Compatibilidade sanguínea para concepção - uma tabela de compatibilidade de grupos sanguíneos e fatores Rh para

Cada grupo sanguíneo tem uma designação internacional. O primeiro é 0, o segundo é A, o terceiro é B, o quarto é AB. Este sistema de classificação é chamado AB0 e indica a presença de enzimas específicas no sangue. Eles não estão apenas no grupo 0 (primeiro).

Nesse caso, a criança pode herdar o grupo sanguíneo da mãe, do pai ou ter o seu próprio. Os indicadores de probabilidade podem ser calculados usando tabelas especiais. Por exemplo, uma mulher e um homem têm o primeiro grupo - a criança também receberá o primeiro. Se a mãe tiver o primeiro e o pai o segundo, o bebê poderá ter o primeiro e o segundo.

Quais tipos de sangue são considerados incompatíveis? Nenhuma das combinações impede a concepção e não afeta o chão das migalhas. No entanto, o conflito no sistema AB0 às vezes surge, mas se manifesta apenas na pequena icterícia do recém-nascido. Além disso, as mulheres grávidas notam manifestações de intoxicação - náuseas matinais e fraqueza.

Além disso, de acordo com algumas estimativas, há uma influência do tipo sanguíneo dos pais no crescimento e desenvolvimento do bebê. Por exemplo, há uma observação de que a saúde é melhor para as crianças cuja mãe e pai têm tipos sanguíneos diferentes. Ao mesmo tempo, é desejável que uma mulher tenha uma figura mais baixa que um homem.

Esse processo está intimamente integrado a qualquer curso de planejamento familiar e é obrigatório para as famílias que esperam pela primeira vez em todas as clínicas. Nas cidades onde o planejamento familiar se baseia em algoritmos Rh mais modernos, o fator de compatibilidade sanguínea é dado no estágio de planejamento da concepção para excluir experiências negativas para o casal.

post 5c3f0231d1b75 - Compatibilidade sanguínea para concepção - uma tabela de compatibilidade de grupos sanguíneos e fatores Rh para

No caso em que os fatores Rhesus em um casal são iguais ou em um homem negativo, a gravidez passará sem complicações causadas por esse fator.

No caso em que uma mulher tem um fator de Rhesus negativo e um homem tem um positivo, pode ocorrer um conflito de Rhesus.

O conflito Rhesus é o processo em que uma proteína (fator Rhesus) no material do gene de um homem é tomada pelo sistema imunológico da mulher como um corpo estranho, porque o fator Rh em seu sangue é negativo e não existe tal proteína. Um corpo estranho é atacado por todos os mecanismos de imunidade. Como resultado, o embrião enfrenta a rejeição completa do corpo da mãe e, em muitos casos, morre apesar das tentativas de suprimir a imunidade da mãe e outras formas de apoiá-la.

O problema da compatibilidade dos grupos sanguíneos e do conflito Rh não diz respeito a todos os casais nos quais, com base em análises, ele pode ocorrer. Ainda não foi estabelecida uma lista completa de razões e fatores que podem afetar sua manifestação, pois é impossível realizar experimentos nessa área.

Muitos casais, mesmo com diferentes fatores Rh, não têm problemas. A compatibilidade negativa do sangue para a concepção não exclui a concepção, uma gravidez e um parto bem-sucedidos. No entanto, um obstetra líder da família necessariamente melhora o monitoramento e o controle da gravidez.

Os parceiros que decidem, apesar da incompatibilidade dos grupos sanguíneos para superar possíveis dificuldades, devem consultar um médico muito antes de fazer uma concepção.

Repetidas, no âmbito do programa de bebês saudáveis, a doação de sangue para o fator Rh, bem como a aprovação em um exame adicional, ajudarão a aumentar significativamente as chances de uma gravidez bem-sucedida.

Como resultado do exame, para a concepção de uma criança, o médico fará uma série de recomendações que podem aumentar as chances de uma gravidez e nascimento bem-sucedidos sem patologias. Como é impossível levar a compatibilidade do sangue à fórmula ideal, abordagens para parceiros de papel de parede são usadas para a concepção.

Como é uma proteína no sangue que manifesta a reação de conflito Rh, a preparação de medicamentos minimiza o conteúdo de proteínas, o que aumenta as chances de o sistema imunológico não perceber a invasão e não ativar mecanismos de proteção na concepção.

