíaca. Se em adultos o nível for inferior a 35%, isso indica que as violações ocorrem e a pessoa está em perigo.

Em uma idade mais jovem, a taxa pode ser maior. Portanto, a norma em crianças desde o nascimento até 14 anos está na faixa de 60 a 80%. No entanto, é impossível considerar apenas um PV, ao fazer um diagnóstico, todos os indicadores do trabalho cardíaco são levados em consideração. A tabela de normas envolve a comparação dos indicadores de crescimento, peso, fração e freqüência cardíaca.

Se o médico suspeitar de um mau funcionamento do coração, ele instrui o paciente a fazer um cardiograma e um exame de sangue bioquímico. Também é possível realizar o monitoramento do Holter, eletrocardiograma, bicicleta ergométrica e ultrassonografia do órgão. O indicador pode ser calculado com ventriculografia radiopaca ou isotrópica, bem como com ultra-som do coração.

  • O débito cardíaco deve estar entre 55 e 60%.
  • A magnitude do átrio da câmara direita é de 2,7 a 4,6 cm.
  • O diâmetro da aorta é de 2,1-4,2 cm.
  • O tamanho do átrio esquerdo é de 1,8 a 4 cm.
  • A norma do volume do AVC é de 60 a 100 cm.

Este indicador pode ser calculado pela fórmula de Teicholz ou Simpson. O cálculo é realizado usando um programa que calcula automaticamente o resultado, dependendo do volume sistólico e diastólico final do ventrículo esquerdo, bem como do seu tamanho. O cálculo de Simpson é considerado mais bem-sucedido, uma vez que, de acordo com Teicholz, pequenas seções podem não se enquadrar na seção do estudo com miocárdio bidimensional Echo-CG com contratilidade local comprometida, enquanto que com o método Simpson seções mais significativas do miocárdio caem na circunferência .

O valor normal da fração de ejeção difere em pessoas diferentes e também depende do equipamento no qual o estudo é realizado e do método pelo qual a fração é calculada.

Os valores médios são de aproximadamente 50 a 60%, o limite inferior da norma de acordo com a fórmula de Simpson é de pelo menos 45%, de acordo com a fórmula de Teicholz - não inferior a 55%. Essa porcentagem significa que é precisamente essa quantidade de sangue para um batimento cardíaco que deve ser empurrada através do coração para o lúmen da aorta, a fim de garantir o fornecimento adequado de oxigênio aos órgãos internos.

35-40% falam de insuficiência cardíaca avançada, valores ainda mais baixos estão repletos de consequências passageiras. Em crianças no período neonatal, a FE é de pelo menos 60%, principalmente 60-80%, atingindo gradualmente os valores normais habituais à medida que crescem. Dos desvios da norma com mais frequência do que uma fração de ejeção aumentada, ocorre uma diminuição em seu valor devido a várias doenças.

Se o indicador for baixado, significa que o músculo cardíaco não pode se contrair o suficiente, como resultado do qual o volume de sangue expelido diminui e os órgãos internos e, antes de tudo, o cérebro, recebem menos oxigênio. Às vezes, na conclusão da ecocardioscopia, você pode ver que o valor da VP é superior aos indicadores médios (60% ou mais).

Como regra, nesses casos, o indicador não ultrapassa 80%, uma vez que o ventrículo esquerdo não pode ser expelido para a aorta devido a características fisiológicas. Como regra geral, a PV alta é observada em indivíduos saudáveis ​​na ausência de qualquer outra patologia cardiológica, bem como em atletas com músculo cardíaco treinado, quando o coração se contrai a cada batimento com uma força maior do que uma pessoa comum e expande uma maior percentagem do sangue contido na aorta.

Além disso, se o paciente tiver hipertrofia miocárdica do VE como manifestação de cardiomiopatia hipertrófica ou hipertensão arterial, o aumento da PV pode indicar que o músculo cardíaco ainda pode compensar o início da insuficiência cardíaca e procurar expelir o máximo de sangue possível para a aorta.

O trabalho normal do coração é uma alternância cíclica alternada de contrações da camada muscular (miocárdio) e relaxamento completo, durante o qual o órgão descansa da carga e se prepara para o próximo golpe. O sangue é empurrado para a aorta em cada sístole (contração) e a partir daí se espalha por todo o corpo.

A fração de ejeção (FE) é um indicador funcional, a razão entre o sangue que deixou o ventrículo esquerdo e o que retornou a ele. Fórmulas especiais são usadas para o cálculo. Como regra geral, uma avaliação é realizada dessa maneira. Pegue a quantidade de sangue ejetado na aorta, pegue o volume diastólico final (BWW, que retornou). O resultado é multiplicado por 100%, obtendo um valor específico.

Situação atual

Devido ao aumento da expectativa de vida entre os idosos, a prevalência de patologia cardíaca nesse grupo aumenta, principalmente com uma fração de ejeção perturbada. Nos últimos anos, métodos comprovados de tratamento medicamentoso e o uso de dispositivos de ressincronização, um cardioversor-desfibrilador, que prolongam a vida, melhoram sua qualidade em pacientes com essa patologia, foram desenvolvidos.

No entanto, os métodos de tratamento para uma patologia cardíaca com uma fração normal não foram determinados; o tratamento dessa patologia permanece empírico. Também não existem tratamentos comprovados para formas agudas de descompensação cardíaca (edema pulmonar). Até agora, os principais medicamentos no tratamento dessa condição são diuréticos, oxigênio e nitro. A fração de ejeção, a norma e sua patologia exigem uma abordagem séria do problema.

Visualize o músculo cardíaco e determine o trabalho das câmaras do coração (átrios, ventrículos) usando a cardiografia Doppler. Para entender como o coração funciona, examine sua capacidade de contrair (função sistólica) e relaxar (função diastólica) do miocárdio.

Devido ao aumento da expectativa de vida entre os idosos, a prevalência de patologia cardíaca nesse grupo aumenta, principalmente com uma fração de ejeção perturbada. Nos últimos anos, métodos comprovados de tratamento medicamentoso e o uso de dispositivos de ressincronização, um cardioversor-desfibrilador, que prolongam a vida, melhoram sua qualidade em pacientes com essa patologia, foram desenvolvidos.

No entanto, os métodos de tratamento para uma patologia cardíaca com uma fração normal não foram determinados; o tratamento dessa patologia permanece empírico. Também não existem tratamentos comprovados para formas agudas de descompensação cardíaca (edema pulmonar). Até agora, os principais medicamentos no tratamento dessa condição são diuréticos, oxigênio e nitro. A fração de ejeção, a norma e sua patologia exigem uma abordagem séria do problema.

Valor normal da fração de ejeção do coração, desvios do indicador

O indicador pode ser reduzido com as seguintes patologias:

  • Infarto do miocárdio. Quando cicatrizes aparecem nos músculos e eles não podem contrair corretamente. Além disso, após um ataque cardíaco, não é possível aumentar a fração por medicação.
  • Doença arterial coronariana. Nesse caso, o fluxo sanguíneo diminui.
  • Falha no ritmo das contrações. Isso leva à condução prejudicada, desgaste do coração.
  • Cardiomiopatia Causa um aumento no tamanho do músculo.

Isso ocorre porque o músculo cardíaco começa a mudar, sua camada cresce, a estrutura de pequenos vasos sanguíneos se deteriora, as fibras enfraquecem e a absorção de sangue diminui.

Além disso, as causas da patologia podem estar ocultas em:

  • Angina de peito
  • Hipertensão.
  • Pericardite, endocardite, miocardite.
  • Aneurisma das paredes do ventrículo.
  • Malformações congênitas de um órgão ou vaso sanguíneo.
  • Vasculite.

Existem fatores predisponentes que também podem atrapalhar o funcionamento do corpo. Estes incluem obesidade, tumores, intoxicação grave, insuficiência hormonal e diabetes.

Primeiro, o paciente é diagnosticado para identificar a patologia que causou a diminuição. Em seguida, é prescrita a administração de medicamentos correspondentes ao diagnóstico. Na isquemia, é indicado o uso de nitroglicerina, com hipertensão, anti-hipertensivos e correção cirúrgica de defeitos.

Além de tratar a doença subjacente, a função contrátil dos glicosídeos é estabilizada. Estes incluem Digoxin, Korglikon, Strofantin.

Para que o sistema cardiovascular não seja sobrecarregado com líquidos, é recomendável seguir uma dieta, reduzir o sal e o volume diário de líquidos.

Ao mesmo tempo, são mostrados diuréticos que contribuem para a remoção do excesso de líquido: Veroshpiron, Diacarb, Diuver, Indapamida, Torasemida.

Os inibidores de ATP ajudam a fortalecer os vasos sanguíneos e, assim, proteger o coração. Quando são tomadas, a nutrição tecidual melhora, a eficiência do músculo cardíaco e a resistência do miocárdio à carga aumentam. Este grupo inclui: Enalapril, Perindopril, Captopril.

