Hipertrofia do ventrículo esquerdo do coração - causas, tratamento, sintomas no ECG

Problemas como: espessamento do músculo cardíaco podem causar problemas:

  1. Hipertensão - em 90% dos casos em pessoas que sofrem de hipertensão arterial.
  2. Cardiopatias congênitas e adquiridas.
  3. Atividade física excessiva.
  4. Diabetes.
  5. Excesso de peso.
  6. Estados instáveis ​​psicoemocionais - estresse, ansiedade, excitação, etc.
  7. Estilo de vida sedentário.
  8. Hereditariedade
  9. Maus hábitos - alcoolismo, tabagismo, dependência de drogas.

As paredes das câmaras ventriculares compostas por três camadas:

  1. O endocárdio é uma concha interna com uma superfície lisa que facilita o fluxo sanguíneo.
  2. O miocárdio é tecido muscular, a parte mais poderosa da parede.
  3. Epicárdio - a camada externa que protege o músculo.

Uma vez que a principal responsabilidade pelo bombeamento de sangue recai sobre o VE, a natureza forneceu uma certa margem de segurança. A câmara esquerda é maior que a direita (o tamanho do VE é um terço do volume total das cavidades cardíacas), seu tecido muscular é visivelmente mais poderoso. A espessura média do miocárdio em diferentes partes do VE varia de 9 a 14 mm.

Se os músculos da câmara sofrem uma carga aumentada (pressão aumentada ou uma quantidade significativa de sangue), o órgão é forçado a se adaptar a essas condições. A resposta compensatória do VE é a proliferação de cardiomiócitos (células musculares cardíacas). As paredes do VE são compactadas e perdem gradualmente a elasticidade.

O estresse excessivo no VE é baseado em doenças cardíacas congênitas ou adquiridas.

As anomalias hereditárias incluem:

  • Defeitos genéticos. Eles surgem como resultado de uma mutação de um dos genes responsáveis ​​pela síntese de proteínas do coração. No total, foram encontradas cerca de 70 alterações persistentes nesses genes que causam o crescimento do miocárdio do VE.
  • Malformações congênitas: diminuição do diâmetro aórtico (coarctação), comunicação interventricular, infecção ou ausência da artéria pulmonar. É com defeitos hereditários do músculo cardíaco que a hipertrofia do ventrículo esquerdo em crianças está associada. Aqui a principal forma de terapia é a cirurgia.
  • Estreitamento congênito da válvula aórtica (saída do VE, através da qual o sangue é ejetado na artéria). Normalmente, a área da válvula é de 3-4 metros quadrados. cm, com estenose, estreita-se para 1 quadrado. cm
  • Insuficiência mitral. Um defeito no retalho causa refluxo para o átrio. Cada vez que durante a fase de relaxamento, o ventrículo está cheio de sangue (sobrecarga de volume).

A hipertrofia miocárdica do ventrículo esquerdo adquirida pode se desenvolver sob a influência de certas doenças e fatores:

  • Hipertensão arterial. Ele ocupa o primeiro lugar entre as patologias que causam compactação do miocárdio (90% dos casos). O tecido muscular cresce devido ao fato de o corpo estar constantemente trabalhando sob sobrecarga de pressão;
  • Aterosclerose da aorta. Nas paredes da aorta e em sua válvula, são depositadas placas de colesterol, que são posteriormente calcificadas. As paredes da artéria principal perdem sua elasticidade, o que interfere no fluxo livre de sangue. O tecido muscular do VE, experimentando um aumento da tensão, começa a aumentar seu volume;
  • Doença cardíaca coronária;
  • Diabetes;
  • Comer demais, peso pesado, obesidade;
  • Estresse prolongado;
  • Alcoolismo, tabagismo;
  • adinamia;
  • Insônia, instabilidade emocional;
  • Trabalho físico duro.

A hipertrofia ventricular esquerda (GVL) é um espessamento do músculo cardíaco superior à norma estabelecida. Mas o que há de errado nisso, você pergunta? A hipertrofia pode ser boa para os músculos do corpo, mas ruim para o coração. Com o tempo, ele engrossa, o resultado pode ocorrer - insuficiência cardíaca.

É por isso que os médicos estão tentando detectar a doença a tempo e eliminá-la.

A hipertrofia ventricular esquerda não é uma doença, mas uma síndrome como resultado da qual podem ocorrer doenças cardíacas. Esta é uma condição perigosa, porque no início é assintomática.

O problema pode ser observado tanto em idosos quanto em pessoas jovens e ativas. A HVE progride se não for tratada.

Isso é perigoso, com consequências como angina de peito, insuficiência cardíaca, convulsão, parada cardíaca súbita.

Entre as causas da hipertrofia ventricular esquerda, destacam-se: hipertensão estável, defeitos cardíacos, predisposição genética, diabetes, distrofia muscular. Também fatores favoráveis ​​ao desenvolvimento da doença são:

  • Estilo de vida sedentário;
  • Beber e fumar;
  • Obesidade;
  • Atividade física estressante;
  • Instabilidade psicológica, estresse.

Para uma pessoa que leva um estilo de vida sedentário, uma atividade física intensa e intensa pode ser um perigo particular.

Gostaria de destacar as causas fisiológicas da cardiomiopatia em pessoas que levam um estilo de vida ativo, envolvido em trabalho físico, atletas. O esforço físico prolongado e excessivo, o treinamento intenso sem o controle adequado do coração apresentam riscos à saúde e podem levar à hipertrofia ventricular assintomática e, em alguns casos, a um ataque cardíaco.