Neste lado, a compatibilidade sanguínea é alcançada com o melhor desempenho devido à supressão planejada, mas cuidadosa, do sistema imunológico de várias maneiras. É impossível deixar o corpo da mãe grávida sem proteção, então você precisa agir com cuidado.

Se você seguir todas as recomendações médicas e não sobrecarregar a concepção, a gravidez e o parto passarão sem complicações.

O tipo sanguíneo é constante e não depende de nenhuma circunstância. No total, existem 4 grupos sanguíneos que diferem na composição. A base de qualquer um deles são os glóbulos vermelhos, mas suas características antigênicas são diferentes:

Não há evidências científicas de que a incompatibilidade de parceiros no grupo sanguíneo seja possível, impossibilitando a concepção ou o nascimento de um bebê saudável. Alguns acreditam que uma gravidez normal é possível se a mãe e o pai tiverem o mesmo tipo sanguíneo, porque nesse caso há total compatibilidade do sangue. A compatibilidade absoluta também é característica do primeiro grupo em homens e o quarto em mulheres.

Na verdade, a compatibilidade dos grupos sanguíneos é relevante apenas no caso de transfusão de sangue doado ao receptor. Isso não tem nada a ver com a possibilidade de concepção ou com o curso seguro da gravidez e do desenvolvimento do bebê. É simples verificar, basta perguntar aos seus amigos - entre eles provavelmente há casais com tipos de sangue supostamente incompatíveis que conceberam e deram à luz filhos saudáveis.

Tipo de sangue da mulherHomens do tipo sanguíneoTipo sanguíneo em uma criança com probabilidade
III
IIIqualquer um dos dois - 50/50
IIII50/50
IVIO segundo ou terceiro - com o mesmo grau de probabilidade
III50/50
IIIIprimeiro / segundo - 50/50
IIIIIqualquer um dos quatro - com uma probabilidade de 25%
IVIIo segundo - 50%, o terceiro / quarto - 25/25
IIII50/50
IIIII1/2/3/4 – 25/25/25/25
IIIIIIo primeiro ou terceiro - igualmente
IVIIIIII - 50%, II ou IV - 25/25
IIVsegundo ou terceiro - 50/50
IIIV2 - 50%, 3/4 - 25/25
IIIIV3 - 50%, 2 ou 4 - 25/25
IVIVo quarto - 50%, o segundo / terceiro - 25/25

zachatie rebenka po gruppe krovi roditelej 2 1 - Compatibilidade sanguínea para concepção - uma tabela de compatibilidade de grupos sanguíneos e fatores Rh para

Acredita-se que a natureza de uma pessoa depende do tipo sanguíneo. Assim, os representantes do 1º grupo são muito emocionais e energéticos, têm um caráter um tanto explosivo e obstinadamente avançam em direção a seu objetivo. O segundo grupo é conservador, calmo e amigável, pode se adaptar a várias situações.

As pessoas do terceiro grupo são práticas e racionais, mas ao mesmo tempo têm uma imaginação rica. Os representantes dos 3 grupos são caracterizados por uma natureza equilibrada, evitam conflitos e são muito trabalhadores. Note-se que muitas pessoas comem de acordo com a dieta para o tipo sanguíneo ou seguem o horóscopo correspondente.

Determinar a compatibilidade dos fatores Rh é um dos primeiros testes realizados em clínicas pré-natais. As contagens sanguíneas podem afetar seriamente a saúde materna durante a gravidez.

A gravidez prossegue normalmente apenas se o corpo da mãe produzir anticorpos que não retiram células fetais para elementos estranhos. Portanto, as mulheres com sangue do primeiro grupo sempre dão à luz sem complicações. Na maioria dos casos, eles têm filhos saudáveis ​​e fortes, mesmo de homens com tipo sanguíneo e fator Rh inadequados.

Com um fator Rhesus positivo na mãe e negativo no pai, as chances de ter um bebê positivo são maiores. No entanto, no momento da concepção, ocorre incompatibilidade sanguínea: durante o período de gestação, o corpo da mulher produz anticorpos que atacam as células do bebê. A luta contra as células fetais é realizada porque o corpo da mulher as reconhece como estranhas devido ao teor de proteínas.

Ataques contínuos expõem a criança a sérios perigos. Muitas vezes, a luta termina na morte do feto. Se o bebê sobreviver, isso afeta a imunidade da mãe e não passa sem deixar vestígios. A gravidez com incompatibilidade de sangue está repleta de tais complicações (toxicose, fadiga, fraqueza, etc.).