Os agentes bloqueadores beta-adrenérgicos ajudam a reduzir as necessidades nutricionais e de oxigênio do corpo, aumentam o volume dos locais de contração do miocárdio e reduzem a morte celular e a freqüência cardíaca. Sua lista inclui: Nebivolol, Metoprolol, Bisoprolol.

Os antagonistas dos receptores de aldosterona estabilizam o nível sanguíneo do eletrólito, removem o excesso de líquido, reduzem a carga no miocárdio.

Os representantes do grupo são espironolactona, eplerenona. Os antagonistas dos receptores da angiotensina 2 têm um efeito semelhante, mas são um pouco mais fortes. Atribuir Valsartan, Candesartan, Olmesartan.

Quando a fração de ejeção é baixa, as estatinas podem ser usadas como terapia adjuvante para diminuir o colesterol e proteger os vasos sanguíneos. Aplique Pravastatina, Fluvastatina, Simvastatina.

Um aumento no indicador é raro, pois isso é fisiologicamente impossível. O coração não pode expulsar o sangue mais do que deveria. Portanto, o nível de 80% pode ocorrer em uma criança em tenra idade, atletas e pacientes levando um estilo de vida ativo.

Às vezes, o aumento indica hipertrofia do miocárdio, quando o ventrículo esquerdo procura compensar o aparecimento de ICC e empurra o sangue com força considerável.

Se os indicadores não corresponderem à norma, é necessário consultar um cardiologista e realizar uma ecocardioscopia para evitar o desenvolvimento de patologias.

A fração de ejeção (FE) é a razão entre o volume sistólico (sangue que entra na aorta por uma contração do músculo cardíaco) e o volume diastólico final do ventrículo (sangue que se acumula na cavidade durante o período de relaxamento ou diástole, miocárdio). O valor resultante é multiplicado por 100% e obtém o valor final. Ou seja, essa é a porcentagem de sangue que empurra o ventrículo durante a sístole, do volume total de líquido nele contido.

O indicador calcula um computador durante um estudo ultrassonográfico das câmaras cardíacas (ecocardiografia ou ultrassom). É utilizado apenas para o ventrículo esquerdo e reflete diretamente sua capacidade de desempenhar sua função, ou seja, fornecer fluxo sanguíneo adequado por todo o corpo.

Em condições de descanso fisiológico, 50 a 75% são considerados o valor normal da VP, enquanto durante o esforço físico em pessoas saudáveis ​​ele aumenta para 80 a 85%. Não há mais crescimento, uma vez que o miocárdio não pode ejetar todo o sangue da cavidade do ventrículo, o que levará à parada cardíaca.

No plano médico, apenas uma diminuição no indicador é avaliada - este é um dos principais critérios para o desenvolvimento de uma diminuição no desempenho cardíaco, um sinal de insuficiência miocárdica contrátil. Isso é evidenciado pelo valor de PV abaixo de 45%.

Essa insuficiência representa um grande perigo para a vida - um pequeno fluxo de sangue para os órgãos interrompe seu trabalho, que termina com disfunção de múltiplos órgãos e, por fim, leva à morte do paciente.

Dado que a causa da diminuição do volume de ejeção do ventrículo esquerdo é sua insuficiência sistólica (como resultado de muitas patologias crônicas do coração e dos vasos sanguíneos), essa condição não pode ser completamente curada. O tratamento é realizado, apoiando o miocárdio e visando estabilizar a condição no mesmo nível.

CardiolOgistas e terapeutas estão envolvidos no monitoramento e seleção da terapia para pacientes com uma fração de ejeção baixa. Sob certas condições, a assistência de um cirurgião vascular ou endovascular pode ser necessária.

A fração de ejeção, cuja norma é discutida abaixo, é o principal indicador instrumental que caracteriza a força do músculo cardíaco. Valores da fração de ejeção obtidos pela cardiografia Doppler:

  • As taxas normais são maiores ou iguais a 55%.
  • Pequeno desvio - 45-54%.
  • Desvio moderado - 30-44%.
  • O desvio expresso é inferior a 30%.

Se este indicador for inferior a 40% - a “força do coração” é reduzida. Os valores normais estão acima de 50%, "força do coração" é boa. A "zona cinza" se distingue de 40-50%. A insuficiência cardíaca é uma combinação de manifestações clínicas, marcadores bioquímicos, dados de pesquisa (eletrocardiografia, dopplerografia do coração, raio X dos pulmões) que ocorrem com uma diminuição da força de contração cardíaca. Distinga corações de insuficiência sintomática e assintomática, sistólica e diastólica.

Além de tratar a doença subjacente, a função contrátil dos glicosídeos é estabilizada. Estes incluem Digoxin, Korglikon, Strofantin. Para evitar que o sistema cardiovascular seja sobrecarregado com líquidos, é recomendável seguir uma dieta, reduzir o sal e o volume diário de líquidos. Ao mesmo tempo, diuréticos são mostrados para ajudar a remover o excesso de líquido:

Veroshpiron, Diakarb, Diuver, Indapamida, Torasemida. Os inibidores de ATP ajudam a fortalecer os vasos sanguíneos e, assim, proteger o coração. Quando são tomadas, a nutrição tecidual melhora, a eficiência do músculo cardíaco e a resistência do miocárdio à carga aumentam. Este grupo inclui: Enalapril, Perindopril, Captopril. Agentes bloqueadores beta adrenérgicos ajudam a reduzir as necessidades de oxigênio e nutrientes do corpo, aumentar o volume dos locais de contração do miocárdio, reduzir a morte celular e a freqüência cardíaca.

Os representantes do grupo são espironolactona, eplerenona. Os antagonistas dos receptores da angiotensina 2 têm um efeito semelhante, mas são um pouco mais fortes. Prescreva Valsartan, Candesartan, Olmesartan. Quando a fração de ejeção é baixa, as estatinas podem ser usadas como terapia adicional para reduzir o colesterol e proteger os vasos sanguíneos.

Um aumento no indicador é raro, pois isso é fisiologicamente impossível. O coração não pode expulsar o sangue mais do que deveria. Portanto, o nível de 80% pode ser encontrado em uma criança em tenra idade, atletas e pacientes levando um estilo de vida ativo. Às vezes, um aumento indica hipertrofia do miocárdio, quando o ventrículo esquerdo procura compensar o início da insuficiência cardíaca e expele o sangue com força considerável.

A fração de ejeção, cuja norma é discutida abaixo, é o principal indicador instrumental que caracteriza a força do músculo cardíaco.

Se este indicador for inferior a 40% - a “força do coração” é reduzida. Os valores normais estão acima de 50%, a “força do coração” é boa. Aloque a “zona cinza” de 40 a 50%.

Insuficiência cardíaca - uma combinação de manifestações clínicas, marcadores bioquímicos, dados de pesquisa (eletrocardiografia, dopplerografia do coração, radiografia dos pulmões) que ocorrem com uma diminuição na força de contração do coração.

Distinga entre insuficiência cardíaca sintomática e assintomática, sistólica e diastólica.

Relevância do problema

Nos últimos 20 anos, a incidência de insuficiência cardíaca entre europeus diminuiu. Mas o número de pacientes nos grupos populacionais médios e mais velhos aumenta devido ao aumento da expectativa de vida. Segundo estudos europeus (ECHOCG), foi encontrada uma diminuição na fração de ejeção em metade dos pacientes com insuficiência cardíaca sintomática e na metade dos pacientes assintomáticos.

Pacientes com insuficiência cardíaca são menos saudáveis, sua qualidade de vida e duração são reduzidas. O tratamento desses pacientes é o mais caro para eles e para o estado. Portanto, a busca de formas de prevenir a ocorrência, o diagnóstico precoce e o tratamento eficaz de doenças cardíacas continuam relevantes.

Estudos realizados nas últimas décadas comprovaram a eficácia de vários grupos de medicamentos para melhorar o prognóstico e reduzir a mortalidade em pacientes com baixa fração cardíaca:

  • inibidores da enzima de conversão da adenosina (Enalapril);
  • antagonistas da angiotensina P ("Valsartan");
  • bloqueadores beta (Carvedilol);
  • bloqueadores de aldosterona ("espironolactona");
  • diuréticos ("Torasemida");
  • "Digoxina".

Nos últimos 20 anos, a incidência de insuficiência cardíaca entre europeus diminuiu. Mas o número de casos nos grupos médio e sênior da população está aumentando devido ao aumento da expectativa de vida.

Segundo estudos europeus (ecocardiografia), foi encontrada uma diminuição na fração de ejeção em metade dos pacientes com insuficiência cardíaca sintomática e na metade dos pacientes assintomáticos.

Pacientes com insuficiência cardíaca são menos capazes de trabalhar, sua qualidade de vida e sua duração são reduzidas.

O tratamento desses pacientes é o mais caro para eles e para o estado. Portanto, a busca de formas de prevenir a ocorrência, o diagnóstico precoce e o tratamento eficaz de doenças cardíacas continuam relevantes.