Causas e fatores de risco

Indique sua pressão

  • hereditariedade;
  • maus hábitos;
  • atividade física prolongada.

A compactação da parede ocorre com a exposição prolongada a fatores negativos, como estresse, distúrbios do sono e insônia, tabagismo e abuso de álcool e overdose de bebidas energéticas e cafeína. Observa-se hipertrofia miocárdica do ventrículo esquerdo concêntrica em pacientes hipertensos e portadores de taquicardia, pois o aumento da pulsação sanguínea é uma das principais causas de espessamento das paredes cardíacas. Em risco:

  • pessoas com sobrepeso;
  • diabéticos;
  • pacientes com síndrome de Fabry.

Essas razões determinam o desenvolvimento de hipertrofia adquirida do ventrículo esquerdo do coração. Além disso, existem várias anomalias, congênitas e herdadas, devido às quais há um aumento na camada muscular no ventrículo esquerdo:

  • mutações nos genes responsáveis ​​pela síntese de proteínas do coração;
  • diâmetro aórtico reduzido;
  • infecção ou ausência da artéria pulmonar;
  • defeito do septo interventricular;
  • estenose congênita da valva aórtica;
  • insuficiência mitral.

Medidas de apoio ao tratamento da doença

O problema da hipertrofia é que ela não apresenta sintomas. Os médicos podem suspeitar de uma doença pelas seguintes manifestações:

  • sensação de asfixia;
  • desmaio;
  • tontura;
  • insônia;
  • síndrome do coração trêmulo;
  • dor no lado esquerdo do peito - beliscando, apertando, apertando, etc .;
  • fadiga com esforço físico ativo prévio;
  • quedas de pressão;
  • enxaqueca;
  • acúmulo de líquido nas extremidades inferiores (inchaço);
  • dispnéia.

Sinais indiretos de HVE do coração são os indicadores visíveis nos métodos instrumentais de pesquisa com ECG. Estes incluem: violação da condução intraventricular, fase de repolarização, diminuição da amplitude da onda T.

A hipertrofia do ventrículo esquerdo geralmente se desenvolve sem sintomas, principalmente nos estágios iniciais da doença, quando a compactação das paredes não perturba a circulação sanguínea. A doença pode não apresentar sinais por vários anos e ser detectada apenas durante um exame médico de rotina durante um eletrocardiograma; esse é o seu perigo.

  • Dor no peito;
  • Tonturas;
  • Desmaio com o coração afundando instantaneamente;
  • Distúrbios do ritmo cardíaco;
  • Fibrilação atrial;
  • Fadiga, fraqueza;
  • Pressão arterial irregular;
  • Distúrbios do sono;
  • Falta de ar durante o exercício, bem como em repouso.

Com qualquer um desses sintomas, você precisa entrar em contato com um cardiologista o mais rápido possível e realizar um exame. Além disso, deve-se lembrar que a própria cardiomiopatia é um dos possíveis sintomas de doenças como doenças cardíacas, insuficiência cardíaca, edema pulmonar, ataque cardíaco e outros. A procrastinação com ajuda médica nesse caso pode resultar em complicações graves e levar à morte.

Importante no tratamento da doença é uma mudança no estilo de vida do paciente, recusa em usar álcool, tabagismo, pois isso reduz o fluxo de oxigênio no corpo. Recomenda-se exercício moderado - caminhadas, natação, aeróbica, corrida. Para os atletas, é necessária uma diminuição gradual na intensidade do treinamento.

Nos últimos anos, a hipertrofia ventricular esquerda é diagnosticada em pessoas muito jovens. Sem tratamento e controle médico, a doença necessariamente progride. Portanto, é necessário ser observado regularmente por um cardiologista, seguir todas as recomendações dos médicos, tomar medicamentos prescritos e levar um estilo de vida saudável.

A patologia cardíaca há muito tempo não se manifesta. Mas com o tempo, o aumento da massa muscular começa a afetar a circulação sistêmica. Os primeiros sinais de mal-estar aparecem. Eles geralmente estão associados a um grande esforço físico. Com o desenvolvimento da doença, as manifestações preocupam o paciente em repouso.

Sintomas de hipertrofia ventricular esquerda:

  • Falta de ar, interrupções no coração, falta de ar.
  • Tontura, desmaio.
  • Dor anginosa (compressiva, prensadora) atrás do esterno.
  • Balanços INFERNO.
  • Pressão alta que não responde bem a medidas terapêuticas.
  • Inchaço dos membros e face à noite.
  • Ataques de asfixia, uma tosse irracional em posição de bruços.
  • Cianose das unhas, triângulo nasolabial.
  • Sonolência, dores de cabeça de natureza obscura, fraqueza.

Percebendo esses sinais em si mesmo, você deve se apressar ao cardiologista.

Um dos primeiros sintomas de uma doença é dor no coração. Sinais concomitantes de hipertrofia do miocárdio são arritmia e hipertensão. Juntos, eles dão a oportunidade de consultar um médico e passar por um teste cardíaco. Sintomas adicionais para HVE:

  • distúrbios de sono;
  • dor de cabeça;
  • Síndrome de "perda de força".