No caso de um conflito de rhesus na mãe e no filho, é necessário evitar infecções e resfriados de todas as formas possíveis, para ficar menos nervoso e preocupado. A combinação de fatores Rh é mostrada na tabela.

Infertilidade imunológica e incompatibilidade rh

Vale lembrar que incompatibilidade imunológica e conflito de fatores Rh são conceitos diferentes. Na infertilidade imunológica, ocorre o contato do sistema imunológico com as células germinativas, o que não ocorre em um corpo saudável para um homem, e no corpo de uma mulher está sujeito a um processo natural. Com a incompatibilidade do sangue, a concepção ocorre normalmente, mas surgem problemas com o desenvolvimento do feto.

  1. Na infertilidade, diz-se incompatibilidade se imunologicamente o homem e a mulher são incompatíveis. O tipo sanguíneo e o fator Rh não desempenham um papel no processo de concepção. Com a infertilidade imunológica, anticorpos para espermatozóides são produzidos no corpo feminino.
  2. Uma mulher com um Rhesus negativo é capaz de suportar e dar à luz uma criança com um positivo. Pode haver complicações durante a gravidez e desvios no bebê após o nascimento, mas esse fenômeno não pode ser tomado como incompatibilidade para a concepção.
  3. Um casal em que os fatores Rh são diferentes pode ter filhos saudáveis. Nessa situação, o Rhesus da mãe será a chave, e a criança pode muito bem ter o mesmo Rhesus, o que não levará a conflitos.
  4. Se seus parceiros são incompatíveis, siga todas as recomendações dos médicos. Muitas vezes, é possível compensar os danos e criar um bebê saudável.
  5. Uma gravidez bem sucedida com parceiros incompatíveis não garante o próximo sucesso. Cada gravidez subsequente aumenta o risco de incompatibilidade entre a mãe e o bebê. Muitas vezes, durante a primeira gravidez, a incompatibilidade não ocorre. As tentativas a seguir podem se transformar em um problema, porque a mulher já possui anticorpos em seu corpo.
  6. Com um rhesus negativo na mãe e positivo no pai, a probabilidade de conflito durante a gravidez é de 50% (ao codificar o antígeno de cada um dos cromossomos em um par) e 25% (ao codificar o antígeno de um dos cromossomos em um par).
  7. Mulheres com rhesus positivo nunca têm conflito com o sangue do feto.
  8. O conflito pode acontecer apenas com um Rhesus negativo na mãe. A probabilidade máxima é de 50%.
  9. A formação do fator Rh no feto depende do rhesus dos pais e dos genes que são transmitidos, mas nunca se manifestam.
!  O uso de Levomicetina para cistite

Além do grupo sanguíneo, o fator Rh é importante. Portanto, indique a presença de uma proteína especial (D) na superfície dos glóbulos vermelhos. As pessoas que possuem essa proteína têm Rhesus positivo; em outras, esse indicador é considerado negativo.

O fator Rh do futuro bebê pode ser previsto apenas em um caso - se for negativo para a mãe e o pai, será o mesmo para a criança. Em outras combinações, esta proteína em um bebê pode ser determinada ou pode estar ausente.

No entanto, a gravidez pode ocorrer sem complicações. Muito depende se o corpo da mãe estava previamente familiarizado com esses antígenos - proteínas que são detectadas na superfície das células vermelhas do sangue de pessoas Rh-positivas. Esse “conhecimento” é chamado de sensibilização e pode ocorrer durante uma gravidez anterior, aborto, transfusão de sangue, etc.

Se a imunidade da mulher já foi desenvolvida em relação a essa proteína específica (antígeno D), ela pode atacar o bebê se seu sangue entrar na placenta. Isso pode acontecer já nos últimos meses de gravidez, quando a permeabilidade da placenta aumenta significativamente. Às vezes, o “conhecimento” ocorre no momento do parto, o que também requer a atenção de um especialista.

O que fazer se houver um conflito de Rhesus?

Para que os futuros pais não tenham problemas, as meninas precisam ter muito cuidado com abortos e transfusões. Durante as transfusões, existe o risco de introdução de sangue com o rhesus errado e sempre existe o risco de imunização com outros antígenos. A transfusão deve ser realizada por motivos de saúde.