  • inibidores da enzima de conversão da adenosina (Enalapril);
  • antagonistas da angiotensina P (Valsartan);
  • bloqueadores beta (Carvedilol);
  • bloqueadores de aldosterona ("espironolactona");
  • diuréticos ("Torasem>

O exame ultrassonográfico do coração, bem como a ventriculografia radiopaca ou isotópica, ajudará a obter informações sobre a fração de ejeção dos ventrículos esquerdo e direito. O exame ultrassonográfico é o mais barato, mais seguro e não oneroso para o paciente. Mesmo as mais simples máquinas de ultrassom podem fornecer uma idéia da fração do débito cardíaco.

O indicador pode ser calculado com ventriculografia radiopaca ou isotrópica, bem como com ultra-som do coração. Na maioria das vezes, o último método é escolhido, pois é seguro, informativo e o mais barato.

Causas da fração de ejeção anormal e métodos de tratamento

Muitas vezes, os pacientes desconhecem a presença de qualquer doença e aprendem sobre elas aleatoriamente. As seguintes condições podem ser o motivo de experiências e de uma viagem a um especialista:

  • falta de ar, tanto durante os esportes quanto durante o descanso completo. Um sintoma particularmente indicativo é a respiração pesada enquanto está deitado, bem como à noite durante o sono;
  • mal-estar, tonturas, desmaios frequentes;
  • inchaço das extremidades e parte facial;
  • cãibras no esterno e no coração;
  • desconforto no lado direito da cavidade abdominal (devido à retenção de líquidos);
  • perda de peso acentuada;
  • cianose.

Todos os sinais acima, um especialista qualificado deve conhecer e observar o paciente. O médico orientará o paciente a realizar todos os tipos de procedimentos de diagnóstico para entender se ele tem anormalidades. Somente depois disso ele prescreve o tratamento adequado.

A violação do nível normal da fração de ejeção se desenvolve como resultado das próprias patologias cardíacas, especialmente com frequência.

Existem muitas opções neste caso. Da hipertensão que não foi tratada a tempo a um ataque cardíaco recente (a PV cai como resultado da formação de cardiosclerose), angina de peito e arritmias com diminuição da contratilidade.

Qualquer doença do órgão muscular pode levar a um desvio do indicador.

Outra opção é a patologia vascular. Vasculite, aneurismas, outros. Origem auto-imune ou infecciosa.

Além disso, doenças hormonais com uma diminuição na concentração de substâncias da hipófise, glândulas supra-renais ou tireóide. Diabetes.

Intoxicação por álcool, drogas, sais de metais pesados ​​e outras substâncias tóxicas.

As causas do aumento da PV tornam-se principalmente atividade física excessiva. Se a liberação for reduzida, isso leva a um enfraquecimento da hemodinâmica (fluxo sanguíneo). Esse processo é considerado ameaçador.

Quanto ao fenômeno reverso (a PV está acima do normal), ela não desempenha um papel clínico amplo e raramente é estável.

É realizado na presença de pelo menos um sintoma ou um sinal alarmante.

A fração de ejeção reduzida não é uma doença independente. Este nome não pode ser encontrado no classificador internacional.

Esse é um sintoma instrumental, um indicador funcional usado para afirmar o fato de uma diminuição da contratilidade miocárdica. O que está por trás do desvio é uma pergunta.

É resolvido por métodos de diagnóstico:

  • Questionamento oral do paciente. Para objetivar reclamações, identifique o quadro clínico completo.
  • Os mesmos objetivos são a coleção da história. Vamos nomear a causa provável do processo patológico.
  • Medição da pressão arterial. Na maioria das vezes, é normal até um certo ponto. Ela cai proporcionalmente à progressão do distúrbio.
  • A frequência cardíaca também está sendo investigada. Para esses fins, é realizado um cálculo rotineiro do número de batimentos por minuto, além da eletrocardiografia.

O ECG fornece informações sobre a presença de arritmias, sua natureza e grau. Pode ser realizado durante o dia usando um monitor Holter especial.

Este é um estudo ainda mais completo. Avalia indicadores vitais por 24 horas, em dinâmica.

  • Ecocardiografia. Uma técnica fundamental para identificar comprometimento funcional. A norma da fração de ejeção do coração não é motivo para interromper o diagnóstico; outras patologias são possíveis se houver queixas.

No modo automático, a porcentagem é calculada e o médico conclui sobre a normalidade do indicador em um paciente em particular.

O problema é que logo de cara dizem que dentro do permitido, isso não é impossível. É necessário observar uma pessoa por pelo menos alguns dias, às vezes semanas.

Portanto, é preferível orientar o paciente em um hospital de cardiologia.

  • Exame de sangue para hormônios (glândula tireóide, hipófise, glândulas supra-renais), geral, bioquímico. Eles podem dar muita informação.
  • RM de acordo com as indicações. Considere as propriedades anatômicas do coração com mais cuidado. Para dizer se malformações, alterações irreversíveis no miocárdio se formaram contra um fundo de comprometimento funcional.

Além disso, uma consulta com neurologista pode ser necessária. Quando são detectados problemas no cérebro, os sintomas cerebrais se juntam.

Um estudo de rotina dos reflexos permite avaliar a natureza da perturbação induzida e agir.

Exame ultra-sonográfico do coração

O exame ecocardiográfico do sistema cardiovascular é um método diagnóstico muito importante e também bastante acessível. Em alguns casos, o método é o "padrão ouro", permitindo verificar um diagnóstico específico. Além disso, o método permite detectar insuficiência cardíaca latente, que não se manifesta sob intenso esforço físico.

A insuficiência cardíaca é uma síndrome formada devido a uma violação da estrutura ou funcionamento do miocárdio. Patologia de condução ou ritmo cardíaco, processos inflamatórios, imunes, endócrinos, metabólicos, genéticos, neoplásicos, a gravidez pode causar fraqueza cardíaca com ou sem fração de ejeção comprometida.

O diagnóstico de insuficiência cardíaca sistólica envolve: 1. fração de ejeção do coração - a norma é inferior a 40%; 2. estagnação nos círculos da circulação sanguínea; 3. alterações na estrutura do coração (cicatrizes, focos de fibrose, etc.). Sinais de estase sanguínea: - dispnéia (falta de ar), incluindo ortopnéia, falta de ar paroxística noturna - asma cardíaca;

- expansão das veias jugulares; - crepitação nos pulmões ou derrame pleural; - murmúrios durante a auscultação do coração, cardiomegalia. Combinando vários dos sintomas acima, a disponibilidade de informações sobre doenças cardíacas ajuda a estabelecer a insuficiência cardíaca, mas a ultrassonografia Doppler do coração com determinação de alterações estruturais e avaliação da fração é a ejeção miocárdica crucial. Nesse caso, a fração de ejeção cardíaca será decisiva, a norma após a qual o infarto do miocárdio será definitivamente diferente.

peptídeo natriurético atrial (insuficiência cardíaca aguda - mais de 300 pg / ml, com crônica mais de 125 pg / ml). O nível do peptídeo ajudará a determinar o prognóstico da doença, escolhendo o tratamento ideal. Pacientes com uma fração cardíaca preservada geralmente são mais velhos, e isso é mais frequente que as mulheres. Eles têm muitas patologias concomitantes, incluindo hipertensão arterial. Nesses pacientes, o nível de peptídeo natriurético tipo B no plasma sanguíneo é mais baixo do que nos pacientes com uma fração baixa, mas maior que nos saudáveis.

A principal razão para a violação da função miocárdica sistólica (contrátil) é o desenvolvimento de insuficiência cardíaca crônica (ICC). Por sua vez, a insuficiência cardíaca ocorre e progride devido a doenças como:

  • Doença cardíaca coronária - uma diminuição no fluxo sanguíneo através das artérias coronárias, fornecendo oxigênio ao próprio músculo cardíaco,
  • Infarto do miocárdio, especialmente grandes focais e transmurais (extensos) e repetidos, como resultado das células musculares normais do coração após um ataque cardíaco serem substituídas por tecido cicatricial que não tem capacidade de contrair - pós-infarto cardiosclerose é formada (na descrição do ECG, você pode ver a abreviação PIKS),

PV reduzida devido a infarto do miocárdio (b). As áreas afetadas do músculo cardíaco não podem se contrair. A causa mais comum de diminuição do débito cardíaco é o infarto agudo ou transferido do miocárdio, acompanhado por uma diminuição da contratilidade miocárdica global ou local do ventrículo esquerdo.

A violação do nível normal da fração de ejeção se desenvolve como resultado das próprias patologias cardíacas, especialmente com frequência. Existem muitas opções neste caso. Da hipertensão que não foi tratada a tempo a um ataque cardíaco recente (a PV cai como resultado da formação de cardiosclerose), angina de peito e arritmias com diminuição da contratilidade.

Qualquer doença do órgão muscular pode levar a um desvio do indicador. Outra opção é a patologia vascular. Vasculite, aneurismas, outros. Origem auto-imune ou infecciosa.

Além disso, doenças hormonais com uma diminuição na concentração de substâncias da hipófise, glândulas supra-renais ou tireóide. Diabetes mellitus. Intoxicação por álcool, drogas, sais de metais pesados ​​e outras substâncias tóxicas. As causas do aumento da PV tornam-se principalmente atividade física excessiva. Se a liberação for reduzida, isso leva a um enfraquecimento da hemodinâmica (fluxo sanguíneo). Esse processo é considerado ameaçador. Quanto ao fenômeno reverso (a PV está acima do normal), ela não desempenha um papel clínico amplo e raramente é estável.