Pacientes com quedas de pressão podem sofrer desmaios a curto prazo. Sinais de hipertrofia ventricular esquerda do coração podem não aparecer por muito tempo em sintomas vívidos, quando o desvio se desenvolve lentamente. Mas eles podem sentir-se imediatamente com o rápido progresso da doença, especialmente em combinação com outras doenças cardíacas. Quando o ventrículo é hipertrofiado, é observado o "desbotamento" do coração. Posteriormente, taquicardia pode se desenvolver devido a eles.

Diagnóstico

Antes de diagnosticar “HVE do coração”, um cardiologista na consulta inicial deve:

  1. Entreviste o paciente - descubra quais reclamações ele tem, o que ele faz, se ele leva um estilo de vida ativo, se há maus hábitos etc.
  2. Realize um exame usando palpação, estabeleça as bordas do coração, seu deslocamento, descubra a largura do feixe vascular, etc.
  3. Ouça o paciente, identifique distúrbios respiratórios, amplificação ou tons abafados do "motor".

Um eletrocardiograma é um dos métodos de diagnóstico mais comuns. Um eletrocardiograma determina a espessura do miocárdio, bem como os sinais pronunciados: débito cardíaco, gradiente de pressão, etc. No entanto, a HVE do coração em um eletrocardiograma não oferece uma garantia% ao fazer um diagnóstico, porque sintomas gerais também podem ser característicos de uma pessoa saudável.

Análise mais extensa e profunda do músculo cardíaco. Com sua ajuda, é possível determinar a espessura do miocárdio e seu septo, quais áreas são observadas com contratilidade reduzida, o estado geral do músculo cardíaco.

É a ecocardiografia com efeito Doppler, graças à qual é possível determinar a velocidade e a direção do sangue através dos vasos. Com sua ajuda, um especialista pode ver a forma e o tamanho das cavidades cardíacas, o trabalho das válvulas cardíacas, avaliar a contratilidade do miocárdio.

Este é um método de pesquisa preciso, graças ao qual um especialista tem a oportunidade de obter imagens de alta resolução, avaliar a contratilidade miocárdica e fazer um diagnóstico final. Usando a ressonância magnética, o médico pode realizar um monitoramento dinâmico da saúde do paciente durante o tratamento medicamentoso ou analisar os resultados da cirurgia.

Para avaliar o trabalho do miocárdio, um especialista pode prescrever amostras ao paciente com uma mudança de posição corporal, pressão atmosférica, temperatura ambiente e outras.

Dependendo da condição do paciente, os métodos de diagnóstico podem ser complementados por coronarografia, fluorografia, etc.

Na primeira consulta, o médico coleta uma anamnese (queixas do paciente, informações sobre doenças familiares). Se a família tinha doenças endócrinas, hipertensão, cardiopatias, a hipertrofia das paredes do ventrículo esquerdo se torna mais do que provável.

Para esclarecer o diagnóstico, são prescritos os seguintes procedimentos:

  • Radiografia de tórax. No raio-x, sombras ampliadas do coração e sombras da aorta serão visíveis;
  • Eletrocardiograma;
  • Monitoramento diário de ECG
  • Ecocardiografia;
  • Ecocardiografia sob estresse (ultrassonografia do coração antes e após o exercício);
  • Teste Doppler (verificação do fluxo sanguíneo cardíaco também com carga);
  • Exame de sangue de laboratório;
  • Exame de sangue para hormônios;
  • Análise de urina.

Ao identificar o grau da doença, o médico prescreverá angiografia coronariana (um estudo de raios-X com a introdução de fluido de contraste na corrente sanguínea cardíaca). Portanto, determine o quão livre é o lúmen das artérias coronárias.

A RM cardíaca é realizada para visualizar com precisão as patologias intracardíacas.

Tratamento eficaz

Como a hipertrofia ventricular esquerda leve e moderada é principalmente assintomática, ela só pode ser detectada em exames clínicos. Para isso, realize os seguintes diagnósticos: ECG, ressonância magnética, ultrassom do coração, ecocardiograma Doppler, um índice é calculado para determinar o grau de hipertrofia.

Para realizar um tratamento qualificado, é importante não apenas diagnosticar a doença, mas também determinar sua natureza e características do curso. Com base nos dados da pesquisa, é escolhido o método mais favorável para o tratamento da hipertrofia ventricular esquerda, com o objetivo de normalizar a função miocárdica e realizado por um método médico ou cirúrgico.

O tratamento cirúrgico é indicado se a causa da cardiomiopatia for uma doença cardíaca congênita em crianças, esse método produz um bom efeito. O tratamento cirúrgico também é prescrito para curso grave da doença, estreitamento do ducto aórtico. Durante a operação, parte do músculo hipertrofiado é removido. Após a intervenção, é realizada terapia sintomática.

A hipertrofia excêntrica, obstrutiva e concêntrica do ventrículo esquerdo se presta mal aos efeitos terapêuticos. Mas as modernas tecnologias médicas podem estabilizar significativamente a condição do paciente. As táticas de tratamento são principalmente complexas.

Para restaurar o ritmo natural do músculo cardíaco, são prescritos betabloqueadores (Propranolol, Anaprilin, Metapropol, Atenolol).

Os bloqueadores dos canais de cálcio (Verapamil, Procardia) corrigem o suprimento sanguíneo para o coração e os sistemas centrais do corpo, tendo um efeito vasodilatador.