Na maioria dos casos, a imunização materna ocorre após o primeiro nascimento. Nesse sentido, uma vacina especial deve ser administrada à mulher em trabalho de parto durante o dia, o que evitará a ocorrência de problemas no futuro.

As diferenças de rhesus e tipo sanguíneo nos cônjuges ou no feto não devem se tornar um indicador de problemas globais. Ninguém escolherá um cônjuge com base nos dados de suas proteínas nas células vermelhas do sangue. A medicina moderna nos permite superar essa incompatibilidade e controlar a reação do corpo. Para fazer isso, você precisa ter cuidado com a sua saúde e seguir as instruções do médico.

Apesar da probabilidade de um conflito de Rhesus, uma mãe com falta de antígeno D tem a oportunidade de evitar problemas e riscos à saúde do bebê. Existem todos os tipos de maneiras de prevenir complicações na gravidez. É importante registrar-se em tempo hábil no LCD e realizar a consulta de um obstetra-ginecologista.

Para começar, os especialistas determinam quão alto é o risco de as células imunológicas da mãe prejudicarem o bebê. Para fazer isso, toda a mãe fará um exame de sangue regularmente durante todo o período da gravidez, o que determina a presença de anticorpos. A legenda 1: 4 já indica um conflito imunológico. Se o resultado for 1:64, o médico proporá o parto prematuro para evitar a doença do bebê.

Depositphotos 39926713 m 2015 - Compatibilidade sanguínea para concepção - uma tabela de compatibilidade de grupos sanguíneos e fatores Rh paraSe houver um conflito de Rhesus, uma mulher é imunizada com 28 semanas de gestação

A próxima etapa é a imunização da mãe na semana 28. É mostrada a uma mulher uma injeção intramuscular de um tipo especial de imunoglobulina (gamaglobulina anti-D). Esses antígenos destroem as células vermelhas do sangue do feto, que penetram pela placenta no corpo da mãe até o momento em que sua imunidade consegue reagir a elas.

A imunização é necessária quando nenhum anticorpo é detectado no sangue do paciente. Caso contrário, sua eficácia será zero.

O conflito sanguíneo não afeta o sucesso da concepção. A fertilização é possível em um casal com fatores de rhesus incompatíveis. Uma mulher grávida em conflito deve ser especialmente registrada com um ginecologista e deve ser examinada regularmente.

Medidas para prevenir complicações em caso de conflito sanguíneo em uma mulher grávida:

  • se for encontrada incompatibilidade do sangue dos pais, uma biópsia coriônica deve ser realizada (um procedimento que ajudará a determinar o fator Rh da criança e a presença de conflito com a mãe);
  • a introdução de imunoglobulina (a imunoglobulina anti-Rhesus da vacina evita o conflito do rhesus pela ligação e excreção de anticorpos do corpo);
  • em caso de ameaça à vida da mãe, é necessário preservar a estimulação do trabalho de parto por meios artificiais;
  • realização de cordocentese.

Todas as recomendações do médico devem ser seguidas implicitamente, porque o resultado da gravidez depende disso.

Nas mulheres com um grupo negativo, a gravidez normalmente ocorre apenas com um grupo negativo no pai. Se a mãe é negativa e o homem é positivo, é provável que a criança receba um grupo negativo e o conflito não ocorrerá.

As mulheres com um grupo sanguíneo positivo geralmente não têm problemas em ter e ter um bebê. Mãe e filho são compatíveis em qualquer caso, mesmo que o pai tenha um tipo sanguíneo negativo. Não há conflito no útero, os anticorpos não tentam atacar o bebê. A criança possui proteína nos glóbulos vermelhos, mesmo que a mãe seja positiva e o pai seja negativo.

Tabela para determinar o tipo sanguíneo do feto

vidy krovi - Compatibilidade sanguínea para concepção - uma tabela de compatibilidade de grupos sanguíneos e fatores Rh para

Mencionamos que existem maneiras de prever o provável tipo sanguíneo de um bebê por nascer. Nossa tabela ajudará a sugerir qual grupo o bebê terá, mas não dará uma resposta 100%.