O ECG fornece informações sobre a presença de arritmias, sua natureza e grau. Pode ser realizado durante o dia usando um monitor Holter especial. Este é um estudo ainda mais completo. Avalia indicadores vitais por 24 horas, em dinâmica.

No modo automático, a porcentagem é calculada e o médico conclui sobre a normalidade do indicador em um paciente em particular. O problema é que imediatamente diz que dentro do permitido, isso não é impossível. É necessário observar uma pessoa por pelo menos alguns dias, às vezes semanas. Portanto, é preferível orientar o paciente em um hospital de cardiologia.

Talvez você queira saber sobre o novo medicamento - Cardiol, que normaliza perfeitamente a pressão sanguínea. Cardiol cápsulas são uma excelente ferramenta para a prevenção de muitas doenças cardíacas, porque contêm componentes únicos. Este medicamento é superior em suas propriedades terapêuticas a esses medicamentos: Cardiline, Recardio, Detonic. Se você quiser saber informações detalhadas sobre Cardiol, Vá para o site do fabricante. Aqui você encontrará respostas para perguntas relacionadas ao uso deste medicamento, avaliações de clientes e médicos. Você também pode descobrir o Cardiol cápsulas no seu país e as condições de entrega. Algumas pessoas conseguem obter um desconto de 50% na compra deste medicamento (como fazer isso e comprar pílulas para o tratamento da hipertensão por 39 euros, está disponível no site oficial do fabricante).Cardiol cápsulas para o coração

Sumário:

  • isquemia cardíaca;
  • infarto do miocárdio;
  • distúrbios do ritmo cardíaco (arritmia, taquicardia);
  • cardiomiopatia.
  • dor de cabeça
  • dores no peito;
  • interrupções na atividade do coração;
  • taquicardia;
  • falta de ar ao esforço;
  • desmaios e tonturas;
  • fraqueza;
  • diminuição da capacidade de trabalho;
  • inchaço das extremidades.

Tratamentos para baixa fração de ejeção

Agora que você conhece os padrões para a fração de ejeção, pode avaliar como seu coração funciona. Se a fração do débito cardíaco do ventrículo esquerdo por ecocardiografia estiver abaixo do normal, você precisará consultar um médico imediatamente. Para um cardiologista, é importante não apenas descobrir que existe insuficiência cardíaca, mas também descobrir a causa dessa condição.

Portanto, após um exame de ultra-som, outros tipos de diagnóstico podem ser realizados. Uma fração de ejeção baixa pode ser um fator predisponente para problemas de saúde, inchaço e falta de ar. Atualmente, o arsenal do cardiologista possui tratamentos para doenças que causam baixa fração de ejeção.

O principal é o constante acompanhamento ambulatorial do paciente. Em muitas cidades, são organizados dispensários cardiológicos especializados para monitoramento dinâmico gratuito de pacientes com insuficiência cardíaca. Um cardiologista pode prescrever tratamento conservador com pílulas ou procedimentos cirúrgicos.

diuréticos, digoxina, inibidores da ECA ou betabloqueadores. Os medicamentos diuréticos reduzem ligeiramente o volume de sangue circulante e, portanto, a quantidade de trabalho para o coração. Outras drogas reduzem a demanda de oxigênio do músculo cardíaco, tornam sua função mais eficaz, mas menos onerosa. O tratamento cirúrgico de uma fração reduzida do débito cardíaco desempenha um papel cada vez mais importante.

Operações foram desenvolvidas para restaurar o fluxo sanguíneo nos vasos coronários em doenças cardíacas coronárias. A cirurgia também é usada para tratar doenças cardíacas valvares graves. De acordo com as indicações, drivers artificiais de frequência cardíaca podem ser instalados para evitar arritmia no paciente e eliminar a fibrilação.

Quando o indicador está na faixa de 55 a 75%, esta é a norma. O valor é reduzido de 45 para 55%. Quando chega aos 45, significa que o paciente tem insuficiência cardíaca. Se abaixo de 35%, ocorrem distúrbios irreversíveis no trabalho do órgão e uma pessoa precisa de tratamento urgente.

A insuficiência cardíaca crônica é a principal razão para a violação da função sistólica (contrátil) do miocárdio e, portanto, a diminuição da fração de ejeção. O desenvolvimento do CHF é promovido por:

  1. A isquemia cardíaca é uma quantidade reduzida de sangue nos vasos coronários que alimentam o coração com oxigênio.
  2. Infarto do miocárdio, seu grande tamanho focal e transmuralidade. E no final - a substituição de células cardíacas saudáveis ​​por cicatrizes que não conseguem contrair.
  3. Doenças causadas por distúrbios do ritmo cardíaco devido a contração inadequada.
  4. Cardiomiopatia - alongamento ou aumento do músculo cardíaco. Desenvolve-se como resultado de interrupções hormonais, hipertensão, doenças cardíacas.

Má saúde, falta de ar, inchaço das extremidades indicam uma fração de ejeção baixa. Como aumentar a fração de ejeção? Hoje, na medicina moderna, das maneiras de aumentar a PV, a terapia está em primeiro lugar. Os pacientes são frequentemente observados em ambulatório, onde é feito um estudo sobre o estado do coração, sistema cardiovascular e tratamento medicamentoso.

O médico geralmente prescreve diuréticos que podem reduzir a quantidade de sangue que circula no sistema e, finalmente, a carga no coração. Além dos glicosídeos, os inibidores da ECA ou os betabloqueadores, que reduzem a necessidade de oxigênio no coração, aumentam a eficácia e reduzem a necessidade de energia muscular do coração.

A cirurgia cardiovascular requer o profissionalismo e a experiência dos cirurgiões, portanto, as operações são realizadas nos centros de cardiologia.

Se o paciente não tem predisposição para doenças cardíacas, o valor da fração de ejeção do ventrículo esquerdo pode ser mantido com sucesso normal.

Para evitar a norma da fração de ejeção, os médicos recomendam:

  1. Praticar esportes (aeróbica), cargas leves.
  2. Não use pesos, vá para a academia.
  3. Abandonar o álcool e fumar.
  4. Estilo de vida saudável.
  5. Comer alimentos ricos em ferro.
  6. Reduza a ingestão de sal.
  7. Beba água de 1,5 a 2 litros por dia.
  8. Dieta.

Segundo as estatísticas do século XX, as doenças cardíacas afetavam principalmente as pessoas na terceira idade. No século st, essas patologias “rejuvenesceram” significativamente. O grupo de risco inclui residentes de megacidades que vivem em condições com alto conteúdo de escapamentos de carros e baixo teor de oxigênio.

Nesse sentido, recomenda-se que cada pessoa, pelo menos uma vez por ano, seja submetida a exame por um cardiologista e em paralelo com outros médicos.

Um papel cada vez mais importante é desempenhado pelo tratamento cirúrgico de uma fração reduzida do débito cardíaco. Operações foram desenvolvidas para restaurar o fluxo sanguíneo nos vasos coronários em doenças cardíacas coronárias. A cirurgia também é usada para tratar doenças cardíacas valvares graves. De acordo com as indicações, drivers artificiais de frequência cardíaca podem ser instalados para evitar arritmia no paciente e eliminar a fibrilação.

Sintomas de uma fração de ejeção reduzida

Uma fração de ejeção baixa é um dos principais critérios para disfunção cardíaca, de modo que os pacientes são forçados a limitar significativamente seu trabalho e atividade física. Muitas vezes, mesmo tarefas domésticas simples causam uma piora da condição, o que faz com que na maioria das vezes gaste sentado ou deitado na cama.

As manifestações de uma diminuição no indicador são distribuídas de acordo com a frequência de ocorrência do mais frequente para o mais raro:

  • perda significativa de força e fadiga devido às cargas usuais;
  • insuficiência respiratória como aumento da frequência, até ataques de asma;
  • problemas respiratórios são piores quando deitados;
  • estados colaptoides e perda de consciência;
  • mudanças na visão (escurecimento dos olhos, "moscas");
  • dor na projeção do coração de intensidade variável;
  • aumento do número de contrações cardíacas;
  • inchaço das pernas e pés;
  • acúmulo de líquido no peito e abdômen;
  • aumento gradual no tamanho do fígado;
  • perda progressiva de peso;
  • episódios de coordenação e marcha prejudicadas;
  • diminuição periódica da sensibilidade e mobilidade ativa nos membros;
  • desconforto, dor moderada na projeção do abdômen;
  • cadeira instável;
  • crises de náusea;
  • vômito com uma mistura de sangue;
  • sangue nas fezes.

Todos os sintomas pelos quais se suspeita de uma diminuição da função contrátil do coração são devidos a insuficiência cardíaca. Portanto, os sintomas desta doença vêm primeiro.