Inibidores da ECA - Kapoten, Zestril, Enalapril. Reduza a pressão sanguínea.

Os anticoagulantes (derivados da varfarina, indandion) impedem o aparecimento de coágulos sanguíneos no ventrículo.

Sartans (Lorista, Valsartan) são medicamentos de primeira linha no tratamento da hipertensão e na prevenção de derrames cerebrais.

Se a terapia medicamentosa for ineficaz, serão utilizados métodos cirúrgicos. As seguintes intervenções cirúrgicas são mostradas:

  • Operação Morrow - remoção miocárdica fragmentada na área do septo interventricular;
  • Substituição da válvula mitral;
  • Substituição ou transplante da válvula aórtica;
  • Comissurotomia - separação de aderências na boca da artéria principal, fundida como resultado de estenose (estreitamento);
  • Stent coronário (inserção de um expansor de implante no lúmen de uma artéria).

Nos casos em que o tratamento da hipertrofia ventricular esquerda não produz os resultados esperados, um desfibrilador cardioversor ou marca-passo é suturado. Os dispositivos foram projetados para restaurar o ritmo cardíaco correto.

Talvez você queira saber sobre o novo medicamento - Cardiol, que normaliza perfeitamente a pressão sanguínea. Cardiol cápsulas são uma excelente ferramenta para a prevenção de muitas doenças cardíacas, porque contêm componentes únicos. Este medicamento é superior em suas propriedades terapêuticas a esses medicamentos: Cardiline, Recardio, Detonic. Se você quiser saber informações detalhadas sobre Cardiol, Vá para o site do fabricante. Aqui você encontrará respostas para perguntas relacionadas ao uso deste medicamento, avaliações de clientes e médicos. Você também pode descobrir o Cardiol cápsulas no seu país e as condições de entrega. Algumas pessoas conseguem obter um desconto de 50% na compra deste medicamento (como fazer isso e comprar pílulas para o tratamento da hipertensão por 39 euros, está disponível no site oficial do fabricante).Cardiol cápsulas para o coração

etnociência

Se o cardiologista aprovou, você pode usar as seguintes ferramentas:

  • Infusões de flores de centáurea, lírio do vale, espinheiro;
  • Infusão de Hypericum com mel;
  • Uma mistura de alho e mel em partes iguais;
  • Decocção mista de alecrim, erva-mãe e tosse;
  • Uma decocção de talos de salsa em vinho tinto.

Um bom efeito é proporcionado pelo uso prolongado de leite assado com geléia de morango, cranberries ralados com açúcar, frutas secas, passas, damascos secos.

A terapia com HVE se resume a três pontos:

  1. Eliminação dos sintomas do problema.
  2. Melhorando o estado de saúde.
  3. Prevenção de recaídas, progressão da doença.

Como na maioria dos casos, a HVE é o resultado da hipertensão arterial e, sob a supervisão de um médico, esses medicamentos são prescritos ao paciente que pode normalizar sua condição:

  • Inibidores da ECA - comprimidos “Lisinopril”, “Quadripril” e outros. Esses medicamentos aumentam a pressão e, se você tomá-los por um longo período de tempo (pelo menos seis meses), pode atingir a normalização da espessura da parede do miocárdio.
  • Betabloqueadores - Metoprolol, Bisoprolol medicamentos. Essas pílulas reduzem a carga no coração, reduzem a freqüência cardíaca.
  • Meios baseados em nitroglicerina. Eles são capazes de expandir os vasos do miocárdio, reduzindo assim a carga no músculo.

Se a causa do espessamento da parede for um defeito cardíaco, livre-se da patologia por cirurgia. Além disso, pode assumir a forma de:

  1. Stent aórtico.
  2. Protéticos (transplante de coração).
  3. Extração da parte do músculo que bloqueia o acesso do sangue à aorta.

Os métodos caseiros lidam apenas com a HVE, causada pela hipertensão. Você deve recorrer à ajuda de meios não tradicionais depois de obter a aprovação de um médico.

Entre os métodos populares, pode-se distinguir essas receitas:

  • Medicamento Hypericum - por 100 g de grama seca 2 l de água. Ferva as matérias-primas, ferva por 10 minutos. Insista, adicione mel (200 g). Tome 2 colheres de sopa por dia durante um mês. St. Erva de John acalma, limpa os vasos sanguíneos, evita arritmia.
  • Mingau de amora. Moer frutas frescas com mel ou açúcar. Tome 1 colher de sopa. l depois da refeição. Cranberries melhora o fluxo sanguíneo, restaura a elasticidade vascular, reduz a pressão sanguínea e tem um efeito geral de fortalecimento. É aconselhável fazer mingau diariamente para tomar o medicamento fresco.
  • Produto à base de alho. Moer os dentes descascados no alho. Adicione mel (proporção de 1: 1). Coloque para insistir em um local escuro por 5-7 dias, agitando periodicamente o conteúdo do frasco. Use uma colher de sopa três vezes ao dia. A ingestão regular de alho limpa e fortalece os vasos sanguíneos, ajuda a eliminar arritmias, é útil para hipertensão, insuficiência cardíaca.
  • Decocção de brotos de mirtilo. Misture 10 g de matéria-prima com 250 ml de água. Ferva por 10 minutos, fresco, coe. Tome uma colher de sopa antes de cada refeição.