Tipo sanguíneo (1 progenitor)Tipo sanguíneo (2 progenitor)Tipo sanguíneo da criança,% probabilidade
255075100
Eu (0)Eu (a)I
Eu (0)II (A)Eu II
Eu (0)III (B)I, III
Eu (0)IV (AB)II, III
II (A)II (A)III
II (A)III (B)I, II, III, IV
II (A)IV (AB)III, IVII
III (B)III (B)IIII
III (B)IV (AB)II, IVIII
IV (AB)IV (AB)II, IIIIV

Como pode ser visto na tabela, em quase todos os casos (exceto em um - quando a mãe e o pai têm 1 grupo), 2 ou mais opções são permitidas. O maior número de variações é em uma criança em que ambos os pais têm 3 grupos - o bebê pode nascer com 1 ou 2, 3 ou 4. Somente testes de laboratório podem garantir a resposta certa.

Que medidas são tomadas em caso de gravidez com conflito de Rh?

Se a mãe tem um fator Rh positivo, o fator Rh negativo de um homem não afeta o desenvolvimento do feto. Quando uma criança herda um Rhesus negativo, não surge um conflito, porque não há proteína no sangue da criança que não seja familiar ao sistema imunológico da mulher.

  1. Mãe Rhesus positiva e pai positivo, a criança herda Rhesus positivo. Não haverá complicações.
  2. Mãe positiva e pai positivo, a criança herda o negativo. Não haverá complicações, o corpo da mãe não responde aos elementos sanguíneos do bebê.
  3. Mãe positiva e pai negativo, a criança herda o positivo. A proteína no sangue da mãe é "familiar" ao sistema imunológico; portanto, a proteína no sangue do bebê não é percebida como estranha.
  4. Mãe positiva e pai negativo, o filho herda o negativo. Não existe proteína no sangue da criança, a reação não ocorre.

Em todos os casos, o corpo da criança não conterá elementos desconhecidos da imunidade da mãe.

Um rhesus negativo na mãe pode levar a complicações durante a gravidez, mas nem sempre. A chave para ter sucesso é o mesmo Rhesus negativo na mãe e no bebê.

  1. Negativo da mãe e negativo do pai, o filho herda o negativo. A falta de proteína no sangue da criança não causa conflito, porque também não está no sangue da mãe. A imunidade simplesmente não sabe a que reagir.
  2. Mãe negativa e pai positivo, a criança herda negativa. Não existe proteína no sangue de ambos, portanto não há conflito.
  3. Negativo na mãe e positivo no pai, a criança herda o positivo. O sangue fetal contém uma proteína desconhecida pelo corpo da mãe. Como não existe tal substância no corpo da mãe, a imunidade começa a se defender. Os anticorpos penetram no sangue do bebê e destroem os glóbulos vermelhos.
!  Aspartato aminotransferase (AST) está elevada, o que significa

Se houver um pequeno risco de desenvolver conflito de Rh, a melhor opção é planejar uma gravidez. O ginecologista escolherá o esquema ideal de terapia preliminar e o tratamento necessário para gerar um filho. A principal tarefa durante a gravidez é prevenir a reação negativa do corpo da mãe ao feto.

Se as medidas necessárias não forem tomadas a tempo, a incompatibilidade afetará a saúde do bebê. Com uma pequena quantidade de anticorpos no sangue da gestante, pode ocorrer anemia leve; no caso de produção intensiva, a situação é agravada, pois o organismo de migalhas não pode produzir novas células sanguíneas a esse ritmo.

O bebê vai ficar doente ou não, depende não só da quantidade de anticorpos produzidos, mas também se eles podem romper a placenta e prejudicar o feto. Freqüentemente, os bebês nascem saudáveis ​​ou têm pequenos problemas de saúde. As consequências de um "conflito de sangue" podem ser:

  • rejeição espontânea do embrião;
  • início prematuro do processo de nascimento;
  • inchaço dos órgãos no feto;
  • desenvolvimento anormal;
  • eritroblastose, acompanhada de um aumento no baço e no fígado.

Com gestação difícil ou quando há suspeita de que não há compatibilidade com o fator Rh, o ginecologista deve encaminhar a mulher a vários estudos. Uma mulher receberá sangue para detectar anticorpos usando o teste de Coombs, CTG e ultrassom; em alguns casos, é necessário o exame do líquido amniótico.

A situação se torna mais perigosa a partir do segundo trimestre da gravidez, quando o número de anticorpos aumenta. Para monitorar a condição, você deve verificar periodicamente:

  • 4-32 semanas de gravidez - mensalmente;
  • dentro de 7 meses - 2 vezes em trinta dias;
  • antes da entrega - semanalmente.