No entanto, de acordo com as observações dos profissionais de diagnóstico por ultrassom, o seguinte é frequentemente observado - em pacientes com ICC grave, o indicador de fração de ejeção permanece dentro da faixa normal, enquanto em indivíduos sem sintomas óbvios, o indicador de fração de ejeção é significativamente reduzido. Portanto, apesar da ausência de sintomas, os pacientes com anormalidades cardíacas devem ser submetidos à ecocardioscopia pelo menos uma vez por ano.

Portanto, os sintomas que tornam possível suspeitar de uma violação da contratilidade miocárdica incluem:

  1. Ataques de falta de ar em repouso ou durante o esforço físico, além de deitar-se, principalmente à noite,
  2. A carga que provoca a ocorrência de falta de ar pode variar de significativa, por exemplo, caminhar por longas distâncias (estamos doentes), a atividades domésticas mínimas, quando é difícil para o paciente realizar manipulações simples - cozinhar, amarrar cadarços, caminhando para a próxima sala, etc. d
  3. Fraqueza, fadiga, tontura, às vezes perda de consciência - tudo isso indica que os músculos esqueléticos e o cérebro recebem pouco sangue,
  4. Inchaço na face, pernas e pés, e em casos graves - nas cavidades internas do corpo e em todo o corpo (anasarca) devido à circulação sanguínea prejudicada pelos vasos da gordura subcutânea, na qual a gripe>

Na ausência de tratamento adequado para a disfunção sistólica do miocárdio, esses sintomas progridem, aumentam e são mais difíceis de tolerar pelo paciente; portanto, se ocorrer um deles, consulte um médico ou cardiologista.

Uma fração de ejeção baixa indica anormalidades cardíacas graves. Tendo recebido o diagnóstico, o paciente precisa reconsiderar seu estilo de vida, para eliminar o estresse excessivo no coração. A deterioração pode causar sofrimento emocional.

O paciente reclama dos seguintes sintomas:

  • fadiga aumentada, fraqueza;
  • a ocorrência de uma sensação de asfixia;
  • insuficiência respiratória;
  • dificuldade em respirar enquanto está deitado;
  • deficiência visual;
  • perda de consciência;
  • dor de cabeça
  • aumento da frequência cardíaca;
  • inchaço das extremidades inferiores.

Em estágios mais avançados e com o desenvolvimento de doenças secundárias, ocorrem os seguintes sintomas:

  • diminuição da sensibilidade dos membros;
  • fígado aumentado;
  • falta de coordenação;
  • perda de peso;
  • náusea, vômito, sangue nas fezes;
  • dor abdominal;
  • acúmulo de líquido nos pulmões e abdômen.

Mesmo se não houver sintomas, isso não significa que a pessoa não sofra de insuficiência cardíaca. Por outro lado, os sintomas pronunciados acima nem sempre resultam em uma porcentagem reduzida de débito cardíaco.

O diagnóstico de "fração de ejeção reduzida" pode ser feito com base nos sintomas característicos da doença. Esses pacientes geralmente se queixam de ataques de falta de ar, tanto durante o esforço físico quanto em repouso. A dispnéia pode provocar caminhada prolongada, além de realizar tarefas domésticas simples: esfregar, cozinhar.

A fração de baixa ejeção responde a várias mudanças no corpo. Os sintomas são extensos e variados, determinados pela causa raiz, pela presença de doenças concomitantes, pela idade do paciente e por muitos outros fatores. Os seguintes sintomas são mais comuns, cuja presença indica a natureza do problema:

  • fadiga, que é permanente;
  • acúmulo de líquido na cavidade abdominal e no peito;
  • diminuição das capacidades físicas do corpo;
  • dificuldade em respirar e uma constante sensação de falta de ar, que aumenta com a posição horizontal do corpo;
  • tonturas frequentes, que podem levar ao desmaio;
  • visão diminuída;
  • dor na área do músculo cardíaco;
  • inchaço nas pernas;
  • um aumento no tamanho do fígado;
  • redução de peso que ocorre em pouco tempo;
  • coordenação prejudicada dos movimentos, perda de espaço e diminuição da sensibilidade nos braços e pernas;
  • distúrbios nas fezes, dor abdominal, náusea e vômito no sangue;
  • a presença de sangue nas fezes.

Uma queda na contratilidade cardíaca é causada por insuficiência cardíaca. Nesse caso, os seguintes sintomas são observados:

  • desenvolvimento de dispnéia em repouso, durante o esforço físico, em decúbito dorsal (principalmente durante o sono noturno);
  • uma diminuição gradual da intensidade das cargas pelo aparecimento de falta de ar (em casos graves, as manipulações mais simples - cozinhar, passear pela sala podem provocar ataques);
  • fraqueza geral, mal-estar, fadiga, tontura, episódios de perda de consciência são possíveis;
  • inchaço do corpo, face, pernas e pés, desenvolvimento de anasarca (acúmulo de líquido nos órgãos e cavidades internas);
  • dor da metade direita do abdome, um aumento no seu volume.

Sem o tratamento adequado e oportuno adequado, uma violação do trabalho sistólico do coração progride, cresce e pode atrapalhar a existência normal de uma pessoa. Uma diminuição no desempenho cardíaco é uma consequência da doença. Portanto, antes da terapia, é importante determinar a causa da patologia.

Por exemplo, com doença cardíaca isquêmica, a nitroglicerina é prescrita, os defeitos são removidos de maneira operatória, a hipertensão é interrompida pelo uso de medicamentos anti-hipertensivos. O paciente deve entender claramente que uma violação da função de bombear do coração indica uma deterioração de sua condição, o desenvolvimento de insuficiência cardíaca, que tem consequências e complicações perigosas.

Um valor como a fração de ejeção do coração é caracterizado pela quantidade de sangue liberado na aorta durante a contração. Se esse indicador diminuir, isso indica uma deterioração no desempenho do órgão e a possível ocorrência de insuficiência cardíaca. Quando a fração é muito baixa, menos de 30%, a pessoa está em sério perigo.

Em repouso, o ventrículo esquerdo retém o sangue obtido do átrio. Com o movimento contrátil, lança uma certa quantidade no leito vascular. A fração de ejeção (FE) do ventrículo esquerdo é calculada como a razão entre o volume de sangue que entra na aorta e sua quantidade no ventrículo esquerdo durante o relaxamento. Essa é a porcentagem do volume de fluido corporal ejetado.

O principal sintoma, quando a fração é reduzida, é o aparecimento de falta de ar e independentemente da carga. Pode aparecer mesmo devido a cargas insignificantes ao fazer a lição de casa. Às vezes, a falta de ar pode ocorrer à noite ou em decúbito dorsal. De outros sinais, os pacientes observam:

  • Maior fraqueza, fadiga e tontura, até perda de consciência. Isto é devido à falta de fluxo sanguíneo e, como conseqüência, falta de oxigênio.
  • O aparecimento de edema. Isto é devido à estagnação do fluido.
  • Dor intensa no lado direito do abdômen. Isso é observado devido à congestão nos vasos do fígado, o que pode provocar mais cirrose.
  • Deficiência visual.
  • Dor na área do coração com um aumento no ritmo das contrações.
  • Diminuição da sensibilidade dos membros.
  • Violação de coordenação.
  • Náusea, vômito.

Todos os sintomas pelos quais se suspeita de uma diminuição da função contrátil do coração são devidos a insuficiência cardíaca. Portanto, os sintomas desta doença vêm em primeiro lugar. No entanto, de acordo com as observações dos médicos especialistas em diagnóstico por ultrassom, o seguinte é frequentemente observado - em pacientes com sinais graves de insuficiência cardíaca, o indicador da fração de ejeção permanece dentro da faixa normal, enquanto em indivíduos com sintomas óbvios ausentes, as emissões da fração de ejeção são significativamente reduzido. Portanto, apesar da ausência de sintomas, os pacientes com anormalidades cardíacas devem ser submetidos à ecocardioscopia pelo menos uma vez por ano.

  • Ataques de falta de ar em repouso ou durante o esforço físico, além de deitar-se, principalmente à noite,
  • A carga que provoca a ocorrência de falta de ar pode variar de significativa, por exemplo, caminhar em longas distâncias (mais de 500-1000 m), a atividades domésticas mínimas, quando é difícil para o paciente realizar manipulações simples - cozinhar, amarrar cadarços, caminhando para a próxima sala etc,

    O principal sintoma, quando a fração é reduzida, é o aparecimento de falta de ar e independentemente da carga. Pode aparecer mesmo devido a cargas insignificantes ao fazer a lição de casa. Às vezes, a falta de ar pode ocorrer à noite ou em decúbito dorsal.

    Manifestações são diferentes. A FE do ventrículo esquerdo indica a força com a qual o sangue é ejetado na aorta.

    Através da maior artéria do corpo, o tecido conjuntivo fluido se move por todo o corpo, fornece à estrutura substâncias benéficas e oxigênio.

    Métodos de cálculo PV

    Os objetivos do tratamento de pacientes com insuficiência cardíaca, quando a fração de ejeção do coração é superior ao normal: - aliviar os sintomas da doença; - reduzir a incidência de hospitalizações repetidas; - prevenir a morte prematura. O primeiro passo para corrigir a insuficiência cardíaca é o tratamento não medicamentoso: - limitar a atividade física; - limitar a ingestão de sal; - perda de peso.