É impossível se livrar completamente da hipertrofia. Mas, tomando medicação, você pode remover os sintomas da HVE e minimizar os riscos de complicações. De preferência, o distúrbio é tratado com medicação e sob a supervisão de um médico. Em casa, receitas folclóricas e homeopatia são adequadas para manter o corpo. Uma dieta de cura pode ajudar a fortalecer o miocárdio.

Características dos alimentos

Para fortalecer as paredes do ventrículo, bem como restaurar o funcionamento do miocárdio, é muito importante seguir uma dieta:

  • Reduza a ingestão de sal. Aumenta a pressão e isso pode causar derrames e isquemia.
  • Tome frutos do mar diariamente - lulas, camarões, mexilhões, ostras, peixes. Eles melhoram a condição dos vasos sanguíneos, reduzem a probabilidade de um ataque cardíaco.
  • Coma legumes frescos, frutas e frutas secas regularmente. Bananas, damascos secos, tâmaras, figos, maçãs, ameixas, romãs - todos esses produtos tornam os vasos elásticos, aliviam cãibras com hipertensão arterial e removem o colesterol prejudicial.
  • Exclua carnes defumadas, alimentos gordurosos da dieta - aumenta o risco de doença cardíaca devido a gorduras trans.

Os pacientes precisam comer fracionadamente, pouco a pouco, consumir suco de cenoura, dar preferência ao purê de cereais. Excluir especiarias e temperos da dieta.

Em conclusão

Cada vez mais, a hipertrofia do VE é encontrada em pessoas com menos de 35 anos de idade. Na esperança das capacidades compensatórias do corpo jovem, os pacientes evitam ir à clínica.

Mas as patologias cardíacas são perigosas porque, sem tratamento e controle médicos, estão progredindo constantemente.

Somente em 5-10% dos pacientes, a cardiomiopatia se desenvolve de volta. O restante se enquadra no grupo de alto risco. Somente o tratamento persistente e a implementação das recomendações de um cardiologista permitirão que uma pessoa não mude o ritmo usual da vida.

Estatísticas

  • A HVE cardíaca é freqüentemente registrada em pacientes com idades entre 20 e 40 anos.
  • As mulheres sofrem de HVE com menos frequência do que os homens.
  • O espessamento do ventrículo esquerdo com o tempo e na ausência de tratamento leva a um aumento no átrio direito.
  • Um resultado fatal dessa doença ocorre em 2 a 8% dos casos.
  • No estágio inicial da hipertrofia, o paciente tem um prognóstico favorável para a recuperação.
  • É importante que os pacientes descanse pelo menos 7 horas por dia, abandone os produtos que levam à intoxicação, escória, monitore constantemente a pressão arterial e reduza a atividade física.

A HVE cardíaca é uma patologia perigosa, porque, a princípio, pode não se manifestar de maneira alguma e apenas em um eletrocardiograma, ultrassom e ressonância magnética, um cardiologista verá mudanças no trabalho do músculo cardíaco. Se o médico encontrar HVE, ele definitivamente começará a tratar o paciente: medicamente ou cirurgicamente. Dependendo da causa da patologia e sua gravidade. Com o contato oportuno com um cardiologista, o prognóstico é favorável.

Hipertrofia ventricular esquerda - o que isso significa?

Para entender a essência do problema e as causas de sua ocorrência, primeiro nos voltamos para a anatomia e fisiologia. O ventrículo esquerdo é uma das quatro câmaras cardíacas das quais se origina um grande círculo de circulação sanguínea. Devido às contrações do ventrículo esquerdo, a maior parte do sangue é bombeada para o cérebro, outros órgãos, membros e nutrindo o próprio coração. A maior responsabilidade e carga são atribuídas a esta câmera, portanto ela começa a sofrer primeiro em caso de várias avarias.

A hipertrofia é um espessamento das paredes do coração em resposta a um aumento da carga no miocárdio sob a influência de vários fatores, e na região do ventrículo esquerdo esse fenômeno é observado na maioria dos casos. Adaptando-se a condições novas e complicadas, as células musculares cardíacas (cardiomiócitos) começam a crescer, enquanto as paredes do ventrículo esquerdo se tornam mais densas, perdem sua elasticidade e se tornam mais espessas.

O espaço interno da câmara permanece inalterado, mas o septo entre os ventrículos direito e esquerdo também pode se expandir (uniforme ou desigualmente), o que pode causar uma violação das válvulas mitral e aórtica. Devido a processos patológicos, os vasos que fornecem o miocárdio são comprimidos, o que, nas condições atuais, necessita de um suprimento maior de oxigênio e nutrientes.

Qual é o perigo de hipertrofia do ventrículo esquerdo do coração?

Quando a hipertrofia do ventrículo esquerdo do coração se desenvolve, a nutrição do órgão é perturbada e são formadas zonas de hiperatividade anormal e condução de bypass. Como resultado, observa-se arritmia e, devido ao aumento do volume do músculo cardíaco e à diminuição do fluxo sanguíneo nos vasos, ocorrem isquemia e necrose tecidual. Além disso, se, por outras razões, a deficiência de oxigênio for sentida, a situação será exacerbada.

A hipertrofia do ventrículo esquerdo do coração pode ter consequências críticas quando há uma carga intensa e intensa no miocárdio, especialmente para pessoas inativas e para quem fuma, bebe álcool. O risco de doença cardíaca coronariana, infarto do miocárdio, insuficiência cardíaca congestiva, acidente vascular cerebral, parada cardíaca súbita é alto.