Para minimizar o risco de desenvolvimento anormal da criança e manter a gravidez no início do terceiro trimestre da mãe em potencial, é injetada imunoglobulina. A droga interrompe a produção de anticorpos que afetam negativamente o feto.

O soro anti-rhesus deve ser administrado à puerperança dentro de três dias após o parto. Apesar do conflito de Rhesus ser raro durante a primeira gravidez, a produção de anticorpos é inevitável durante o parto. É necessária uma injeção para proteger a gravidez subsequente de uma mulher. O medicamento anti-Rhesus deve ser administrado nos casos de:

  • aborto ou aborto;
  • transfusão de plaquetas;
  • intervenção cirúrgica;
  • descolamento de placenta;
  • fixação do embrião fora da cavidade uterina.

Crianças em mulheres grávidas com um conflito com o fator Rh geralmente nascem prematuramente devido a parto prematuro ou cesariana de emergência. Ao final do processo de nascimento, o neonatologista lida com a criança. Freqüentemente, os recém-nascidos recebem medicamentos especiais e procedimentos fisioterapêuticos. Em situações extremamente difíceis, o bebê recebe uma transfusão de sangue.

A genética e os obstetras argumentam que o fator Rh positivo da mãe é garantido para evitar o desenvolvimento de doenças hemolíticas na criança.

Dois cenários são aceitáveis ​​- a criança terá um Rhesus positivo ou negativo:

  • no primeiro caso, a compatibilidade quase completa é determinada - a imunidade da mãe perceberá uma proteína específica no sangue fetal como já familiar;
  • no segundo, o sangue nas migalhas ficará completamente sem um antígeno que possa causar uma resposta imunológica.

Se a futura mãe tiver um fator Rh negativo, ela precisará passar por um exame adicional. Acredita-se que o fator Rhesus no feto seja finalmente formado aos 3 meses de idade. O problema surge apenas se as migalhas tiverem um rhesus positivo, mas é quase impossível descobrir com certeza. A penetração das partículas de sangue do bebê através da placenta pode provocar um conflito imunológico, e a criança sofrerá seriamente.

uzi na rannix srokax beremennosti za i protiv - Compatibilidade sanguínea para concepção - uma tabela de compatibilidade de grupos sanguíneos e fatores Rh paraSinais de doença hemolítica são diagnosticados por ultrassom

O médico na clínica pré-natal monitora cuidadosamente a condição de tal paciente e seu filho usando vários métodos:

  1. Ultrassom O exame de ultrassom ajuda a ver em um estágio inicial os sinais de uma doença hemolítica do recém-nascido - aumento do fígado, espessamento da placenta, polidrâmnio.
  2. Dopplerografia. Este tipo de exame é um tipo de ultrassom. Permite avaliar o fluxo sanguíneo na artéria cerebral, para ver outras patologias.
  3. Exame de sangue para grávidas quanto a anticorpos. Um indicador importante não é apenas o número, mas também a dinâmica. Se a concentração de anticorpos aumentar, há motivos para alarme.
  4. Às vezes, é realizada uma punção do líquido amniótico e um exame de sangue do cordão umbilical para bilirrubina (ver também: como é uma análise da bilirrubina em recém-nascidos?). Isso é mostrado apenas em situações críticas, pois o procedimento pode causar o nascimento prematuro do bebê.

Tratamento de incompatibilidade

Em caso de conflito de rhesus após o parto, o recém-nascido recebe transfusões de sangue com o grupo materno e o rhesus. Isso evita os efeitos dos anticorpos maternos que entram no corpo do bebê. Em contato com sangue familiar, os anticorpos são neutralizados.

A profilaxia da imunoglobulina também é realizada após o aborto, aborto, parto prolongado, gravidez ectópica. Hoje, o conflito de Rhesus pode ser controlado com medicamentos. Pais com incompatibilidades têm todas as chances de ter um filho saudável.

Como já descobrimos, o problema na compatibilidade do sangue da mãe e do feto só pode estar na presença de um conflito de Rhesus. Especialistas dizem que o fator Rhesus é vitalício e não pode mudar. No entanto, existe uma categoria de pessoas com um fator "fracamente positivo" em que a presença do antígeno D nem sempre é fácil de detectar. São essas pessoas que podem descobrir que o fator Rh foi determinado incorretamente.

holestaz beremennyh - Compatibilidade de sangue para a concepção - uma tabela de compatibilidade de grupos sanguíneos e fatores Rh paraO fator Rh de uma pessoa não pode ser alterado; portanto, mulheres com Rhesus negativo precisam ser observadas por um médico durante a gravidez.