    Etapa 1: diurético ("Torasemida"), um inibidor da enzima de conversão da angiotensina ("Enalapril") ou um bloqueador do receptor da angiotensina P ("Valsartan") com um aumento gradual na dose de um betabloqueador em estado estável ("Carvedilol") . Se os sintomas persistirem, etapa 2: adicione um antagonista da aldosterona ("Veroshpiron") ou receptores da angiotensina P.

    Se os sintomas persistirem, é possível adicionar ao tratamento “Digoxina”, “Hidralazina”, nitrorepatos (“Cardiket”) e / ou realizar intervenções invasivas (instalação de dispositivos de ressincronização, implantação de um cardioversor-desfibrilador, transplante cardíaco), após realização de um ultra-som do coração. A fração de ejeção, cuja norma é descrita acima, neste caso é determinada por ultrassom.

    Táticas modernas para o tratamento da insuficiência cardíaca com inibidores da enzima de conversão da angiotensina, bloqueadores dos receptores da angiotensina P, betabloqueadores, bloqueadores da aldosterona, diuréticos, nitratos, hidralazina, digoxina, omacor, se necessário, a instalação de dispositivos de ressincronização e cardioversores-desfibriladores aumentou significativamente Nas últimas duas décadas, pacientes com formas terminais desta doença. Isso coloca novos desafios para médicos e pesquisadores. Ainda é relevante procurar métodos para substituir o tecido cicatricial do miocárdio.

    Além de tomar os medicamentos apropriados, para aumentar a fração, todos os pacientes precisam reconsiderar seu estilo de vida. Para fazer isso, é recomendado:

    • Organize uma nutrição adequada.
    • Descanse bastante tempo.
    • Faça fisioterapia e reflexologia.
    • Monitore a atividade física.
    • Estar ao ar livre com frequência.
    • Recusar-se de maus hábitos.

    Obviamente, nenhum médico oferecerá tratamento para uma taxa baixa obtida por ultrassom do coração. Primeiro, o médico deve identificar a causa da FE reduzida e, em seguida, prescrever um tratamento para a doença causadora. Dependendo disso, o tratamento pode diferir, por exemplo, em preparações de nitroglicerina para doença isquêmica, correção cirúrgica de defeitos cardíacos, medicamentos anti-hipertensivos para hipertensão, etc.

    Além dos medicamentos que afetam a doença causadora, o paciente recebe medicações que podem melhorar a contratilidade miocárdica. Estes incluem glicosídeos cardíacos (digoxina, estrofantina, korglikon). No entanto, eles são prescritos por um médico rigorosamente atendido e seu uso descontrolado independente é inaceitável, pois pode ocorrer envenenamento - intoxicação glicosídica.

    Para evitar sobrecarregar o coração com um volume, ou seja, excesso de líquido, é mostrada uma dieta com restrição de cloreto de sódio a 1.5 g por dia e com restrição de consumo de líquido a 1.5 l por dia. Diuréticos (diuréticos) - diacarbe, dióxido, verospirão, indapamida, torasemida, etc. também são usados ​​com sucesso.

    Para proteger o coração e os vasos sanguíneos do interior, são utilizados medicamentos com as chamadas propriedades organoprotetoras - inibidores da ECA. Estes incluem enalapril (Enap, Enam), perindopril (prestarium, prestanz), lisinopril, captopril (Kapoten). Os inibidores da ARA II, como losartan (Lorista, Lozap), valsartan (Valz), etc., também são amplamente distribuídos entre medicamentos com propriedades semelhantes.

    O regime de tratamento é sempre selecionado individualmente, mas o paciente deve estar preparado para o fato de que a fração de ejeção não se normaliza imediatamente e os sintomas podem ser perturbadores por algum tempo após o início da terapia. Em alguns casos, a única maneira de curar a doença que causou o desenvolvimento de insuficiência cardíaca é cirúrgica.

    Cirurgia para próteses valvares, instalação de stents ou derivações nos vasos coronários, instalação de marcapasso, etc. pode ser necessário, no entanto, em caso de insuficiência cardíaca grave (classe funcional III-IV) com fração de ejeção extremamente baixa, a cirurgia pode ser contraindicada. Por exemplo, uma contra-indicação para a substituição da válvula mitral é uma diminuição na FE abaixo de 20% e no implante de marca-passo - inferior a 35%. No entanto, contra-indicações às operações são reveladas no exame presencial no cirurgião cardíaco.

    A fração de ejeção inferior a 45% é uma conseqüência de uma alteração na funcionalidade do músculo cardíaco no contexto da progressão da causa-doença subjacente. Uma diminuição no indicador é um sinal de alterações irreversíveis nos tecidos do miocárdio, e não se fala da possibilidade de uma cura completa. Todas as medidas terapêuticas visam estabilizar as alterações patológicas em seu estágio inicial e melhorar a qualidade de vida do paciente em um estágio tardio.

    O complexo de tratamento inclui:

    • correção do processo patológico principal;
    • Terapia de insuficiência ventricular esquerda.

    Este artigo é dedicado diretamente à VP do ventrículo esquerdo e aos tipos de seus distúrbios; portanto, focaremos ainda mais essa parte do tratamento.

    No primeiro estágio de qualquer doença, a fração de ejeção não muda muito. O músculo cardíaco se adapta a novas condições, a camada muscular cresce, pequenos vasos sanguíneos são reconstruídos. Gradualmente, as possibilidades do coração se esgotam, as fibras musculares enfraquecem, a quantidade de sangue absorvido diminui.

    Outras doenças que reduzem o débito cardíaco:

    • angina de peito;
    • hipertensão;
    • aneurisma de parede ventricular;
    • doenças infecciosas e inflamatórias (pericardite, miocardite, endocardite);
    • distrofia miocárdica;
    • cardiomiopatia;
    • patologias congênitas, violação da estrutura do órgão;
    • vasculite;
    • patologia vascular;
    • interrupções hormonais no corpo;
    • diabetes;
    • obesidade;
    • tumores das glândulas;
    • intoxicação.

    Imediatamente após receber os resultados do ultrassom à mão e determinar uma porcentagem reduzida de débito cardíaco, o médico não poderá determinar um plano de tratamento e prescrever medicamentos. É necessário lidar com a causa da patologia, e não com os sintomas de uma fração de ejeção reduzida.

    A terapia é selecionada após um diagnóstico completo, determinação da doença e seu estágio. Em alguns casos, isso é terapia medicamentosa, às vezes intervenção cirúrgica.

    Uma pessoa deve entender que as recomendações do médico devem ser seguidas com total responsabilidade, pois existe o risco de insuficiência cardíaca.

    Antes de tudo, os medicamentos são prescritos para eliminar a causa raiz da fração de ejeção reduzida. Um ponto de tratamento obrigatório é o uso de drogas que aumentam a contratilidade do miocárdio (glicosídeos cardíacos). O médico seleciona a dosagem e a duração do tratamento com base nos resultados dos testes. A ingestão descontrolada pode levar à intoxicação por glicosídeo.

    A insuficiência cardíaca não é tratada apenas com pílulas. O paciente deve controlar o regime de consumo, a quantidade diária de líquido ingerido não deve exceder 2 litros. É necessário remover o sal da dieta. Além disso, são prescritos diuréticos, betabloqueadores, inibidores da ECA e digoxina. Aliviar a condição ajudará medicamentos que reduzem a necessidade de oxigênio do coração.

    Eles restauram o fluxo sanguíneo na doença arterial coronariana e eliminam defeitos cardíacos graves usando métodos cirúrgicos modernos. De arritmias, um driver cardíaco artificial pode ser instalado. A operação não é realizada com uma diminuição na porcentagem de débito cardíaco abaixo de 20%.

    Os métodos mais populares de tratar uma fração de baixa ejeção do coração são o uso de medicamentos. Nos casos em que a principal causa desse processo patológico é a insuficiência cardíaca, o paciente é selecionado para tratamento, levando em consideração a idade e as características do corpo.

    Quase sempre recomenda restrições alimentares, bem como uma diminuição na ingestão de líquidos. É necessário beber no máximo 2 litros por dia e isso é excepcionalmente limpo e água parada. Vale ressaltar que, durante todo o período de tratamento, é necessário abandonar quase completamente o uso de sal nos alimentos. São prescritos vários diuréticos, inibidores da ECA, digoxina e betabloqueadores.

    Todos esses fundos reduzem significativamente o volume de massas sanguíneas circulantes, o que reduz o nível de trabalho de órgãos. Vários outros medicamentos são capazes de reduzir a necessidade de oxigênio do corpo, ao mesmo tempo em que tornam sua funcionalidade a mais eficaz e, ao mesmo tempo, menos onerosa. Em alguns casos avançados, a cirurgia é usada para restaurar o fluxo sanguíneo em todos os vasos coronários. Um método semelhante é usado para doença coronariana.