Hipertrofia ventricular esquerda - sintomas

Durante muito tempo, a hipertrofia miocárdica do ventrículo esquerdo não pode ser sentida, uma vez que o músculo pode compensar o defeito no período inicial de crescimento dos cardiomiócitos, quando a circulação sanguínea ainda não é perturbada. Sinais alarmantes que não podem ser ignorados e que podem ser os primeiros sintomas do espessamento do tecido cardíaco:

  • insuficiência respiratória, falta de ar;
  • fadiga no contexto de atividade física anterior;
  • dores de ocorrência periódica na região do coração, principalmente após esforço físico (compressivo, prensado, ardente);
  • tonturas frequentes;
  • o aparecimento de desmaios;
  • sensação de um coração afundando;
  • picos de pressão arterial;
  • inchaço das pernas.

Um dos primeiros estudos aos quais os pacientes com suspeita de hipertrofia são referidos é a eletrocardiografia cardíaca. Este procedimento ajuda a estabelecer a causa do desvio, a identificar o risco de insuficiência cardíaca. Nos pacientes examinados com um diagnóstico preliminar de hipertrofia do ventrículo esquerdo, o ritmo sinusal do coração é prejudicado e, para verificar isso, recomenda-se adicionalmente a realização de monitoração diária do ECG. Ao decodificar um cardiograma, entre os sinais que indicam um provável espessamento das paredes do ventrículo esquerdo, existem:

  • desvio do lado esquerdo do eixo elétrico do coração;
  • aumento da amplitude e duração do complexo QRS
  • mudando a forma e a direção do segmento ST e da onda T e outros.

O diagnóstico não pode se basear apenas nos índices de ECG; portanto, o ecocardiograma é obrigatório para detectar a presença de hipertrofia, seu grau e efeito no fluxo sanguíneo. Com patologia, os seguintes sintomas são observados:

  • espessamento da parede do coração - para mulheres com mais de 1 cm, para homens - com mais de 1,1 cm;
  • o índice de espessura da parede relativa é superior a 0,42;
  • a razão entre massa miocárdica e massa corporal - para homens acima de 125 g / cm2, para mulheres - acima de 95 g / cm2.

O ventrículo esquerdo do coração tem a maior carga, pois precisa empurrar o sangue com tanta força que atinge todos os tecidos periféricos. Isso está associado a um desenvolvimento mais frequente de lesões hipertróficas da parede muscular do coração.

A hipertrofia na norma só pode ocorrer em pessoas que praticam atividade física sistemática, o chamado coração do atleta. Em outros casos, um espessamento do miocárdio indica a presença de alterações patológicas no corpo humano.

Hipertrofia ventricular esquerda

A hipertrofia ventricular esquerda (HVE) é uma das patologias cardíacas comuns. Pacientes com hipertensão correm maior risco de desenvolver a doença. A doença é caracterizada por um espessamento do músculo cardíaco no ventrículo à esquerda.

No estágio inicial, a doença não se manifesta, mas no futuro os sintomas de insuficiência cardíaca crônica se desenvolvem. Dependendo da etiologia, os seguintes tipos de hipertrofia são distinguidos:

  • Secundário Surge como resultado de várias doenças - hipertensão arterial, cardiopatias e outras.
  • Primário /> Tipos de hipertrofia

A base do mecanismo de desenvolvimento da doença é o aumento da carga na parede muscular - devido ao aumento da pressão, presença de um obstáculo à expulsão do sangue, aumento da função miocárdica e outras razões. O coração é um órgão muscular.

E, como qualquer músculo, responde à carga com um aumento no seu volume.

Mas se para os músculos esqueléticos isso é aceitável e até bom, para o coração na maioria dos casos, um aumento na espessura da parede é uma patologia, levando a vários distúrbios.

Nos estágios iniciais, quando a carga é moderada, a hipertrofia é insignificante e os pacientes não sentem alterações em sua condição. Isso dura até que haja um colapso dos mecanismos compensatórios.

Devido ao fato de a parede aumentar, a cavidade do ventrículo diminui e não há lugar para o sangue acumular durante o período de relaxamento. E como o sangue pressiona o coração por dentro, a estrutura do órgão começa a mudar.

E quanto menor o volume da câmara, mais a configuração do coração começa a mudar.

O próximo estágio após o espessamento do músculo cardíaco é a extensão da cavidade ventricular e a formação de hipertrofia concêntrica. Para acomodar um volume suficiente, a câmara cardíaca estende sua estrutura na forma de um cone e, assim, aumenta a capacidade sanguínea.

Mas, nesta fase, as mudanças não param por aí. Sem tratamento da patologia que provoca a carga, as fibras musculares começam a se esticar não apenas em comprimento, mas também em largura. E o último passo é o desenvolvimento da hipertrofia excêntrica.

O coração tem a forma de uma bolsa, suas câmaras são esticadas e têm uma fina parede muscular. Esse órgão não pode mais cumprir sua função, e essa condição é perigosa porque a insuficiência cardíaca congestiva se desenvolve.

Como resultado, os pacientes são diagnosticados com deficiências.

a) a norma; b) hipertrofia concêntrica; c) excêntrico

As causas que levam ao aumento da carga no coração podem ser divididas em dois grandes grupos - adquiridos e congênitos.