Nesse sentido, é impossível obter a compatibilidade do sangue da mãe e do filho. Você só pode realizar prevenção (administração de antígeno) e monitorar a condição da mulher grávida e do feto. Em casos críticos, são possíveis as seguintes medidas:

  • transfusão de sangue de reposição para um bebê no útero;
  • plasmaferese - purificação do sangue de uma mulher grávida de anticorpos;
  • estimulação do nascimento por um período de 36 semanas.

Existem outras maneiras de eliminar as consequências da incompatibilidade. Por exemplo, administração intravenosa de glicose e várias soluções especiais.

Como contornar o problema?

A cada nova concepção e gravidez, o corpo da mulher produz cada vez mais anticorpos para um corpo estranho, considerado um embrião. O resultado de várias tentativas pode ser:

Feto congelado quando a imunidade o suprimiu no segundo terceiro trimestre de gravidez;

Nascido morto, quando, nas últimas semanas de gravidez, alterações hormonais no corpo superam as tentativas dos médicos para salvar a criança;

Aborto espontâneo, rejeição do embrião no início da gravidez;

patologia em recém-nascidos.

A cada nova tentativa, desde que a compatibilidade dos grupos sanguíneos parentais não tenha mudado, as chances de um resultado positivo na gravidez caem exponencialmente. Mesmo para aqueles que já tiveram seu primeiro bebê, o risco de perder durante a segunda gravidez é muito alto.

Isto é devido à rejeição pelo sistema imunológico de uma mulher de um organismo estranho a ela. A produção de anticorpos, que aumentam a cada nova gravidez, piora o prognóstico para o nascimento de crianças saudáveis.

Segundo especialistas, o risco de desenvolver doença hemolítica do recém-nascido aumenta com as gestações subsequentes de uma paciente Rh-negativa. Durante o parto, partículas de sangue fetal podem entrar no sangue da mãe, o que permite ao corpo da mulher desenvolver imunidade contra uma proteína sanguínea desconhecida.

Para evitar isso, é aconselhável planejar a gravidez com antecedência. Se o fator de Reso do marido for definido como fracamente positivo, a FIV é recomendada em casos especiais. Dos embriões prontos cultivados in vitro, um Rh negativo é selecionado e fica no útero da mulher.

Um ponto significativo é a injeção pós-parto de imunoglobulina. Nesse caso, o risco de complicações durante o parto subsequente é reduzido significativamente. A globulina anti-D deve ser administrada no período de 72 horas após o nascimento do bebê.

Detonic - um medicamento único que ajuda a combater a hipertensão em todas as fases do seu desenvolvimento.

Detonic para normalização da pressão

O efeito complexo dos componentes vegetais da droga Detonic nas paredes dos vasos sanguíneos e no sistema nervoso autônomo contribuem para uma rápida diminuição da pressão arterial. Além disso, este medicamento evita o desenvolvimento da aterosclerose, graças aos componentes únicos envolvidos na síntese da lecitina, um aminoácido que regula o metabolismo do colesterol e impede a formação de placas ateroscleróticas.

Detonic síndrome não viciante e de abstinência, uma vez que todos os componentes do produto são naturais.

Informações detalhadas sobre Detonic está localizado na página do fabricante www.detonicnd.com.

Tatyana Jakowenko

Editor-chefe da Detonic revista online, cardiologista Yakovenko-Plahotnaya Tatyana. Autor de mais de 950 artigos científicos, inclusive em revistas médicas estrangeiras. Ele tem trabalhado como um cardiologista em um hospital clínico há mais de 12 anos. Possui modernos métodos de diagnóstico e tratamento de doenças cardiovasculares e os implementa em suas atividades profissionais. Por exemplo, usa métodos de reanimação do coração, decodificação de ECG, testes funcionais, ergometria cíclica e conhece muito bem a ecocardiografia.

Por 10 anos, ela tem participado ativamente de vários simpósios médicos e workshops para médicos - famílias, terapeutas e cardiologistas. Ele tem muitas publicações sobre estilo de vida saudável, diagnóstico e tratamento de doenças cardíacas e vasculares.

Ele monitora regularmente novas publicações de europeus e americanos cardiolrevistas científicas, escreve artigos científicos, prepara relatórios em conferências científicas e participa em conferências europeias cardiology congresses.

Detonic