    Nos casos de defeitos graves e processos patológicos, apenas a cirurgia em combinação com a terapia medicamentosa é usada como tratamento. Se necessário, são instaladas válvulas artificiais que podem prevenir arritmias cardíacas e muitas outras insuficiências cardíacas, incluindo fibrilação. Os métodos instrumentais são usados ​​em casos extremos, quando a terapia medicamentosa é incapaz de eliminar certos problemas no trabalho do sistema cardíaco.

    Para evitar sobrecarregar o coração com um volume, ou seja, excesso de líquido, é mostrada uma dieta com restrição de cloreto de sódio a 1.5 g por dia e com restrição de consumo de líquido a 1.5 l por dia. Diuréticos (diuréticos) - diacarbe, dióxido, verospirão, indapamida, torasemida, etc. também são usados ​​com sucesso.

    Para proteger o coração e os vasos sanguíneos do interior, são utilizados medicamentos com as chamadas propriedades organoprotetoras - inibidores da ECA. Estes incluem enalapril (Enap, Enam), perindopril (prestarium, prestanz), lisinopril, captopril (Kapoten). Os inibidores da ARA II, como losartan (Lorista, Lozap), valsartan (Valz), etc., também são amplamente distribuídos entre medicamentos com propriedades semelhantes.

    O regime de tratamento é sempre selecionado individualmente, mas o paciente deve estar preparado para o fato de que a fração de ejeção não se normaliza imediatamente e os sintomas podem ser perturbadores por algum tempo após o início da terapia.

    Conclusão

    Assim, a partir do artigo apresentado, percebe-se o valor prático dos métodos recebidos pelos médicos. A fração de ejeção (norma e patologia) ainda não foi totalmente estudada. E, embora a medicina ainda não seja perfeita para combater as patologias em consideração, precisamos esperar e investir uma quantidade suficiente de investimentos no desenvolvimento e desenvolvimento de pesquisas científicas nessa área.

    Assim, a partir do artigo apresentado, percebe-se o valor prático dos métodos recebidos pelos médicos. A fração de ejeção (norma e patologia) ainda não foi totalmente estudada. E, embora a medicina ainda não seja perfeita para combater as patologias em consideração, precisamos esperar e investir uma quantidade suficiente de investimentos no desenvolvimento e desenvolvimento de pesquisas científicas nessa área.

    Tendo sugerido o uso do método de ultrassom para visualizar órgãos humanos na década de 1950, Inge Elder não se enganou. Hoje, esse método desempenha um papel importante e, às vezes, fundamental no diagnóstico de doenças cardíacas. Vamos falar sobre a decodificação de seus indicadores.

    Intervenção operativa

    No caso em que a terapia medicamentosa é ineficaz, o tratamento cirúrgico pode ser prescrito. Métodos comuns são:

    • Instalação de um cardioversor-desfibrilador, marca-passo em caso de distúrbio do ritmo cardíaco.
    • Criando um bloqueio artificial para diminuir as contrações ventriculares para estimular diferentes ritmos de contração dos átrios e ventrículos.

    No caso em que a terapia medicamentosa é ineficaz, o tratamento cirúrgico pode ser prescrito.

    Remédios caseiros

    Criar gente significa fração é quase impossível.

    Basicamente, esta terapia visa eliminar sintomas e manter o desempenho dos órgãos. Portanto, para evitar o inchaço, tome decocções de calêndula, cardo de leite, rabo de cavalo, yarrow, knotweed, urtiga, chicória, brotos de bétula, bagas de zimbro, roseira, mirtilo. Eles precisam estar bêbados em intervalos quando drogas semelhantes são canceladas.

    1. Eficaz é considerada uma decocção de visco, espinheiro e canela seca, tomada em quantidades iguais. Duas colheres de sopa da mistura são vertidas com um litro de água fervente e colocadas em fogo pequeno. Depois de alguns minutos, a bebida é retirada e insistida por cerca de meia hora. Depois de estirado, tome 125 ml três vezes ao dia.
    2. Os frutos secos de espinheiro no valor de 6 colheres de sopa são moídos e adicionados à erva-mãe na mesma quantidade. Depois de derramar uma mistura de 1,5 litros de água fervente, insista por dia, envolvendo-a bem. Em seguida, é filtrado e colocado na geladeira. Você precisa beber três vezes ao dia por meia hora antes das refeições, um copo.
    3. No tratamento de patologias cardíacas, o espinheiro é frequentemente usado. Ajuda a normalizar a freqüência cardíaca, reduzir a hipertensão, a dor no peito e combater a aterosclerose e a insuficiência cardíaca. Flores e bagas de espinheiro ajudam o coração, aumentando sua capacidade de bombear sangue. Esta planta ajuda a reduzir a falta de ar e a fadiga. Hawthorn pode ser usado como uma tintura e como uma decocção.

    Para afinar o sangue, são utilizadas casca de salgueiro, trevo de prado, trevo, meadowsweet, espinheiro, rakita.

    As taxas de sedativos incluem:

    • Composição de espinheiro, canela, camomila, cominho e motherwort.
    • Uma decocção de St. Erva de João, visco, sálvia, yarrow, calêndula seca, calêndula, rabo de cavalo e botões de pinheiro.

    Para esses fins, você pode comprar na farmácia tinturas prontas de peônia, valeriana, erva-mãe ou espinheiro. Na ausência de ervas, você pode diluir 500 g de mel em 50 ml de água e beber em 4 doses divididas ao longo do dia.

    É quase impossível aumentar a fração por remédios populares. Basicamente, esta terapia visa eliminar sintomas e manter o desempenho dos órgãos. Portanto, para evitar o inchaço, tome decocções de calêndula, cardo de leite, rabo de cavalo, yarrow, knotweed, urtiga, chicória, brotos de bétula, bagas de zimbro, roseira, mirtilo. Eles precisam estar bêbados em intervalos quando drogas semelhantes são canceladas.

  • Eficaz é considerada uma decocção de visco, espinheiro e canela seca, tomada em quantidades iguais. Duas colheres de sopa da mistura são vertidas com um litro de água fervente e colocadas em fogo pequeno. Depois de alguns minutos, a bebida é retirada e insistida por cerca de meia hora. Depois de estirado, tome 125 ml três vezes ao dia.
  • Os frutos secos de espinheiro no valor de 6 colheres de sopa são moídos e adicionados à erva-mãe na mesma quantidade. Depois de derramar uma mistura de 1,5 litros de água fervente, insista por dia, envolvendo-a bem. Em seguida, é filtrado e colocado na geladeira. Você precisa beber três vezes ao dia por meia hora antes das refeições, um copo.
  • No tratamento de patologias cardíacas, o espinheiro é frequentemente usado. Ajuda a normalizar a freqüência cardíaca, reduzir a hipertensão, a dor no peito e combater a aterosclerose e a insuficiência cardíaca. Flores e bagas de espinheiro ajudam o coração, aumentando sua capacidade de bombear sangue. Esta planta ajuda a reduzir a falta de ar e a fadiga. Hawthorn pode ser usado como uma tintura e como uma decocção.

    Doença cardíaca em nosso país

    As doenças do sistema cardiovascular nos países civilizados são a primeira causa de morte da maioria da população. Na Rússia, as doenças coronárias e outras doenças do sistema circulatório são extremamente comuns. Após 40 anos, o risco de adoecer se torna especialmente alto. Os fatores de risco para problemas cardiovasculares são: sexo masculino, tabagismo, estilo de vida sedentário, distúrbios do metabolismo de carboidratos, colesterol alto, pressão alta e outros.

    Caso você tenha vários fatores de risco ou queixas do sistema cardiovascular, procure atendimento médico de um clínico geral ou cardiologista para exame. Usando equipamento especial, o médico determinará o tamanho da fração de ejeção do ventrículo esquerdo e outros parâmetros e, portanto, a presença de insuficiência cardíaca.

    Por que os níveis de PV podem ser superestimados?

    Os médicos podem alertar os pacientes para queixas de dor no coração, dor no peito, interrupções na função cardíaca, palpitações, falta de ar durante o esforço físico, tonturas, desmaios, inchaço nas pernas, fadiga, desempenho diminuído e fraqueza. Os primeiros estudos geralmente se tornam um eletrocardiograma e um exame de sangue bioquímico. Além disso, pode ser realizada a monitoração do eletrocardiograma, ergometria de bicicleta e ultra-som do coração por Holter.

    Os seguintes motivos podem servir como uma indicação para a nomeação de um ultrassom do coração de uma criança:

    • sons cardíacos ouvidos por um pediatra durante a ausculta;
    • tremer sobre a área do coração, que pode ser sentida não apenas pelo médico, mas também pelos pais da criança;
    • Queixas da criança sobre desconforto no coração;
    • recusa do bebê ao seio, sucção letárgica, gritos e choro durante a amamentação;
    • azul do triângulo nasolabial durante a alimentação, gritando, chorando, defecando;
    • resfriamento sem causa de mãos e pés;
    • fraco aumento de altura e peso;
    • resfriados freqüentes do bebê;
    • desmaios, desmaios;
    • cardiopatias congênitas (DCC) em parentes próximos.