Por congênita incluem condições como:

  • Coarctação da aorta - estreitamento da aorta em qualquer área.
  • Estenose congênita da válvula aórtica.
  • A presença de apenas um ventrículo.

Existem muitas causas adquiridas, mas as mais comuns são as seguintes:

  • Hipertensão arterial. O aumento da pressão cria uma carga excessiva no miocárdio.
  • Estenose da válvula aórtica. Devido a lesões ateroscleróticas, as válvulas aórticas engrossam, aumentam de volume e perdem sua elasticidade. Como resultado, eles não podem abrir normalmente durante a sístole e criar um obstáculo ao fluxo de sangue. O coração precisa exercer mais força para empurrar o sangue através da abertura estreita.
  • Insuficiência valvar aórtica. Este é o estado reverso da estenose. Após a sístole, as válvulas da válvula aórtica devem fechar, para que o sangue não flua por gravidade de volta ao ventrículo. Porém, em caso de insuficiência, as válvulas não cobrem todo o lúmen da aorta e o sangue retorna à câmara esquerda. Devido ao excesso de sangue, o miocárdio precisa aumentar a força na próxima sístole (contração) para aumentar um volume maior.

Além disso, essas patologias podem levar à hipertrofia do miocárdio do ventrículo esquerdo:

  • isquemia cardíaca;
  • arritmias;
  • obesidade;
  • diabetes;
  • maus hábitos.

O principal sintoma é o fato de haver um espessamento da parede do miocárdio, na maioria das vezes é detectado por ultrassom e exame eletrocardiográfico. Normalmente, a hipertrofia afeta as paredes não apenas do ventrículo, mas também do septo interventricular. Tudo isso leva à expansão das fronteiras do coração para a esquerda. Isso é facilmente determinado durante a percussão (toque) e ausculta (audição).

Muitas vezes, por um longo tempo, a doença não apresenta nenhum sintoma e é detectada por acaso durante exames preventivos na eletrocardiografia.

Há situações em que os pacientes que já estão em estágio inicial começam a apresentar queixas específicas e chegam ao consultório médico. Os sinais mais comuns da doença são:

  • Palpitações.
  • O aparecimento de dor no peito.
  • Pressão no peito.
  • O aparecimento de edema.
  • A ocorrência de falta de ar.
  • O aparecimento de interrupções no trabalho do coração.

Além do exposto, existem sintomas que ocorrem com outras doenças, mas em combinação com as principais podem indicar a presença de um espessamento do miocárdio. Esses sintomas indiretos incluem:

  • Um aumento prolongado e persistente da pressão arterial.
  • Dor de cabeça.
  • Perturbação do sono.
  • Fraqueza geral e mal-estar.
  • Dor no coração.

No caso de insuficiência cardíaca congestiva, os seguintes sintomas aparecem:

  • Falta de ar grave.
  • Inchaço das extremidades, que se intensificam à noite.
  • O edema pulmonar se desenvolve, o que aumenta ainda mais a insuficiência respiratória.
  • Dor na área do coração se intensifica.
  • A acrocianose é observada - a ponta do nariz, as unhas, os dedos adquirem uma tonalidade azulada.

As crianças geralmente desenvolvem hipertrofia idiopática do ventrículo esquerdo, associada a mutações genéticas. Em uma criança, a parede do miocárdio começa a aumentar de maneira difusa, e esse processo só pode ser interrompido com a ajuda de operações cirúrgicas.

É impossível curar completamente a hipertrofia ventricular esquerda. Os métodos modernos de terapia só podem parar a progressão da doença e reduzir os sintomas.

Dependendo da causa da doença, os métodos de tratamento serão diferentes. Se houver defeitos congênitos ou adquiridos do aparelho valvar ou do coração, a cirurgia é realizada:

  • válvulas aórticas protéticas;
  • fechamento de defeitos do septo interventricular ou interatrial;
  • com cardiomiopatia hipertrófica idiopática - excisão de tecidos hipertróficos e envolvimento do coração com uma malha especial que impede o crescimento adicional do tecido muscular do coração.

Os tratamentos medicamentosos são utilizados para várias doenças adquiridas. Por exemplo, com doença arterial coronariana e hipertensão, uma vez que essas patologias são quase sempre combinadas entre si e geralmente levam à hipertrofia ventricular esquerda. Para tratar essas doenças, a fim de reduzir a carga no coração, vários medicamentos são prescritos:

  • Betabloqueadores - reduzem significativamente a pressão sanguínea e reduzem a pureza das contrações cardíacas. Eles prolongam a diástole (relaxamento do coração) e, assim, reduzem a carga no coração.
  • Inibidores da enzima de conversão da angiotensina. Utilizados para hipertensão arterial, a fim de reduzir a pressão, eles também estão incluídos no tratamento complexo da insuficiência cardíaca congestiva.
  • Drogas antiarrítmicas podem tratar distúrbios no sistema condutor. Use meios como Cordaron, Arrhythmil, etc.
  • Os bloqueadores dos canais de cálcio reduzem a pressão sanguínea, dilatam os vasos sanguíneos e reduzem a pós-carga no músculo cardíaco.
  • Os diuréticos são utilizados para hipertensão arterial e insuficiência cardíaca, pois reduzem pós e pré-carga no coração. Isso acontece devido ao fato de eles removerem o excesso de líquido do corpo e reduzirem o volume de sangue circulante.

Hipertrofia ventricular esquerda do coração - o que fazer?

Se for detectada hipertrofia do ventrículo esquerdo do coração, o tratamento deve ser prescrito de acordo com a causa que provocou essa violação. O principal objetivo do tratamento é a normalização da função miocárdica e a prevenção de complicações, alcançadas principalmente por métodos médicos ou cirúrgicos. Além disso, o tratamento complexo inclui:

  • normalização do estilo de vida, descanso e sono;
  • rejeição de maus hábitos;
  • adesão a uma dieta racional;
  • controle de peso corporal;
  • dosagem de atividade física;
  • correção de desequilíbrio hormonal;
  • eliminação de situações estressantes.

Os pacientes que receberam um diagnóstico decepcionante ficam alarmados se a hipertrofia ventricular esquerda estiver sendo tratada e se a cura completa é possível. É impossível reduzir a espessura do miocárdio e restaurar completamente seu funcionamento usando os métodos atualmente existentes; no entanto, com o tratamento oportuno iniciado, bons resultados são alcançados e os pacientes podem viver uma vida inteira por muitos anos.

Listamos quais medicamentos para hipertrofia do ventrículo esquerdo do coração são prescritos na maioria dos casos:

  1. Bloqueadores dos canais de cálcio (Verapamil, Diltiazem, Procardia, Cardizem) - reduzem a contratilidade do miocárdio, relaxam o tecido das paredes dos vasos sanguíneos e reduzem a pressão sanguínea.
  2. Betabloqueadores (Concor, Bisoprolol, Carvedilol, Betalok) - reduzem a frequência cardíaca, diminuem a pressão sanguínea, previnem alguns efeitos nocivos dos hormônios do estresse.
  3. Medicamentos anti-hipertensivos, especialmente do grupo de inibidores da enzima de conversão da angiotensina (Ramipril, Enalapril, Captopril, Lisinopril) - para baixar a pressão sanguínea, reduzir a carga no miocárdio e melhorar o fluxo sanguíneo.
  4. Medicamentos cardíacos metabólicos (Cardonate, Preductal, Inosine) - para melhorar a nutrição do músculo cardíaco, normalizar os processos metabólicos, aumentar a resistência do tecido à isquemia.
  5. Medicamentos antiarrítmicos (Disopiramida, Amiodarona, Quinidina) - na presença de complicações na forma de um distúrbio do ritmo cardíaco.
  6. Preparações de nitroglicerina - para a expansão de vasos coronários.

Dependendo da gravidade da condição do paciente, o tratamento pode ser realizado ambulatorialmente ou em ambiente hospitalar. Se a terapia medicamentosa não produz resultados positivos, eles recorrem ao tratamento cirúrgico, também indicado para defeitos cardíacos congênitos que causam hipertrofia do miocárdio. Assim, a cirurgia pode ser realizada no aparelho valvar, a eliminação da estenose, intervenções cirúrgicas antiarrítmicas.

Após receber as recomendações do médico sobre como tratar a hipertrofia ventricular esquerda do coração, com sua permissão, a terapia pode ser complementada com métodos alternativos, a maioria dos quais visa eliminar a hipertensão. Se a hipertrofia do ventrículo esquerdo do coração estiver associada à pressão alta, tomar uma decocção ajudará.

Quando um espessamento das paredes do ventrículo esquerdo do coração é fixo, é muito importante prestar atenção à nutrição. Porções deve ser pequeno, o número de refeições - 5-6 por dia. Você deve reduzir o uso de sal, produtos de farinha, doces, pratos gordurosos. É necessário abandonar completamente picles, alimentos defumados, frituras e pratos muito picantes. Legumes úteis, frutas, frutos do mar, laticínios. Além disso, um regime de consumo adequado deve ser observado.

Detonic - um medicamento único que ajuda a combater a hipertensão em todas as fases do seu desenvolvimento.

Detonic para normalização da pressão

O efeito complexo dos componentes vegetais da droga Detonic nas paredes dos vasos sanguíneos e no sistema nervoso autônomo contribuem para uma rápida diminuição da pressão arterial. Além disso, este medicamento evita o desenvolvimento da aterosclerose, graças aos componentes únicos envolvidos na síntese da lecitina, um aminoácido que regula o metabolismo do colesterol e impede a formação de placas ateroscleróticas.

Detonic síndrome não viciante e de abstinência, uma vez que todos os componentes do produto são naturais.

Informações detalhadas sobre Detonic está localizado na página do fabricante www.detonicnd.com.

Svetlana Borszavich

Clínico geral, cardiologista, com trabalho ativo em terapia, gastroenterologia, cardiologia, reumatologia, imunologia com alergologia.
Fluente em métodos clínicos gerais para o diagnóstico e tratamento de doenças cardíacas, bem como eletrocardiografia, ecocardiografia, monitoramento de cólera em um eletrocardiograma e monitoramento diário da pressão arterial.
O complexo de tratamento desenvolvido pelo autor ajuda significativamente com lesões cerebrovasculares e distúrbios metabólicos no cérebro e doenças vasculares: hipertensão e complicações causadas pelo diabetes.
O autor é membro da Sociedade Europeia de Terapeutas, participante regular de conferências e congressos científicos na área de cardiologia e medicina geral. Ela participou repetidamente de um programa de pesquisa em uma universidade particular no Japão no campo da medicina reconstrutiva.

Detonic