    Vamos começar a conversa com o que significa a fração de ejeção. Este termo refere-se a um valor que reflete o funcionamento do músculo cardíaco.

    O indicador determina a quantidade de sangue na porcentagem que é empurrada pelo ventrículo esquerdo como resultado da contração. Ao calcular o indicador, é determinada a proporção de sangue ejetado em relação à sua quantidade, que está no ventrículo esquerdo no momento do relaxamento.

    Este indicador é extremamente importante. Desvios do nível normal indicam problemas sérios no trabalho do coração, que podem causar o desenvolvimento de patologias do sistema cardiovascular e ter um efeito negativo no corpo. Portanto, é necessário diagnosticar e avaliar a fração de ejeção.

    Se nos resultados da pesquisa o indicador for 60% ou mais, isso indica um nível superestimado da fração de ejeção. O valor mais alto pode chegar a 80%, a maior quantidade de sangue que o ventrículo esquerdo joga nos vasos é simplesmente incapaz devido às suas características.

    Cardiomiopatia ou hipertensão podem desencadear o desenvolvimento de hipertrofia do miocárdio. Nesses pacientes, o músculo cardíaco ainda pode lidar com a insuficiência cardíaca e compensá-la, tentando expelir o sangue para um grande círculo de circulação sanguínea. Isso pode ser julgado pela observação de um aumento da VP do ventrículo esquerdo.

    À medida que a insuficiência cardíaca progride, a fração de ejeção diminui lentamente. Para pacientes que sofrem de insuficiência cardíaca crônica, é extremamente importante realizar ecocardioscopia periódica para observar uma diminuição na FE.

    A fração de ejeção é um parâmetro que demonstra a quantidade de sangue que o ventrículo esquerdo expele para a aorta na fase sistólica. A fração de ejeção é calculada pela proporção do volume de sangue empurrado para a aorta e seu volume no ventrículo esquerdo durante o período de relaxamento.

    Este parâmetro é calculado de maneira bastante simples. Demonstra claramente o estado da capacidade da membrana muscular do coração se contrair. A fração de ejeção permite identificar a necessidade de uma pessoa ser tratada com drogas e tem valor prognóstico para pessoas que sofrem de doenças do sistema cardiovascular.

    Quanto mais próximo do normal o valor da fração de ejeção, melhor a capacidade do paciente de se contrair no miocárdio, o que indica um prognóstico mais favorável da doença.

    Atenção. Se o valor da PV calculado for menor que os parâmetros médios, deve-se concluir que o miocárdio funciona com dificuldade e não fornece sangue ao corpo adequadamente. Nesse caso, a pessoa precisa receber medicamentos cardíacos prescritos.

    Para calcular a fração do débito cardíaco, é utilizada a fórmula de Teicholz ou Simpson. O cálculo é realizado por um programa especial que emite uma avaliação automaticamente, levando em consideração as informações sobre os volumes sistólicos e diastólicos finais do VE e seus parâmetros.

    Se nos resultados da pesquisa o indicador for 60% ou mais, isso indica um nível superestimado da fração de ejeção. O valor mais alto pode chegar a 80%, a maior quantidade de sangue que o ventrículo esquerdo joga nos vasos é simplesmente incapaz devido às suas características. Normalmente, esses resultados são característicos de pessoas saudáveis ​​sem outras anormalidades cardíacas. E para atletas com um coração treinado, no qual o músculo cardíaco, contraindo-se com força considerável, é capaz de extrair mais sangue do que o habitual.

    Previsão

    O prognóstico depende de quão baixo o paciente é diagnosticado. Com uma diminuição no valor de 40 a 45%, o risco de parada cardíaca é pequeno, cerca de 10 a 15%. Quando o VP diminui para 34-39%, a possibilidade de morte está na faixa de 20 a 25%.

    Se esse indicador se tornar ainda mais baixo, a ameaça à vida do paciente aumentará à medida que o PV diminuir.

    Não é possível se livrar completamente da patologia; portanto, os pacientes com esse diagnóstico devem ser constantemente submetidos a terapia corretiva, o que lhes permitirá manter a atividade vital por muitos anos.

    A fração de ejeção fornece informações sobre a saúde do ventrículo esquerdo. Em homens e mulheres, a norma é a mesma (55-70%), mas em crianças a taxa pode chegar a 70-80%, o que não é considerado uma patologia.

    A fração baixa mais comum. Para elevar o indicador, é necessário encontrar a causa da patologia e organizar o tratamento adequado. Se isso não for feito, o paciente corre o risco de desenvolver insuficiência cardíaca, morte.

    As doenças do sistema cardiovascular têm sido e continuam sendo a causa raiz da mortalidade em muitos países do mundo. Todos os anos, 17,5 milhões de pessoas morrem de patologias cardiológicas. Neste artigo, consideramos o que a VF do coração demonstra, quais são as normas desse indicador, como calculá-lo, em quais casos você não deve se preocupar e em que deve consultar um médico.

    A fração de ejeção (FE) é um reflexo da qualidade de seu trabalho. Em outras palavras, esse é um critério que exibe a quantidade de sangue empurrada pelo ventrículo esquerdo no momento de sua contração no lúmen da aorta. Este volume deve atender a certos padrões: não deve ser muito ou pouco. Pela primeira vez, os pacientes encontram esse termo na consulta de um cardiologista, ou seja, durante um exame de ultra-som ou ECG.

    Principalmente favorável para detecção precoce. A probabilidade de uma vida de qualidade e simplesmente a continuação da existência biológica caem em proporção à progressão do processo.

    Com a terapia competente nos estágios inicial e médio (se a fração de ejeção do ventrículo esquerdo for de pelo menos 40%), a porcentagem de mortes é determinada em 15%. Isso acontece um pouco mais. Nos estágios posteriores, 40-60% e mais.

    Uma correção completa nunca pode ser alcançada. O processo já começou, estão ocorrendo distúrbios orgânicos no miocárdio, não há onde colocá-los.

    No entanto, você pode compensar a situação, embora o tratamento, com alta probabilidade, continue por muitos anos, se não toda a vida. Este não é um preço alto.

    • Se a fração de ejeção do ventrículo esquerdo diminuir, situando-se na faixa de 40 a 45%, o risco de morte por parada cardíaca é de cerca de 10 a 15%.
    • Uma redução no nível de 35 a 40% aumenta esse risco para 20 a 25%.
    • Uma redução adicional exponencialmente piora o prognóstico para a sobrevida do paciente.

    Não existe uma cura completa para a patologia, mas a terapia iniciada no prazo permite prolongar a vida e manter sua qualidade relativamente satisfatória.

    O prognóstico depende de quão baixo o paciente é diagnosticado. Com uma diminuição no valor de 40 a 45%, o risco de parada cardíaca é pequeno, cerca de 10 a 15%. Quando a FE diminui para 34-39%, a possibilidade de um resultado fatal está na faixa de 20 a 25%. Se esse indicador se tornar ainda mais baixo, a ameaça à vida do paciente aumentará à medida que a FE diminuir.

    Não é possível se livrar completamente da patologia; portanto, os pacientes com esse diagnóstico devem ser constantemente submetidos a terapia corretiva, o que lhes permitirá manter a atividade vital por muitos anos. A fração de ejeção fornece informações sobre a saúde do ventrículo esquerdo. Em homens e mulheres, a norma é a mesma (55-70%), mas em crianças a taxa pode chegar a 70-80%, o que não é considerado uma patologia.

    Detonic - um medicamento único que ajuda a combater a hipertensão em todas as fases do seu desenvolvimento.

    Detonic para normalização da pressão

    O efeito complexo dos componentes vegetais da droga Detonic nas paredes dos vasos sanguíneos e no sistema nervoso autônomo contribuem para uma rápida diminuição da pressão arterial. Além disso, este medicamento evita o desenvolvimento da aterosclerose, graças aos componentes únicos envolvidos na síntese da lecitina, um aminoácido que regula o metabolismo do colesterol e impede a formação de placas ateroscleróticas.

    Detonic síndrome não viciante e de abstinência, uma vez que todos os componentes do produto são naturais.

    Informações detalhadas sobre Detonic está localizado na página do fabricante www.detonicnd.com.

  • Svetlana Borszavich

    Clínico geral, cardiologista, com trabalho ativo em terapia, gastroenterologia, cardiologia, reumatologia, imunologia com alergologia.
    Fluente em métodos clínicos gerais para o diagnóstico e tratamento de doenças cardíacas, bem como eletrocardiografia, ecocardiografia, monitoramento de cólera em um eletrocardiograma e monitoramento diário da pressão arterial.
    O complexo de tratamento desenvolvido pelo autor ajuda significativamente com lesões cerebrovasculares e distúrbios metabólicos no cérebro e doenças vasculares: hipertensão e complicações causadas pelo diabetes.
    O autor é membro da Sociedade Europeia de Terapeutas, participante regular de conferências e congressos científicos na área de cardiologia e medicina geral. Ela participou repetidamente de um programa de pesquisa em uma universidade particular no Japão no campo da medicina reconstrutiva.

    Detonic